Aumento do gás natural em Pernambuco só em maio

Copergás afirmou que até o mês de maio, o fornecimento do gás natural em Pernambuco não terá reajuste. Em fevereiro, distribuidora manteve preço praticado no Estado desde novembro de 2021

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

Por Juliana Albuquerque

O temor de que além do aumento anunciado pela Petrobras na última quinta (10), válido a partir da sexta (11), para as distribuidoras brasileiras terminasse impactando também no valor do gás natural, ao menos por enquanto foi afastado em Pernambuco.

A Copergás afirmou nesta terça (15) que o próximo reajuste da companhia só deve acontecer em maio. Para o presidente da Companhia, André Campos, até lá, o conflito entre a Rússia e Ucrânia já deverá ter chegado ao fim, com expectativa de estabilização do valor do barril de petróleo.

Foto: Copergás

“Hoje mesmo já é possível verificar uma queda no valor do barril, que chegou a US$ 130 na última semana e agora já tem o preço reduzindo, diante de uma nova rodada de negociação entre os países em conflito. Mas não podemos afirmar se essas altas nas últimas semanas poderão impactar no reajuste trimestral dos nossos fornecedores. Tem muito cálculo envolvido para avaliar se deverá ou não contar no percentual do reajuste, em maio”, afirma o presidente da Copergás.

De acordo com Campos, o aumento trimestral garante uma estabilidade maior de previsibilidade dos preços diante do que acontece no cenário atual.

“O nosso aumento se dá a cada três meses porque nossos fornecedores repassam esses reajustes nesse tempo. Além disso, temos outras fontes de fornecimento de gás natural em nosso estado, o que nos permitiu que, mesmo com a Petrobras reajustando em 15,92% o preço, pudéssemos manter o valor do GN em Pernambuco desde novembro”, afirmou André Campos.

Ele complementou analisando que esta janela trimestral oferece uma estabilidade maior à cadeia econômica abastecida pela Copergás. “(…) Das indústrias, aos consumidores residenciais, do comércio aos motoristas – dispõem de uma estabilidade maior, de um reforço na competitividade”, avaliou.

Preço do GNV em Pernambuco

Atualmente, o GNV tem preço médio de R$ 3,96, enquanto a gasolina custa em média R$ 6,96 e o etanol é vendido por R$ 5,14, em média. A diferença é maior ainda em Petrolina, onde a Copergás atua com um projeto de Rede Local. Na cidade do Vale do São Francisco o litro da gasolina custa R$ 8,15, e o etanol, R$ 6,20.

Tomando os valores praticados no Recife como base, com um abastecimento de R$ 100, o veículo rodará 303,03 km com GNV; 143,68 km com gasolina e 136,19 km com etanol. Com os preços cobrados em Petrolina, a vantagem é ainda maior. Com os mesmos R$ 100, o veículo rodará 303,03 km com GNV; 122,7 km com gasolina e 112,9 km com etanol.


Leia também – Produção industrial recua 1,6% no Nordeste em janeiro

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias