Contêineres crescem 8% em Salvador

Entre os fatores que vêm impulsionando a movimentação de contêineres no porto de Salvador estão investimentos em modernização de equipamentos e processos, ganhos operacionais que trazem vantagens para os clientes, a seca no Rio Amazonas e uma atuação comercial cada vez mais agressiva

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Algodão de Matopiba foi um dos principais responsáveis pelo crescimento na movimentação de contêineres no Porto de Salvador
Algodão, frutas, papel e celulose estão entre as cargas que impulsionaram a movimentação de contêineres no porto baiano em 2023/Tecon Salvador (Divulgação)

A movimentação no terminal de contêineres do Porto de Salvador, o Tecon Salvador (Wilson Sons), bateu recorde ano passado e cresceu 8%. O terminal atingiu a marca histórica de 400.839 TEUs (unidade de contêiner), 29.212 a mais que o volume registrado em 2022 (371.627 TEUs). É o nível mais alto em 23 anos de operação da unidade de negócio.

O recorde anual anterior aconteceu em 2021, quando o Tecon Salvador movimentou 376.366 TEUs. Na análise por sentido da carga, o primeiro lugar ficou com as exportações (incremento de 94.291 TEUs), seguidas pela cabotagem (+81.962), importação (+68.827), transbordo (+66.567) e remoções (+23.636). 

Diretor-executivo do Tecon Salvador, Demir Lourenço destaca que “a região Nordeste, em especial a Bahia, vem sendo uma importante provedora de soluções para os atuais gargalos logísticos no país, considerando desafios como a seca na região Amazônica, que deslocou parte das cargas da área para os portos nordestinos“.

“O Porto de Salvador, diante das suas condições naturais de navegabilidade e localização privilegiada, desponta na liderança regional na modalidade de navegação com escalas em portos de mais de um país, chamada de longo curso, o que tem contribuído para alavancar nosso terminal”, analisa.

Demir Lourenço destaca ainda que “o terminal de contêineres baiano é uma das instalações mais competitivas na América do Sul, potencializada pelos constantes investimentos nas melhorias das nossas instalações e que vêm contribuindo para obtermos recordes seguidos em nossas operações”.

Segundo ele, “entre os portos do Nordeste, o Tecon Salvador é responsável por 41% dos contêineres do comércio exterior, o que coloca o terminal numa posição estratégica para as relações comerciais internacionais da região e do Brasil”.

Expansão em contêineres: Demir Lourenço destaca importância estratégica crescente do Tecon Salvador para a economia nordestina e do Brasil
Contêineres em alta: Demir Lourenço ressalta papel estratégico do Tecon Salvador para a economia regional e do país/Foto: Divulgação (Wilson Sons)

Contêineres: Tecon Salvador amplia agressividade

Além dos investimentos em equipamentos, melhorias operacionais para aumento de produtividade, captação de novas rotas marítimas e seca no rio Amazonas, outro fator que explica o crescimento da movimentação de contêineres em Salvador é uma atuação comercial cada vez mais agressiva em setores como o agronegócio, por exemplo.

O Tecon Salvador vem ampliando a presença nas exportações, entre outros produtos, de algodão e frutas frescas. “Esse é o resultado de um trabalho comercial forte nessas áreas, dedicado a aumentar o fluxo de cargas”, afirma Demir Lourenço.

No caso do algodão, houve um salto de 235% ano passado, de 964 TEUs em 2022 para 3.228 TEUs. A responsável por esse incremento é Matopiba, nova fronteira do agronegócio brasileiro, formada por terras do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. A região já ocupa a posição de segunda maior produtora de algodão do Brasil, atrás apenas de Mato Grosso, além de responder por 10% da safra de soja.

Os principais mercados de destino do algodão exportado em Salvador são a Ásia (Paquistão, Bangladesh, China, Indonésia e Vietnã) e a Eurásia (Turquia).

As frutas, por sua vez, representaram 11,33% do volume de contêineres. Houve um incremento de 103% na movimentação, impulsionado por cargas oriundas do norte de Minas Gerais, Sergipe e de diferentes regiões da Bahia e Pernambuco, com destaque o Vale do São Francisco.

Papel e celulose também são destaque

No setor industrial, papel e celulose, commodities tradicionais da Bahia, foram o destaque, com 29% de participação no total de contêineres movimentado.

Nas importações, as cargas mais expressivas foram químicos diversos (17,2%) e peças para o setor de energia solar (13%).

Com o avanço das produção de energias renováveis no Nordeste e novos parques eólicos previstos para implantação na Bahia, a tendência é que esse segmento amplie a movimentação no Tecon Salvador. O estado tem atualmente 54 usinas eólicas em construção e 211 em projetos ainda não iniciados.

Na cabotagem (navegação costa a costa entre portos brasileiros), o setor de plásticos e polímeros diversos puxou o crescimento (17,5%), seguido de químicos (16,4%) e arroz oriundo predominantemente do Rio Grande do Sul (14,2%) 

Principais destinos são China e EUA

Conectado por linhas marítimas semanais para a China e Estados Unidos, o Tecon Salvador vem incrementando os embarques para esses países. Os dois gigantes da economia global são os principais destinos das cargas exportadas pelo terminal.

O mercado chinês responde por 27% dos contêineres com exportações e o norte-americano por 26%. A China também lidera as importações feitas pelo terminal, com 48% dos contêineres de produtos importados.

Leia mais sobre contêineres:

Contêineres: setor cresce em 3 portos do NE

Exportações de algodão crescem 156% no Tecon Salvador

Na Bahia, Tecon Salvador investe R$ 24 milhões em equipamentos elétricos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias