Grupo Moura lança um sistema modular de armazenamento de energia

É o primeiro sistema modular de armazenamento de energia com bateria de chumbo 100% desenvolvido no Brasil
Gerente de Negócios de Armazenamento de Energia do Grupo Moura, Adalberto Moreira, fala sobre as vantagens do sistema modular de armazenar energia desenvolvido pela empresa. Foto: Assessoria de imprensa

A Moura lança o Enertank, o primeiro sistema modular de armazenamento de energia com bateria de chumbo aditivada com carbono, sendo 100% desenvolvido e fabricado em Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco. Até hoje, as outras opções disponíveis no mercado são com bateria de lítio, mineral cujo o beneficiamento ainda não é feito no País. O produto da Moura foi desenvolvido em um ano pelos engenheiros da empresa no instituto de tecnologia da companhia,, também no Agreste. 

Segundo o gerente do Negócio de Armazenamento de Energia do Grupo Moura, Adalberto Moreira, a empresa fez a opção pelo chumbo para dar mais robustez ao sistema, reduzir custos e ter viabilidade econômica. “É um sistema que tem a cara do Brasil. Optamos modularizar o sistema pra ter uma solução que seja escalável de acordo com a necessidade do cliente”, explica. 

A quantidade mínima de energia que pode ser armazenada pelo Enertank é de 150 quilowatt-hora num módulo. “O Céu é o limite para armazenar a energia. É como se fosse uma peça de Lego, que vai montando de acordo com o que o cliente precisa”, afirma Adalberto. Quanto maior for a quantidade de módulos, a tendência é o produto ficar mais escalável, o que significa mais barato para o cliente final. 

O armazenamento de energia é um dos grandes problemas do Brasil que atualmente passa por uma grande expansão de energia consideradas de fonte intermitentes, como as eólicas e os sistemas de geração solar fotovoltaica, que podem diminuir a geração, de forma brusca, devido à falta da matéria-prima: os ventos ou a radiação solar.

O Enertank não emite o gás carbônico que contribui para o aquecimento global e é muito apropriado às empresas que precisam gerar energia na hora de pico, quando a conta de luz é mais cara. Geralmente, as empresas usam diesel para produzir energia. E a queima de um combustível fóssil, como o diesel, emite gás carbônico, que contribui para o aquecimento global. 

- Publicidade -

O sistema é indicado a diversos negócios, incluindo agronegócio, eletromobilidade e sistemas isolados. “Cada vez mais, a eficiência e a importância dos sistemas de armazenamento de energia se destacam para a tão necessária transição energética. A Moura ciente dessa necessidade, traz essa solução como uma nova alternativa competitiva”, argumenta Moreira.

Investimento em Pesquisa & Desenvolvimento

O Grupo Moura investiu R$  30 milhões nos últimos 5 anos no desenvolvimento, pesquisa e produtos na área de armazenamento de energia para encontrar soluções nesta área, que terá uma demanda grande no futuro. Um dos maiores desafios do tempo atual é armazenar grandes quantidades de energia de uma forma barata e gerando menos resíduos. 

Só como exemplo do mercado que pode surgir, a Agência Nacional de Energia (Aneel) já cogita exigir um sistema de abastecimento dos empreendimentos que têm como fonte a geração solar fotovoltaica ou a eólica. 

O Enertank também é sustentável, porque os materiais usados no equipamento vão ser 100% reciclados pela própria empresa, que já faz isso com as baterias automotivas que fabrica. “Cada quilo de chumbo que usamos, reciclamos a mesma quantidade, que é transformado em outra bateria. É um ciclo 100% fechado”, diz Moreira.

O Grupo Moura tem 66 anos, fabrica vários tipos de baterias, incluindo as automotivas usadas nos cinco continentes e tem sua principal fabrica em Belo Jardim. Emprega mais de 6.500 colaboradores e tem um time de mais de 60 engenheiros.

Leia também

Economia do Nordeste vai crescer mais este ano e nos próximos

Stellantis e Moura colocam PE no protagonismo do carro elétrico

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -