terça-feira, 16/04/2024

Trabalhadores da Refinaria Mataripe devem parar nesta quarta-feira (06)

As entidades sindicais vinham travando negociações em defesa de 300 funcionários da Petrobrás transferidos da refinaria, depois da privatização
Refinariam Relam Mataripe
Refinaria Mataripe/Foto: Petrobras/Divulgação

 Os trabalhadores da Refinaria Mataripe, antiga refinaria Landulpho Alves (Rlam), na Bahia, decidiram pela paralisação das atividades a partir das 6h15 desta quarta-feira (6), em resposta à demissão de trabalhadores próprios e terceirizados.

O movimento foi aprovado em reunião com representantes da Federação Única dos Petroleiros (FUP), do Sindipetro Bahia e do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil, Montagem e Manutenção Industrial (Siticcan).

- Publicidade -

O dono da Refinaria

A Refinaria Mataripe foi vendida em novembro de 2021 ao fundo árabe Mubadala, e sua subsidiária Acelen, que administra a planta, tem feito enxugamento de pessoal. Segundo o sindicado, foram demitidos 150 trabalhadores, sendo 30 próprios e 120 terceirizados. A empresa conta hoje com 1.725 empregados, dos quais 700 terceirizados.

“Somente nesta terça-feira (05), ou seja, em apenas um dia, foram demitidos 28 empregados. Lutamos pela manutenção dos empregos e contra a política irresponsável da Acelen que promove a cada dia demissão em massa”, afirma Deyvid Bacelar, coordenador-geral da FUP.

Atualmente, as entidades sindicais vinham travando negociações em defesa de 300 funcionários da Petrobrás transferidos da refinaria, depois da privatização.

- Publicidade -

Em viagem ao Oriente Médio, em fevereiro último, o presidente da Petrobrás, Jean Paul Prates, anunciou que está construindo uma parceria com o fundo árabe Mubadala Investment Company para que a estatal brasileira retome a operação da Rlam.

Em abril do ano passado, a Acelen assinou um memorando de entendimento com o Governo da Bahia para a construção de um novo negócio no estado: uma biorrefinaria com capacidade para 20 mil barris/dia (1 bilhão de litros por ano). A planta será voltada para diesel renovável e combustível sustentável de aviação (SAF), a partir de óleo de soja, macaúba e dendê.

Segundo o cronograma divulgado, as obras da unidade começariam já no início de 2024, com entrada em operação da primeira fase da refinaria em 2026.

Mubadala

Em entrevista recente à Bloomberg, o Oscar Fahlgren, CEO do Mubadala Capital no Brasil, braço de investimentos do fundo soberano de Abu Dhabi, disse estão previstos mais de US$ 1 bilhão em investimentos por ano no país, demonstrando otimismo em relação às perspectivas de crescimento do Brasil. A empresa pretende expandir não só sua participações na refinaria de petróleo, mas em diversos setores e até infraestrutura rodoviária.

O Mubadala Capital já aportou mais de US$ 5 bilhões no país ao longo de uma década no Brasil. A empresa concluiu recentemente um segundo fundo específico para o Brasil, levantando mais de US$ 710 milhões, e planeja iniciar a captação de capital para um terceiro fundo ainda maior ainda em 2024.

O Mubadala Capital mantém foco em ativos em dificuldades em setores como infraestrutura e energia. Entre seus investimentos no Brasil estão a rodovia pedagiada Rota das Bandeiras, em São Paulo, e a produtora de etanol Atvos, anteriormente parte da Novonor (antiga Odebrecht). Além disso, o grupo é proprietário da Acelen, holding de energia responsável pela gestão da refinaria Mataripe, a primeira refinaria privatizada do Brasil, localizada na Bahia.

Em relação à possibilidade de venda da refinaria de Mataripe pela Petrobras, Fahlgren destacou a disposição da empresa em considerar todas as opções que façam sentido para seus investidores e para o crescimento da empresa.

Além disso, o Mubadala Capital está expandindo a produção de energia verde, como biocombustíveis, através da Atvos, explorando a adição de combustíveis sustentáveis, incluindo combustível de aviação sustentável, ao seu portfólio atual. Com investimentos pesados na expansão desses setores, a empresa busca liberar o potencial de crescimento de seus ativos e impulsionar o desenvolvimento econômico e sustentável do Brasil.

Foto: Reprodução

Leia também:

Refinaria de Mataripe: o que vai acontecer com a volta da Petrobras no 2º semestre?

Suape passa a contar com operação de bunker da Dislub

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -