AL terá investimento de R$ 1 bi para estocagem de gás natural

Empresas Origem e TAG criam joint venture para investir em estrutura inédita de gás natural e que também contribuirá para o processo de transição energética do Brasil
Operação de gás da Origem Energia em Pilar, Alagoas
Maior parque industrial da Origem Energia é o de Pilar, onde a empresa já produz mais de um milhão e 300 mil metros cúbicos de gás natural por dia. Foto: Origem Energia/Divulgação

Por Vanessa Siqueira, de Alagoas

O município de Pilar, localizado na Região Metropolitana de Maceió, irá receber um projeto pioneiro no país que tem como objetivo estocar gás natural e atender à crescente demanda por soluções flexíveis que facilitem a movimentação deste combustível. A previsão é que a unidade entre em funcionamento ainda este ano.

Segundo comunicado da Engie Brasil, que é detentora de participação acionária na Transportadora Associada de Gás (TAG), foi assinado um acordo não vinculante com a empresa Origem Energia para o desenvolvimento do projeto.

O investimento total estimado para o projeto será de até aproximadamente US$ 200 milhões, cerca de R$ 1 bilhão, divididos em diferentes etapas. 

A Origem Energia irá contribuir com a infraestrutura ligada ao projeto já desenvolvido no Polo de Alagoas – reservatórios depletados, poços perfurados, dutos de escoamento conectados e o “gás de colchão”.

- Publicidade -

A TAG, por sua vez, aportará o capital para investimentos nas infraestruturas adicionais para iniciar o serviço de estocagem. Na fase inicial, a capacidade de armazenamento será de 106 milhões de m³/ano. No longo prazo, a capacidade pode chegar a 500 milhões de m³/ano.

De acordo com a Engie, a iniciativa vem como mais um dos desdobramentos da Nova Lei do Gás, vigente no Brasil desde 2021. O processo de estocagem é fundamental para balancear as curvas de produção e consumo de gás natural e sua consolidação contribuirá para a redução da dependência do Brasil sobre a molécula importada.

No contexto de desenvolvimento do mercado de gás, o projeto beneficiará a produção da molécula nacional e pode incentivar a entrada de novos fornecedores e consumidores do insumo na malha nacional.

A estrutura também vai possibilitar que as moléculas de gás sejam armazenadas em períodos de baixa demanda e disponibilizada em picos de consumo.

Avanços em gás natural e na energia limpa

O projeto que será implantado em Alagoas já é comum nos Estados Unidos e Europa, onde a estratégia de estocagem é utilizada para garantir segurança e flexibilidade do sistema energético.

CEO da TAG, Gustavo Labanca
“A estocagem de gás natural abre caminho para desenvolvimentos de novas energias e tecnologias de armazenamento como hidrogênio e captura e armazenamento de carbono”, avalia o CEO da TAG, Gustavo Labanca. Foto: Divulgação

Para o CEO da TAG, Gustavo Labanca, a estocagem de gás também contribuirá para o processo de transição energética do Brasil. “Esse é um passo fundamental para a maturidade do mercado, com ampliação da liquidez e da competitividade. Adicionalmente, a estocagem abre caminho para desenvolvimentos de novas energias e tecnologias de armazenamento como hidrogênio e captura e armazenamento de carbono”, avaliou.

Como as empresas projetam um empreendimento que avance de acordo com a evolução e aceitação do mercado, todo esse processo beneficiará indústrias e a matriz energética brasileira.

CEO da Origem, Felipe Coutinho
Para o CEO da Origem, Felipe Coutinho, a estocagem de gás natural vai permitir uma oferta constante do produto. Foto: Divulgação

“Por meio da estocagem, será possível dar segurança ao suprimento de gás natural, principalmente durante variações sazonais. Nos períodos de estiagem no Brasil, por exemplo, teremos esse recurso disponível para lidar com as intermitências das energias renováveis, provendo uma oferta confiável da molécula em tempo hábil”, declarou o CEO da Origem, Felipe Coutinho.

O prefeito de Pilar, Renato Filho, também avalia de forma positiva a construção da planta no município, acreditando no desenvolvimento econômico do estado.

Prefeito de Pilar, Renato Filho
Prefeito de Pilar, Renato Filho, destaca que a cidade já abriga o maior parque industrial da Origem e que o projeto de estocagem de gás natural será um “divisor de águas”. Foto: Divulgação

“Estamos trabalhando para que Pilar se torne um grande centro de distribuição de gás do Nordeste. Hoje, o maior parque industrial da Origem é o de Pilar, onde a empresa já produz mais de um milhão e 300 mil metros cúbicos por dia. Com o projeto de estocagem de gás natural, o primeiro do Brasil, temos condições de fazer do nosso gás um verdadeiro divisor de águas, assim como um grande vetor de desenvolvimento socioeconômico em Pilar e em toda Alagoas”, destacou Renato Filho.

* Com informações da Engie Brasil

Leia mais: Alagoas terá 1ª unidade para transformar vinhaça em biogás e biometano do Norte e Nordeste

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -