Bioeconomia: Sudene e universidades vão produzir medicamentos com 2 cooperativas

Rede Impacta Bioeconomia, numa etapa inicial, vai atuar no polo Petrolina-Juazeiro e Zona da Mata de Pernambuco, mas, de forma faseada, será expandida a todo o Nordeste

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Bioeconomia: rede vai trabalhar com metodologia de ciclo completo, desde a pesquisa, desenvolvimento, consultoria e produção até a criação de cadeias de valor
Impacta Bioeconomia vai trabalhar com metodologia de ciclo completo, incluindo pesquisa, desenvolvimento, consultoria, produção e criação de cadeias de valor/Foto: Sudene (Divulgação)

Por Fernando Ítalo e agências

Para incentivar a bioeconomia na região, a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) anunciou, nesta segunda-feira (29), uma parceria com as universidades federais de Pernambuco (UFPE) e Vale do São Francisco (Univasf). O programa é voltado para a produção de cosmésticos, suplementos, insumos farmacêuticos e medicamentos em comunidades de agricultura familiar sustentável. Duas cooperativas – na Bahia e Pernambuco – já foram mapeadas para o início do trabalho.

Chamado de Rede Impacta Bioeconomia, o acordo visa estímular a inovação e pesquisa no setor e também a produção de remédios de origem vegetal em núcleos rurais que adotam práticas agroecológicas.

A ideia é apoiar projetos que contribuem para a convivência sustentável entre o homem e a fauna e flora dos três principais biomas existentes nos estados nordestinos: caatinga, mata atlântica e cerrado.

“Essa iniciativa fala para a inovação, a sustentabilidade, o meio ambiente e a nova política industrial brasileira. Nós queremos apoiar a geração de bioeconomia, enxergando o território, a biodiversidade e o desenvolvimento sustentável do Nordeste e demais área que incetivamos”, afirma o superintendente da autarquia, Danilo Cabral.

Ele destaca que a identificação de biomedicamentos e cadeias de valor para o aumento da produção, beneficiamentos diversos e geração de renda para a população dialoga diretamente com o Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE) 2024-2027, lançado pela Sudene em junho do ano passado.

Bioeconomia na saúde 4.0

Coordenadora da rede e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Positiva do Complexo Industrial da Saúde 4.0 (INCT TEC CIS 4.0), Mônica Felts, explica que a parceria vai promover o desenvolvimento de bioativos e bioinsumos que possam ser extraídos de forma sustentável do território beneficiado, gerando renda, industrialização, desenvolvimento socioeconômico e proteção ambiental”.

Ela frisa que “haverá um movimento de transição até o programa chegar à produção de medicamentos”.

“Aproveitando o fato das primeiras cooperativas mapeadas já atuarem nesse segmento, vamos trabalhar, numa primeira etapa, com suplementos funcionais e alimentares, defensivos agrícolas, cosméticos inteligentes, bioinsumos funcionais e bioinsumos farmacêuticos ativos“, detalha.

“Numa segunda fase, entraremos na produção de biomedicamentos”, acrescenta.

Bioeconomia terá apoio para a pesquisa

O pró-reitor de Pesquisa e Inovação da UFPE, Pedro Carelli, ressalta que “a rede é uma ação estratégica, com metodologia de ciclo completo, que inclui pesquisa para geração de produtos a partir da biodiversidade, atuação nas pequenas comunidades, consultoria técnica para as cooperativas e geração de cadeias de valor”.

“A região amazônica está bastante em evidência, mas precisamos também olhar com atenção para a caatinga, um bioma muito diverso, de uma riqueza enorme”, aponta.

“A biodiversidade é discutida há muito tempo no Brasil, mas ainda estamos muito aquém em termos de pesquisa, práticas e tecnologias focadas em utilizar esse potencial para agregação de valor econômico e desenvolvimento do país”, analisa.

Impacta Bioeconomia tem 6 linhas de atuação

Com um investimento inicial de R$ 553,7 mil da Sudene, a Rede Impacta Bioeconomia tem seis linhas de atuação. Três são centradas em bioinsumos derivados do umbu, maracujá-da-caatinga, pitanga, acerola e melão-de-são-caetano. O quarto eixo é dedicado à criação de defensivos agrícolas sustentáveis, o quinto ao desenvolvimento de cadeias de valor e o sexto, à produção de mel de abelhas orgânico.

Identificação das cooperativas é o primeiro passo

A estruturação da Rede Impacta Bioeconomia vai começar pela identificação das organizações socioprodutivas (associações e cooperativas) com maior nível de solidez para trabalharem como parceiros do programa.

No lançamento, o mapeamento será realizado na Região Integrada de Desenvolvimento Petrolina-Juazeiro e na Mata Atlântica. Mas, de forma faseada, a iniciativa será expandida a todo o Nordeste, o que vai demandar parcerias com outras instituições da área acadêmica.

Para o start da rede, duas cooperativas foram selecionadas previamente: a Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Coopercuc) e a Cooperativa de Trabalho Agrícola, Assistência Técnica e Serviços (Cooates).

Bioeconomia em crescimento: presidente da Cooates entrega à ministra Luciana Santos produtos da cooperativa agroecológica, localizada em Barreiros (PE)
Bioeconomia em alta: presidente da Cooates, José Cláudio, anuncia para a ministra Luciana Santos expansão da cooperativa, com investimento de R$ 1,3 milhão/Foto: José Cláudio da Silva (Acervo pessoal)

Conheça as cooperativas selecionadas

A Coopercuc , com sede em Uauá (BA), a 427 km de Salvador, surgiu da decisão de um grupo de 44 ativistas em movimentos sociais de se organizar como núcleo de produção extrativista e de comercialização. Atualmente, a cooperativa trabalha com uma linha de itens diversos – bebidas, doces, compotas, sucos, polpas e geleias – tendo como matérias-primas principais o umbu e o maracujá-da-caatinga.

A Cooates, localizada em Barreiros (PE), a 108 km do Recife, tem 24 anos e também já nasceu com uma cultura ambientalmente correta – produzindo mel e própolis – e de desenvolvimento sustentável, ao integrar modelo cooperativado, impacto social e respeito à fauna e flora.

Em 2023, a associação anunciou um projeto ousado de expansão, para entrar no mercado de biocosméticos e biomedicamentos. A estratégia inclui a construção de uma unidade fabril, no casarão principal da Usina Central Barreiros, desativada em 1996.

O investimento total – segundo o presidente José Cláudio da Silva – é orçado em R$ 1,3 milhão, sendo R$ 850 mil de capital próprio. Selecionada por meio de edital, a cooperativa obteve um financiamento de R$ 450 mil da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (Adepe) para o funding do projeto.

Leia mais sobre bioeconomia:

Cosméticos veganos: conheça 3 indústrias de PE

Neoindustrialização abre passagem para o verde

Com açúcar em alta, Agrofild volta repaginada ao mercado de insumos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias