Nordeste tem 5 estados disputando investimentos em hidrogênio verde

Cada estado tem apostado em um diferencial competitivo para tornar real a sua produção de hidrogênio verde.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Unigel vai produzir hidrogênio verde
Unigel larga na frente com produção industrias da H2V na Bahia/Foto: Alberto Coutinho/ GOVBA

No promissor mercado do hidrogênio verde (H2V), cinco estados do Nordeste despontam como destino certo de investimentos: Ceará, Pernambuco, Piauí, Bahia e Rio Grande do Norte.

Um fator que alavanca esse potencial é a oferta de energia na região. Para ser produzido na forma de combustível, o hidrogênio verde requer uma grande quantidade de energia limpa. Como o Nordeste tornou-se autossuficiente em geração de energia, graças à sua produção eólica e solar, a região virou alvo de investidores.

Segundo a Associação Brasileira de Hidrogênio (ABH2), os estados nordestinos fazem parte de um time de 10 unidades da federação consideradas hub em hidrogênio verde no Brasil. A eles se juntam Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Paraná e São Paulo.

Ceará: agressividade na captação

Um dos estados mais agressivos na região é o Ceará, que conta com 30 memorandos de entendimento com empresas interessadas em se instalar no Porto de Pecém para produzir H2V. Destes, três evoluíram para pré-contratos de implantação com as empresas AES, Casa dos Ventos e Fortescue. Os investimentos somam US$ 8 bilhões.

O Porto do Pecém, inclusive, anunciou que vai adaptar o píer 2 para receber a operação de amônia e H2V, e implantar uma subestação para garantir energia suficiente ao uso dos eletrolisadores.  A intenção é construir uma estrutura para o transporte e embarque do produto, que será compartilhada por todas as futuras produtoras do H2V com potencial de exportação.

E até uma rota está sendo desenhada. Há alguns dias, Pecém e o Porto de Roterdã firmaram acordo para criar a rota de H2V, que vai aproximar a América do Sul da Europa.

Piauí faz evento

O Piauí também tem se movimentado. Na semana passado, governador Rafael Fonteles (PT) realizou em Berlim, na Alemanha, o II Summit Piauí – Europa de Hidrogênio Verde, evento no qual apresentou as potencialidades do estado para investidores europeus.

“Nós temos o maior parque solar (em São Gonçalo do Gurguéia) e o maior parque eólico (em Lagoa do Barro e Queimada Nova) da América Latina”, disse o governador, ciente de que oferta de energia é um grande atrativo para essa indústria.

Rafael Fonteles
Rafael Fonteles: evento na Europa para atrair investidores/Foto: divulgação GOVPI

Ao final de sua visita a Alemanha, Fonteles anunciou protocolos de entendimento com a Solar Outdoor Media, All Energy, Quinta Solar Energia e Celeo Redes Brasil. Esta última já tem R$ 2 bilhões alocados na produção de energia solar e em linhas de transmissão no território piauiense.

Suape: mercado cativo para o hidrogênio verde

Suape conta com 5 protocolo de entendimento e o que foi firmado com a empresa de origem francesa Qair Brasil, passou para uma etapa mais avançada. A Qair agora aguarda a liberação de uma área no complexo portuário para dar prosseguimento ao seu projeto.

No entanto, o ponto focal de Suape é o mercado cativo. Com mais de 80 empresas instaladas em sua área industrial, a administração joga suas atenções sobre o TechHub. Selecionado na chamada bilateral Brasil-Alemanha, em abril, esse laboratório fará prototipagem, teste e validações para a indústria do H2V.

Suape
Suape: mercado cativo é o diferencial/Foto: divulgação Suape

O TechHub tende a concentrar em Suape a implementação de projetos inovadores focados na produção, transporte, armazenamento e gestão de hidrogênio verde (H2V). “O TecHub é atrativo para prototipagem, teste e validação para as indústrias locais. Para nós de Suape, o mercado cativo é importantíssimo. Temos indústrias dentro do complexo que são potenciais consumidores do H2V”, explica Carlos Cavalcanti, diretor de sustentabilidade do complexo portuário.

Bahia: produção industrial

Na Bahia, a indústria química Unigel, uma das maiores da América Latina e maior fabricante de fertilizantes nitrogenados do país, deve se tornar, ainda este ano, a primeira empresa no Brasil a produzir o H2V em escala industrial.

Em janeiro, a Unigel anunciou investimentos de US$ 1,5 bilhão no primeiro projeto em escala industrial do país – há projetos-piloto nos estados do Ceará e do Rio de Janeiro, todos em caráter experimental.

A fábrica de hidrogênio da Unigel terá investimentos em três fases. Na primeira etapa do projeto, já em construção, a empresa está investindo US$ 120 milhões. A unidade contará com a tecnologia de eletrólise de alta eficiência da alemã tyssenkrupp nucera. Essa etapa entra em operação ainda este ano. Até 2027, todo projeto deve estar concluído.

“Temos acompanhado o que se tornou uma verdadeira corrida pela alcunha de ‘pioneiro no mercado’. Porém, é de suma importância diferenciarmos cada iniciativa. Temos o único projeto em escala industrial em construção no Brasil. Localizada em Camaçari, no estado da Bahia, a nossa fábrica deverá ser inaugurada até o final deste ano. A Unigel e a Bahia lideram o pioneirismo do Brasil no hidrogênio verde”, disse na ocasião do anúncio, Roberto Noronha Santos, CEO da empresa.

A Unigel tem como foco clientes que encontram no hidrogênio verde e na amônia verde uma importante solução para seus desafios de descarbonização.

Rio Grande do Norte: novo porto

Em março passado, numa visita a Portugal, a governadora do Rio Grande do Norte (RN), Fátima Bezerra (PT), assinou dois memorandos de entendimento para desenvolvimento de plantas de produção hidrogênio verde e derivados. Um deles foi com Voltalia Brasil, empresa francesa que conta com mais de 1 GW em projetos de energias renováveis no estado.

Outro memorando de entendimento foi assinado com o grupo espanhol Enerfín, para a instalação do projeto piloto de produção de hidrogênio verde e energias associadas no estado. Em ambos os casos, os projetos devem ocupar áreas próximas ao futuro Porto Indústria-Multipropósito Offshore do Rio Grande do Norte.

Em 2022, havia sido assinado um memorando entendimento com a gigante dinamarquesa de turbinas eólicas, Vestas. O propósito é estudar a viabilidade de implantação de projetos de eólicas offshore e produção de hidrogênio verde no porto-indústria.

Fatima Bezerra governadora do RN
Fatima Bezerra, governadora do RN, com executivos da EDP Renováveis/Foto: divulgação

A governadora também apresentou o programa estadual de hidrogênio verde e o projeto de instalação do porto-indústria à direção da empresa EDP Renováveis.

O local que deve abrigar o Porto Indústria-Multipropósito Offshore do Rio Grande do Norte está no litoral Norte, entre os municípios de Caiçara do Norte e São Bento do Norte, a cerca de 160 km de Natal. O empreendimento é necessário para a exploração da energia eólica offshore (no mar) e exportação de outros produtos, como o Hidrogênio Verde (H2V).

Leia também:
Qair Brasil importa equipamentos para uma planta piloto de hidrogênio verde para NE

Aneel libera eólicas da Qair Brasil no RN para operação comercial

Pecém moderniza sua estrutura para acomodar hub de hidrogênio verde

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias