quinta-feira, 18/04/2024

Em janeiro, ocorreu um aumento de 60% nos bares e restaurantes em prejuízo

As alterações do Perse podem prejudicar a retomada que está ocorrendo no setor de bares e restaurantes
bar
Muitos bares e restaurantes não conseguiram repassar a alta dos custos. Foto:Tânia Rego/ABR

Ocorreu um aumento de 60% nos bares e restaurantes que estão tendo prejuízo no Brasil em janeiro, segundo um levantamento da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). Os estabelecimentos que estavam nesta situação saíram de 18% em dezembro para 29% no primeiro mês deste ano. As chuvas torrenciais que ocorreram em várias cidades do País também contribuíram para isso, mas existem outros fatores.

O levantamento da Abrasel escutou 2128 empresários do setor e foi realizado entre 19 e 26 de fevereiro último. “Os insumos aumentaram muito. Nos últimos 12 meses, 42% dos estabelecimentos não conseguiram repassar o aumento dos preços, 49% repassaram seus custos, sem lucro e 9% conseguiram repassar com lucro. Também subiu o número de empresas endividadas. O consumidor também mudou o comportamento por causa da alta dos preços. Muita gente saiu da refeição para o lanche”, resume o vice-presidente da Abrasel-PE, André Araújo. A matéria-prima dos restaurantes é uma das vilãs da inflação: os alimentos e bebidas.

- Publicidade -

A influência do PERSE em bares e restaurantes

André Araújo
Vice-presidente da Abrasel-PE, André Araújo, disse esperar que o Perse continue ajudando o setor Foto: Divulgação

O setor também está receoso com a limitação que o governo federal pretende colocar no Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (PERSE), que concedeu, em 2022, 100% de isenção do IRPJ, CSLL, PIS e COFINS até o ano de 2027 para o setor se recuperar da crise provocada pela pandemia da Covid-19. No final do ano passado, foi publicada a Medida Provisória 1.202/2023, alterando o PERSE. “A gente torce para que o governo federal tenha um pouco de sensibilidade com relação ao setor que foi um dos mais afetados pela pandemia”, argumenta André.

Muitos estabelecimentos do setor retomaram as suas atividades e planejaram a retomada com a isenção concedida pelo PERSE. “Muita gente contou com o programa pra contrair dívidas, financiamentos e até para ter capital de giro”, comenta André. E acrescenta: “o setor não quer partir pra demissão. Mas essa alteração no PERSE está mudando a recuperação do setor que estava ocorrendo”, conclui André.

As alterações no PERSE também vão prejudicar as empresas do setor de turismo, diversão, incluindo a hotelaria, que também é outro setor que emprega muita gente.

- Publicidade -

Leia também

Abrasel-PE abre sua tradicional Arena Gastronômica no Recife Antigo

52% dos bares e restaurantes operaram sem lucro em dezembro

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -