PSD prossegue como maior bancada do Senado em 2024

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Na Casa, a mudança de agremiação é livre, pois o mandato não pertence ao partido, mas ao próprio titular. Foto: Divulgação

Apesar das mudanças de filiações partidárias ocorridas no ano passado, o PSD continuará como o maior partido entre as 13 legendas presentes na Casa, com um total de 15 representantes, mantendo o mesmo número registrado em 2023. O PL contará com 12 senadores, seguido do MDB, com 11, e do PT, com oito. Pela primeira vez, o Novo vai abrir o ano legislativo com um representante no Senado, que contará ainda com um senador sem partido.

No início deste ano, o senador Randolfe Rodrigues oficializou a sua desfiliação da Rede. Embora tenha anunciado a saída do partido no ano passado, ele ainda não havia formalizado a sua mudança junto a Secretaria-Geral da Mesa, o que ocorreu somente agora em janeiro.

Em 2023, também houve alterações nas filiações partidárias no Senado. Na Casa, a mudança de agremiação é livre, pois o mandato não pertence ao partido, mas ao próprio titular.

Os parlamentares que mudaram de partido em 2023 são Alessandro Vieira, do PSDB para o MDB; Zequinha Marinho, do PL para o Podemos; Eduardo Girão, do Podemos para o Novo, que pela primeira vez passou a contar com um representante no Senado; Rodrigo Cunha, do União para o Podemos; e a senadora Soraya Thronicke, que migrou do União para o Podemos.

Houve ainda alterações que não resultaram de mudanças partidárias, mas de substituições relacionadas ao titular do mandato.

A primeira suplente do senador Wellington Dias (PT), a socióloga Jussara Lima (PSD-PI), assumiu o mandato em 2023, em razão da nomeação do titular para o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome.

Após licença superior a 120 dias, o senador Marcos Rogério (PL-RO) também retomou o mandato, ocupado durante sua ausência pelo Dr. Samuel Araújo, primeiro suplente pelo mesmo partido.

Dois dos partidos representados no Senado fazem parte de federações partidárias, que são alianças de abrangência nacional que devem durar por, pelo menos, quatro anos.  O PT está em federação partidária com o PCdoB e o PV. O PSDB está em federação partidária com o Cidadania. Nenhuma dessas federações, porém, possui representantes de mais do que um partido que as compõem.

Leia também:
PSB filia Cid Gomes e dezenas de prefeitas e prefeitos no Ceará
João Campos tem a maior intenção de votos entre as 10 maiores capitais do Brasil
João Campos recebe apoio formal do Republicanos para eleições municipais
PSDB recebe novos filiados do Agreste pernambucano para disputar eleições
Alepe cobra diálogo a Raquel Lyra. Álvaro Porto choca com áudio vazado contra governadora
Prefeito e vice-prefeito de Vicência se filiam ao PSDB
Humberto vai ao sertão para fortalecer PT em PE
Fátima Bezerra torna-se a primeira mulher presidente do Consórcio Nordeste

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias