Consórcio Nordeste propõe Fundo da Caatinga ao Governo Federal

O governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT), entregou diretamente à ministra Marina Silva, da Rede, proposta de criação do Fundo da Caatinga, em reunião aconteceu na sede do Ministério do Meio Ambiente, nesta terça-feira (31/10). Já com a minuta do decreto em mãos, resultado de trabalho realizado em conjunto com o BNDES, o Consórcio Nordeste […]
Ministra Marina Silva recebe proposta de Fundo da Caatinga do Consórcio Nordeste das mãos do governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT). Foto:  Consórcio Nordeste/ Divulgação
Ministra Marina Silva recebe proposta de Fundo da Caatinga do Consórcio Nordeste das mãos do governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT). Foto: Consórcio Nordeste/ Divulgação

O governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT), entregou diretamente à ministra Marina Silva, da Rede, proposta de criação do Fundo da Caatinga, em reunião aconteceu na sede do Ministério do Meio Ambiente, nesta terça-feira (31/10). Já com a minuta do decreto em mãos, resultado de trabalho realizado em conjunto com o BNDES, o Consórcio Nordeste propõe um fundo para a Caatinga inspirado no Fundo da Amazônia.

Participaram da cerimônia o secretário de Meio Ambiente da Bahia, Eduardo Sodré, a secretária de Meio Ambiente, Sustentabilidade e Fernando de Noronha de Pernambuco, Ana Luiza Ferreira e Carlos Gabas, secretário executivo do Consórcio Nordeste.

Na proposta apresentada, ganham ênfase e possibilidade de financiamento de projetos para o manejo sustentável, recuperação e revitalização de áreas degradadas, apoio a projetos sustentáveis de geração e distribuição de energia, atividades econômicas desenvolvidas a partir do uso sustentável da Caatinga e, dentre outros, conservação e uso sustentável da biodiversidade.

O governador baiano, que lidera os debates sobre meio ambiente no Nordeste, enfatizou que “a criação de um fundo específico para o bioma mais brasileiro e tipicamente nordestino é fundamental para ampliar as nossas possibilidades de convívio com o semiárido. A Caatinga nos oferece diariamente soluções de resiliência e, apoiar o potencial da bioeconomia do bioma, fomentar a agricultura de baixo carbono em pequenas e médias propriedades para a produção de alimentos e outras tecnologias sociais já conhecidas vai nos permitir um salto de qualidade em nossas políticas para a sustentabilidade”. Jerônimo Rodrigues complementou lembrando que é preciso recuperar a Caatinga, valorizar sua genética resiliente e potencializar seu banco de sementes agrícolas e nativas.

O Ministério do Meio Ambiente recebeu a proposta com muito entusiasmo, ressaltando o protagonismo do Nordeste no redesenho institucional e já se dispôs a montar um grupo de trabalho com o Consórcio Nordeste para elaboração de um Plano para a Caatinga e aprofundar os estudos para criação do Fundo. Além de Marina Silva, participaram da reunião o presidente do IBAMA, Rodrigo Agostinho, e os secretários Edel Moraes, André Lima e Daniel Viegas.

- Publicidade -

Caatinga

Caatinga. Foto: Gabriel Carvalho/Setur Bahia

A Caatinga, do tupi “mata branca”, é o único bioma exclusivamente brasileiro. Dotada de uma riquíssima variedade biogenética, a Caatinga é um território que muito tem a ofertar ao Brasil e ao mundo, desde as possibilidades de sequestro de carbono da atmosfera até como sua vegetação, já tão bem adaptada a um ambiente semiárido, pode ensinar ao mundo como construir exemplos de políticas de adaptação climática em territórios com menor acesso à água.

Adiciona-se a isso o fato que a Caatinga é uma grande região natural que presta importantes serviços ao planeta. Ela também apresenta índices notáveis de biodiversidade e endemismo. A resiliência das diferentes espécies vegetais que povoam a Caatinga pode, em um mundo que vem sofrendo um processo de mudanças climáticas, ser fonte de adaptações genéticas para maior eficiência agrícola. A sua proteção, assim, é chave para a construção de um mundo adaptado às mudanças do clima e a conservação de sua biodiversidade é crucial para o atingimento dessa finalidade.

Busca de investimentos

Eduardo Sodré, secretário de meio ambiente da Bahia e coordenador da Câmara Temática do Consórcio Nordeste, afirmou que “a Caatinga deve gozar de um forte sistema de proteção e recaatingamento, e o Fundo da Caatinga, conforme apresentado nessa proposta de decreto, apresenta-se como importante instrumento para a preservação desse bioma tão necessário para o país. A busca de investimentos, em especial estrangeiros, conforme é realizado pelo Fundo Amazônia, é instrumento eficaz na preservação de um bioma e a Caatinga deve ser receptora de recursos que assegurem sua preservação o quanto antes, já que enfrenta em alguns pontos já forte processo de degradação ambiental”. Estima-se que com o Fundo novas iniciativas possam ser fomentadas na região e que um futuro próspero seja reservado ao único bioma exclusivamente brasileiro.

Leia também:
PE é o 2º estado com maior geração de empregos do NE; Recife é a melhor capital
Paulo Dantas assegura recursos do Novo PAC para Alagoas
Governo Federal e empresas aéreas apresentam malha de voos para o verão
Ministro Márcio França e Pedro Campos debatem empreendedorismo no Porto Digital
João Campos anuncia construção do Parque da Tamarineira
Câmara aprova projeto de lei de taxação para super-ricos
Antonio Coelho debate Turismo do Recife com ministro José Múcio
Comissão do Senado faz diligência sobre prédios-caixão nesta quinta em PE
Com Lula e governadores do NE, BNDES e FIDA destinam R$ 1,8 bi para Sertão
Raquel Lyra encontra Lula e Haddad nesta terça em Brasília
Humberto defende protagonismo do PT nas eleições de 2024 no Recife

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -