Olinda: Prefeito e vice-prefeito trocam acusações e antecipam clima eleitoral

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Em 2016, ano da primeira eleição do prefeito Professor Lupércio (PSD) e do vice-prefeito Márcio Botelho (PP) o clima era bem diferente. Foto: Reprodução/Facebook.
Em 2016, ano da primeira eleição do prefeito Professor Lupércio (PSD) e do vice-prefeito Márcio Botelho (PP) o clima era bem diferente. Foto: Reprodução/Facebook.

Ao longo desta quarta-feira (22/11), o prefeito de Olinda, Professor Lupércio (PSD), e seu vice, Márcio Botelho (PP), protagonizaram um verdadeiro ensaio que pode ser considerado uma verdadeira prévia das eleições de 2024. Os gestores estão rompidos. Lupércio ainda não oficializou quem será o seu ou sua representante na corrida eleitoral do próximo ano. Botelho é colocado como pré-candidato a prefeito da cidade pelo deputado federal e presidente estadual do PP, Eduardo da Fonte.

O vice-prefeito denunciou que Lupércio teria exonerado todos os funcionários do gabinete da vice-prefeitura, além de apresentar uma estrutura precária de seu ambiente de trabalho. Márcio Botelho suspendeu as atividades relacionadas ao seu gabinete. A motivação seria ‘perseguição política’.
Ao saber dos acontecimentos, Professor Lupércio se manifestou através de nota oficial onde nega todas as acusações.

“A Prefeitura de Olinda afirma não ser verdadeira a informação de que todos os funcionários do gabinete do vice-prefeito foram dispensados. Informa também que quaisquer ações de intervenção no espaço não foram realizadas por inércia do próprio vice-prefeito, que não solicitou o serviço ao setor responsável. É lamentável que num município com tantos desafios, o vice-prefeito empregue seu tempo na busca por holofotes, utilizando todo tipo de expediente”, diz a nota.

As eleições de 2024 prometem ser acirradas em Olinda. Lá, ainda não foi anunciada a candidatura apontada por Lupércio, que agora tem o apoio do ministro André de Paula, presidente estadual do PSD, que migrou da Prefeitura do Recife, de João Campos (PSB), para o Palácio do Campo das Princesas, de Raquel Lyra (PSDB). Antes, a secretária municipal Mirella Almeida seria a sucessora natural, mas nos últimos meses parece ter sido rifada da disputa.

Também existe a possibilidade da ministra e ex-prefeita da cidade, Luciana Santos (PCdoB), ser novamente candidata. A deputada estadual Gleide Ângelo (PSB) também é uma pré-candidata, mas que pode até mesmo ser incorporada como vice na chapa da comunista. A ex-deputada federal Marília Arraes (SD) também é uma das postulações que podem disputar o pleito olindense.

Leia também:
Antônio Moraes garante aprovação do pacote de 33 projetos do Governo
Raquel Lyra vai a Dubai com Lula para COP-28
Teresa Leitão e ministra das mulheres participam de debate sobre violência
Pernambuco pode reconhecer calamidade financeira dos municípios
Raquel Lyra envia para a Alepe pacote com 33 projetos de combate à fome

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias