quinta-feira, 18/04/2024

Atiaia Renováveis aumenta aposta em energia hídrica

A empresa do Grupo Cornélio Brennand também tem previsto investimentos de R$ 650 milhões em um novo parque de energia solar em Pernambuco.
Energia PCHs
Atiaia já conta com nove Pequena Central Hidrelétrica gerando energia/Foto: divulgação

A Atiaia Renováveis, empresa do Grupo Cornélio Brennand, segue apostando alto no potencial da geração hídrica. A empresa deve investir cerca de R$ 1 bilhão em mais três que Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) com potencial para gerar 100 megawatts.

Atualmente a empresa conta com 320 MW de capacidade instalada, distribuídas por 12 unidade geradoras de energia, nove delas PCHs. Juntas, elas respondem por 70% de toda energia gerada pela Atiaia.

- Publicidade -

As novas PCHs serão erguidas no Centro-Oeste. A primeira já está em construção no Mato Grosso do Sul. As demais ficarão sediadas em Goiás.

“O Brasil continua tendo um potencial enorme de geração hídrica, uma geração que é limpa e renovável e que traz enormes benefícios. Hoje falamos orgulhosamente que 93% do que foi gerado em 2023 veio de fontes renováveis e isso se deve, em grande parte, à fonte hídrica”, diz Rodrigo Assunção, presidente da Atiaia Renováveis.

Rodrigo concorda com Charles Lenzi, presidente-executivo da Abragel (Associação Brasileira de Geração de Energia Limpa), que dias atrás alertou para o fato de a geração hidrelétrica está perdendo espaço no debate público sobre transição energética no Brasil. Segundo ele, o país utiliza apenas 30% do seu potencial para instalação de hidrelétricas de médio e pequeno porte.

- Publicidade -
Rodrigo Assunção
Rodrigo Assunção/foto: reprodução do Linkedin

“O impacto de instalação de uma PCHs tende a ser muito baixo”, ressalta Rodrigo. Ele lembra que estudos confirmam que entre as fontes de geração de energia, os parques hídricos de pequena capacidade são os que geram as menores quantidade de gases de efeitos estufa. “Perdem apenas para a geração nuclear, que tem outros riscos associados”, sustenta.

Energia solar

A Atiaia também tem previsto investimentos de R$ 650 milhões em um novo parque solar. A empresa conta com três unidades de matriz solar que geram 100 MW, o que correspondem a 30% da produção total. A nova unidade geradora terá 169 MW de capacidade instalada. “Estamos na fase de aprovação de licenças e nossa meta é começar a construir até o segundo semestre deste ano”, explica o presidente da Atiaia.

energia
Complexo Maravilhas, situado em Goiana (PE)/Foto: divulgação

O local escolhido para implantar a nova unidade geradora que vai se chamar Sol Agreste foi o Agreste de Pernambuco, entre os municípios de São Caetano e Tacaimbó. A unidade já tem contratos em fase final de negociação que garantem a venda de 75% da energia a ser gerada.

No mesmo estado, a Atiaia inaugurou, no final de 2022, o Complexo Maravilhas, que terá quatro etapas e capacidade instalada de 227 MW, em Goiana, na Mata Norte. Maravilhas I e Maravilhas II já entraram em operação, gerando 55 MW.

O empreendimento foi erguido em parceria com a Vivix Vidros Planos, empresa que também pertence ao Grupo Cornélio Brennand. Maravilhas foi projetado para atender 100% do consumo da fábrica de vidros, num investimento superior R$ 200 milhões. Atenderá também os laboratórios da Aché, situados em Pernambuco, São Paulo e Goiás.

Leia também:

Hidrelétricas perdem espaço no debate energético, alerta Abragel

Documento aponta medidas para mitigar o impacto da geração eólica e solar

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -