Em São Paulo, Elmano de Freitas apresenta projetos do Ceará para energias renováveis

Governo do Ceará vai assinar [na próxima semana] uma parceria com a MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) para planejamento estratégico de longo prazo de hidrogênio verde para o estado .
governador do ceará Elamno de freitas
Elmano de Freias disse que a expectativa é de que o Estado se torne competitivo internacionalmente na produção de hidrogênio verde/Fotos: Carlos Gibaja/Casa Civil

Durante a abertura do Hydrogen Dialogue Latin America, iniciativa da NürnbergMesse Brasil, em parceria com a Hiria NürnbergMesse, Guia Marítimo e a Câmara Brasil-Alemanha de São Paulo (AHK São Paulo), o governador do Ceará, Elmano de Freitas, discutiu estratégias e apresentou os projetos do Estado para o desenvolvimento de políticas e da produção de hidrogênio verde (H2V) para os mercados interno e externo.

O Hydrogen Dialogue Latin America, que está sendo realizado em São Paulo, nesta quarta-feira (18) e na quinta-feira (19), tem o objetivo de potencializar as discussões sobre oportunidades de negócio e a viabilização do hidrogênio verde como a principal solução global para a descarbonização.

vento é uma iniciativa da NürnbergMesse Brasil, em parceria com a Hiria NürnbergMesse, Guia Marítimo e a Câmara Brasil-Alemanha de São Paulo.

E essa é a principal ideia também do Governo do Ceará no que diz respeito ao desenvolvimento de uma cadeia de H2V. “Nosso estado tem realizado esse projeto em uma parceria do Governo, com a Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) e com as universidades do estado. Nós devemos assinar [na próxima semana] uma parceria com a MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) para fazermos um planejamento estratégico de longo prazo de hidrogênio verde para o estado do Ceará. E a garantia, no caso do Estado, é de que nós vamos fazer um investimento da ordem de R$ 625 milhões para a modernização do nosso Porto [do Pecém], adaptando-o para a Trasnordestina e para o hidrogênio verde. Estamos garantindo também o recurso para o reúso de água do esgotamento sanitário da Capital para a produção de H2V”, pontuou Elmano de Freitas.

Esta edição do Hydrogen Dialogue vai proporcionar a produção e o compartilhamento de conteúdo, além de networking entre produtores, investidores, cientistas, operadores logísticos e grandes consumidores.

Diante da urgência pela descarbonização global e no potencial da economia do hidrogênio verde e das energias renováveis para o Brasil, especialmente na região Nordeste, a produção dessa energia limpa é apontada como solução de transição energética da Europa.

- Publicidade -

Elmano de Freitas citou ainda outras ações diretamente importantes para que essa cadeia de energia limpa se consolide no Ceará. Além dos 33 memorandos de H2V e de três contratos com empresas produtoras de energia limpa, que somam cerca de R$ 40 bilhões, o chefe do Executivo citou ainda a duplicação do Eixão das Águas (que passará de 11m³/s para 22m³/s de transposição das águas do Rio São Francisco), via Novo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e a Usina de Dessalinização de água do mar, que garantirá segurança hídrica.

Governador Elmano de Freitas

“Há ainda os leilões de linhas de transmissão para fornecimento de energia, que garantimos, e que está diretamente ligada à produção de hidrogênio verde. Haverá também a conclusão da Transnordestina, que ligará o estado à região produtora de grãos para exportação. E, com isso, poderá haver o oferecimento de amônia verde como fertilizante para a região do Matopiba (região formada por áreas majoritariamente de cerrado nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia)”, pontuou o governador, lembrando ainda da instituição de uma política de H2V e de um Conselho para o tema no Ceará.

Vale ressaltar ainda que, recentemente, o Governo do Ceará assinou Memorando de Entendimento com as empresas GoVerde Energia e Apollo Asset para viabilizar a produção de energia e amônia verde – uma alternativa limpa obtida a partir do hidrogênio verde – no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP), na Região Metropolitana de Fortaleza.

Leia também:

Dragagens, tarifas e outros desafios de Márcio Guiot à frente de Suape

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -