quinta-feira, 18/04/2024

Suape passa a contar com operação de bunker da Dislub

Abastecimento de combustíveis de navios poderá ser feito a contrabordo diretamente através de barcaça da distribuidora
Com a conclusão das obras de dragagem do canal de acesso de Suape, os armadores passam a ter nova opção de abastecimento / Foto: Suape/Divulgação

Por Patrícia Raposo e Paulo Goethe

A partir de 1º de maio, os navios atracados em qualquer píeres e cais do Complexo Industrial e Portuário de Suape terão a alternativa de abastecimento de óleo combustível marítimo, o chamado óleo bunker, que passa a ser fornecido pela Dislub Equador.

- Publicidade -

A empresa pernambucana começa a operar com uma barcaça, que abastecerá navios enquanto eles carregam ou descarregam mercadorias. A Dislub será a primeira empresa a oferecer operação de bunker no terminal pernambucano.

Atualmente, apenas navios que atracam no porto externo, onde ocorrem operações com granéis líquidos, podem ser abastecidos com bunker. Esse era um serviço monopolizado pela Petrobras, que não o tinha como prioritário. A empresa chegou a suspender o fornecimento durante certo tempo. Com a venda das suas refinarias à iniciativa privada, criou-se um novo mercado para o bunker.

Redução de custos em Suape com bunker

Atualmente, estima-se que apenas 25% dos navios que fazem rotas internacionais abasteçam no Brasil. A maioria traz seu próprio óleo. Com a operação da Dislub em Suape, os navios passam a poder usar o espaço reservado ao combustível para trazer mais mercadorias, otimizando suas viagens, reduzindo custos e aumentando receita.

- Publicidade -

O anúncio ao mercado foi feito oficialmente na tarde desta terça-feira (5), pelo presidente da Dislub Equador, Humberto Carrilho e pelo presidente de Suape, Márcio Guiot, na Intermodal South America, um dos maiores eventos de logística, comércio exterior e de modais de carga do continente, realizado anualmente no Expo São Paulo, na capital paulista. Com mais de 500 expositores, a feira tem expectativa de público acima de 40 mil pessoas.

“O potencial de marcado estimado pela Dislub é que 35 mil a 40 mil toneladas mensais de óleo bunker”, diz Leonardo Cerquinho, diretor de Desenvolvimento de Negócios da Dislub, presente no evento.

Para viabilizar a operação de bunker, a Dislub contará com acesso à infraestrutura de quatro tanques com capacidade para 10 mil m³ cada um, totalizando 40 mil m³ de armazenagem de combustível.

“Com a conclusão das obras de dragagem do canal de acesso de Suape, os armadores passam a ter opção de abastecimento num porto de águas profundas”, ressalta Cerquinho.

O produto será bombeado a partir do terminal da Ultracargo localizado no porto organizado para uma barcaça no Píer de Granéis Líquidos 1. Após essa etapa, a embarcação estará apta a fazer o abastecimento a contrabordo dos navios.

Dislub investe em Suape

Com forte atuação no segmento de combustíveis nas regiões Norte e Nordeste, o Grupo Dislub Equador (GDE) obteve o aval dos órgãos reguladores para oferecer uma modalidade de abastecimento que otimiza as atividades portuárias e estimula a competitividade do terminal localizado em Pernambuco.

O diretor-presidente do Porto de Suape, Marcio Guiot, destaca que o serviço de abastecimento de óleo combustível marítimo vai reforçar a posição de hub distribuidor de carga do terminal pernambucano no Nordeste e no país, criando ainda mais valor para os navios que demandam o complexo.

Márcio Guiot, presidente de Suape
Márcio Guiot, presidente de Suape

“O Porto de Suape, devido à sua localização e perfil concentrador de cargas, tem uma demanda natural por bunker. Nossa operação vai ocupar essa lacuna”, enfatiza Cerquinho.

Com faturamento anual de R$ 10 bilhões, o Grupo Dislub Equador está presente nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste, com mais de 450 postos bandeirados, 24 filiais e 10 terminais próprios. Em 25 anos de história, a empresa trabalha com duas marcas próprias, Dislub e Equador, abastecendo mais de três mil clientes.

Leia mais em: Suape vai dar início ao abastecimento de navios em alto-mar por empresas privadas

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -