Com Data Center Tier 3, Surfix anuncia plano de expansão de R$ 520 milhões

Único data center corporativo de padrão internacional em Pernambuco, a Surfix acaba de receber certificação internacional Tier 3, inédita no estado.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Único data center tier 3 em Pernambuco, a Surfix é comandada pelos sócios Aresk, Wagner e Dárcio
Aresk Melo, Wagner Medeiros e Dárcio Macêdo, sócios da Surfix, único data center Tier 3 em Pernambuco/Foto: Surfix (Divulgação)

Após se tornar o único data center Tier 3 de Pernambuco, com a certificação adquirida em agosto, a Surfix anunciou nesta terça-feira (21), no Recife (PE), um ousado plano de expansão nacional, que prevê a abertura de um centro de dados em todas as capitais do país, num prazo de dez anos. O investimento, de R$ 520 milhões, será garantido com recursos públicos, privados e de investidores.

Essa parceria mira o crescimento vertiginoso pelo qual deve passar o segmento de data center devido à demanda gigantesca de armazenamento de dados que será gerada, principalmente, pela massificação do uso da inteligência artificial generativa e internet das coisas (IoT).

Um estudo da Arizton Advisory & Intelligence mostra que o mercado de data centers na América Latina deve ultrapassar a marca de US$ 7,8 bilhões até 2026, com uma taxa de crescimento anual de 7,6%. O Brasil lidera o volume de investimentos previstos no setor e deve responder por 40% dos aportes.

Data center Tier 3 como oportunidade

“A Surfix vê uma grande oportunidade nesse cenário, com uma solução que será questão de sobrevivência no mundo corporativo. As aplicações de IA e IoT nas empresas estão se ampliando num ritmo muito acelerado, mas só se viabilizam com infraestrutura física pesada, sistemas computacionais cada vez mais robustos e padrões globais de eficiência e segurança. É isso que já oferecemos no Recife e agora vamos expandir para todo o Brasil”, afirma o CEO da Surfix, Aresk Melo.

Para se ter ideia do tamanho a que pode chegar um data center, e do volume de investimentos que o segmento pode exigir, basta considerar o maior em todo o mundo: o China Telecom-Inner Mongolia Information Park. O centro de processamento de dados, inaugurado em 2013, ocupa uma área correspondente a 223 campos de futebol e consumiu, na construção, US$ 3 bilhões.

“Não é um jogo para amadores e, para as empresas que não são da área de tech ou telecom, é muito mais viável, do ponto de vista financeiro e operacional, terceirizar o serviço que implantar um data center próprio”, frisa Aresk Melo.

Data center Tier 3, Surfix mira São Paulo

Para o início do plano de expansão, a Surfix tem como praticamente definida a capital paulista, pois a empresa já oferece serviços de armazenamento e processamento de dados nessa praça, por meio de um data center parceiro.

Além disso, a Surfix está atenta, claro, ao tamanho do mercado em questão: um estado que representa 1/3 do PIB do Brasil. “É natural que o processo comece por São Paulo. A ideia é sair da terceirização e partir para um centro próprio”, detalha o diretor de Produto e Inovação, Wagner Medeiros.

O diretor de Relações Institucionais e Marketing, Dárcio Macêdo Filho, ressalta que o modelo a ser adotado na expansão visa instalar uma rede de data centers localizados próximos dos mercados consumidores, ao invés de concentrar os serviços numa base de grandes dimensões, porém distante dos clientes.

Essa rede será formada pelos chamados data centers edge, que são de médio porte e ficam numa localização estratégica em relação ao cliente, permitindo o menor tempo de latência, requisito de eficiência fundamental para IA e IoT. Isso, porque quanto maior a distância física entre o data center e o cliente, mais tempo (latência) é necessário para que um dado seja transferido de um ponto a outro de uma conexão.

Para obter a certificação de data center Tier 3, Surfix investiu R$ 5 milhões
Data center Tier 3 da Surfix, no Recife, recebeu investimentos de R$ 5 milhões para obter a certificação internacional de disponibilidade/Foto: Surfix (Divulgação)

Quem é a Surfix e o que é data center Tier 3?

Criada há 20 anos, a Surfix atua nas áreas de armazenamento de dados, infraestrutura de data center, cloud, segurança cibernética e telecom. Entre seus clientes estão empresas líderes nacionais e regionais em áreas como produção de bebidas, saúde, rede de farmácias, distribuidora de alimentos e construção civil. Setores cujas empresas demandam apoio constante para suas ferramentas tecnológicas e soluções de automação.

A empresa acaba de investir R$ 5 milhões em adequação para conquistar a certificação Data Center Tier 3, algo inédito em Pernambuco. O Uptime Institute, sediado em Nova York (EUA), é a instituição no mundo autorizada com exclusividade a certificar empresas com essa chancela, cuja obtenção é extremamente rígida e segue normas internacionais.

A certificação confere máxima segurança ao data center e avaliza que o equipamento está apto a atender a empresas que funcionam em qualquer horário e, portanto, precisam de disponibilidade máxima. O tempo de inatividade anual tolerado para a certificação é de apenas 1,6 horas, pois a disponibilidade do data center deve ser de 99,98%.

Além da disponibilidade nos padrões globais, a Surfix tem como diferencial, no seu data center em Recife, um tempo de latência mínimo, proporcionando muito mais eficiência nos serviços oferecidos, devido à qualidade de conexão e localização em relação aos clientes.

Economia digital exige cada vez mais armazenamento

A Surfix é o único data center corporativo instalado em Pernambuco, já que os demais existentes no mercado estadual são de entes públicos ou de empresas privadas que utilizam a estrutura para suas próprias operações. A empresa passa por um momento de círculo virtuoso, com a digitalização avançando em velocidade exponencial e impulsionando a demanda por armazenamento e processamento de dados, principalmente em nuvem.

Leia mais sobre data center

O mercado de data center sob holofotes, por Marcos Paraíso

Dárcio Macêdo Filho: O papel do Data Center na saúde digital

V.tal faz nova investida milionária em Fortaleza

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias