Sem planejamento, PE esta à deriva na era da sustentabilidade

Diante do esgotamento do modelo de desenvolvimento ancorado no combustível fóssil, é preciso ter um novo olhar para os problemas e oportunidades.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Agenda TGI
Francisco Cunha na apresentação da Agenda TGI: sustentabilidade me foco/Foto: FOTOS: Wilton Marcelino

Sustentabilidade e planejamento são os caminhos para Pernambuco avançar com uma nova agenda desenvolvimentista. Essa foi a tônica da mensagem que o consultor Francisco Cunha passou durante o evento Agenda TGI, cuja edição de 2023 aconteceu na última terça-feira, com análises sobre os cenários global e local.

Entre outras colocações, Cunha considerou que Pernambuco cumpriu com o que foi planejado entre as décadas de 50 e 70, desenvolvendo seu porto industrial e atraindo empreendimentos importantes e conectados com a era do petróleo, como uma refinaria e uma indústria automobilística, por exemplo. Esta etapa foi superada, diz ele, e o estado se encontra num novo momento, no qual precisa planejar como será sua economia na era da sustentabilidade.

A grande questão, segundo Cunha, é que o verbo não está sendo conjugado. Para o Movimento Econômico, ele disse que após o desmantelamento dos órgãos que planejavam o Nordeste, no caso a Sudene, e o estado de Pernambuco, leia-se Condepe Fidem, “estamos à deriva”.

Sustentabilidade no Semiárido

Francisco Cunha alerta que diante do esgotamento do modelo de desenvolvimento ancorado no combustível fóssil, é preciso ter um novo olhar para os problemas e oportunidades. Tomemos como exemplo, o Semiárido. O bioma ocupa a maior parte do estado e desde sempre as iniciativas governamentais para aquela região têm sido voltadas a melhorar a oferta de água, o que é imprescindível, mas insuficiente. O ecossistema carece de política pública para potencializar as oportunidades econômicas que possui, garantindo sua preservação e gerando renda para seus habitantes.

Um dos maiores problemas do Semiárido é o polo gesseiro do Araripe, que segue devastando a Caatinga por falta de ações que alinhem desenvolvimento e sustentabilidade. Levar gás para a região como alternativa energética é promessa não cumprida. Não se pode descartar aquele cluster econômico, de relevante importância para a economia do estado, muito menos ignorar os danos que causa.

Francisco Cunha lembra que não se avança sem pesquisa e desenvolvimento, mas antes é preciso saber para qual direção se está indo.

NOTAS

Banho solidário

A ONG Grupo Ampare está arrecadando recursos para promover o “Banho Solidário”, no próximo dia 16/12. Uma estrutura será montada na Praça do Pilar para atender pessoas que vivem em situação de rua no Recife Antigo. A ação contempla ainda atendimento de saúde, roupas e kits de alimentação. A rifa custa R$ 5,00 e será sorteada dia 17/12. Os prêmios (refeições, gasolina, voucher para compras etc.) foram doados por empresas solidárias à causa. Quem quiser ajudar pode fazer Pix para o seguinte CNPJ: 43.112.240/0001-90.

Prêmio Ademi

Os vencedores da Edição Especial do Troféu Ademi serão conhecidos nesta quinta-feira, na confraternização do setor imobiliário. Os 47 inscritos somam investimentos de R$ 4,1 bilhões na Região Metropolitana do Recife. A novidade fica com Troféu VIVIX de Sustentabilidade, que vai para o empreendimento com melhores práticas em construções sustentáveis.

Leia também:
Energia solar por assinatura avança em Pernambuco

Brasil chega a 2 milhões de placas de energia solar em telhados

Governo do RN e empresa chinesa fecham investimento de R$2,5 bi em energia solar

Energia solar ultrapassa 25 GW e alcança 11,6% da matriz elétrica

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias