PEC Energia formaliza interesse no Hub de H2V do Ceará

Localizado no Porto do Pecém, o Hub de H2V do Ceará fechou 2023 com acordos que sinalizam para investimentos de US$ 30 bilhões e segue avançando no início de 2024

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Hub de H2V do Ceará: bp assinou memorando de entendimento dia 18 de janeiro e agora será a vez da PEC Energia
PEC Energia, que tem plantas eólicas, solares e hidrelétricas, vê Hub de H2V do Ceará como um dos futuros polos do setor com maior atratividade/Foto: PEC Energia (Divulgação)

Depois da British Petroleum (bp), mais um player irá formalizar interesse em participar do Hub de H2V do Ceará: a holding PEC Energia, sediada em São Paulo. A empresa – que atua na geração eólica, solar e hidráulica e tem negócios em nove estados – vai assinar um memorando de entendimentos com o governo do estado, nas próximas semanas. Com mais esse acordo, o estado avança para 37 memorandos no setor.

Essa é uma das fases prévias na definição de um empreendimento. Antecede o protocolo de intenções e a decisão de investimento, que é a última etapa.

A possibilidade de implantar uma unidade no Hub de H2V do Ceará foi divulgada pela PEC Energia, que recentemente se reuniu com o secretário-executivo da Indústria da secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico (SDE), Joaquim Rolim, em Fortaleza.

No encontro, a companhia foi representada pelo diretor financeiro Carlos Bergamo. Os detalhes do projeto, como estimativa inicial de investimento, capacidade prevista e cronograma não foram antecipados. O executivo destacou apenas que o Ceará é visto pela empresa com um dos estados que têm maior potencial de investimentos neste setor.

Joaquim Rolim, que também não adiantou informações sobre o projeto, se limitou a dizer que “a reunião foi muito produtiva”.

Quem é a PEC Energia?

Braço da Engeform Energia, a PEC iniciou suas atividades no setor elétrico em 2008. A companhia é voltada para a área de renováveis e atua na geração eólica, solar e hidráulica (por meio de pequenas centrais hidrelétricas).

Atualmente a holding detém 19 empreendimentos, em diversas fases (entre projeto, implantação e operação) e que totalizam investimentos de R$ 1 bilhão. Boa parte dos negócios ficam localizados em cinco estados do Nordeste – Maranhão, Ceará, Paraíba, Pernambuco e Bahia. Os demais estão no Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul.

A potência instalada em operação atual é de 91 megawatts (MW). Já as unidades em implantação totalizam 274 MW.

A planta em estágio mais avançado no portfólio da empresa é o Complexo Eólico Serra das Vacas, parceria com a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), do Grupo Eletrobrás. A unidade, localizada em Paranatama (PE), a 250 km do Recife, teve a primeira etapa – com 91 MW e 53 aerogeradores – ativada em 2015. Na segunda fase, estão sendo instaladas 22 torres, com potência total de 51 MW.

Hub de H2V do Ceará, no Porto do Pecém, é uma das iniciativas mais ambiciosas na área de hidrogênio verde, no Brasil
Hub de H2V do Ceará, no Porto do Pecém, tem investimentos sinalizados, atualmente, da ordem de US$ 30 bi/Foto: Complexo do Pecém (Divulgação)

O que é o Hub de H2V do Ceará?

O Hub de H2V do Ceará, localizado no Porto do Pecém, é uma das iniciativas mais ambiciosas existentes atualmente no Brasil na área de hidrogênio verde. O objetivo do estado é ser a maior plataforma de pesquisa, desenvolvimento, produção e exportação do “combustível do futuro” no país.

Mais que um projeto, a implantação de um polo de hidrogênio verde se tornou uma política de estado, integrando governo do Ceará, empresariado e a academia. Formalizado em fevereiro de 2021, o programa é uma parceria entre a administração estadual, o Complexo do Pecém, federação estadual das indústrias (Fiec) e Universidade Federal do Ceará (UFC).

O hub totaliza, atualmente, US$ 30 bilhões (R$ 145,7 bilhões de reais) em investimentos sinalizados em toda a cadeia do hidrogênio verde e derivados, como a amônia verde

Qual a infraestrutura prevista no Hub de H2V do Ceará?

O Complexo do Pecém – joint venture formada pelo governo estadual e o Porto de Roterdã – é um dos principais pilares do hub e trabalha para criar as condições logísticas locais e internacionais necessárias ao sucesso do empreendimento.

Em setembro passado, a autoridade portuária recebeu autorização do governo brasileiro para um financiamento de US$ 90 milhões do Banco Mundial.

Os recursos serão destinados à implantação de infraestrutura básica para corredores de utilidades, acesso ao setor produtivo de H2V, expansão do atual Terminal de Múltiplas Utilidades (TMUT) e incremento do Píer 2 do terminal, que será destinado a H2V e derivados.

Além disso, Pecém tem um acordo com o acionista holandês para criação de um corredor marítimo do H2V, entre o Ceará e os Países Baixos.

Leia mais sobre o Hub de H2V do Ceará:

British Petroleum (bp) interessada numa planta de H2V em Pecém, no Ceará

Governo do Ceará assina acordo de cooperação para capacitações em energia limpa e H2V

H2V: CE avança para 30 acordos em 2023

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias