Smart Gov Brasil debate inteligência artificial na gestão pública

Smart Gov Brasil vai debater e apresentar algumas das melhores estratégias para alavancar receitas municipais, como o uso da Ia, por exemplo.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
presidente da Anciti, Johann Dantas
O presidente da Anciti, Johann Dantas/Foto: reprodução Linkedin

O Rio de Janeiro recebe, de hoje (06) a sexta-feira (08), o Smart Gov Brasil, evento que vai debater e apresentar algumas das melhores estratégias para alavancar receitas municipais, como o uso da inteligência artificial para melhorar arrecadação e combater evasão de tributos, por exemplo.

O tema central do evento será as finanças públicas municipais. No primeiro semestre, boa parte das 5.570 prefeituras espalhadas pelo Brasil tiveram dificuldades de caixa. De acordo com levantamento da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), 2.362 cidades apresentaram déficit primário nos seis primeiros meses de 2023. O número é quase sete vezes maior do que o registrado no primeiro semestre do ano passado, cujo total foi de 342.

Isso tem levado gestores a recorrer, cada vez mais, à tecnologia, especialmente soluções envolvendo a inteligência artificial, para melhorar a arrecadação e combater a evasão de impostos. Algumas dessas soluções serão apresentadas no Smart Gov Brasil, evento promovido pela Associação Nacional das Cidades Inteligentes, Tecnológicas e Inovadoras (Anciti) e parceiros.

O presidente da Anciti, Johann Dantas, salienta que num cenário em que todos vivem a expectativa da reforma tributária – cuja promessa maior é a simplificação de tributos, transparência e estímulo ao crescimento econômico –, na prática, ainda há muitas dúvidas sobre qual será o impacto real da nova legislação sobre as receitas municipais. “Com isso, os prefeitos se mobilizaram para fazer o dever de casa com a ajuda da tecnologia”, ressalta. “Então, a melhor estratégia sempre será investir em ferramentas que proporcionem um melhor gerenciamento dos gastos públicos”, complementa.

A proposta da Anciti é ser uma vitrine de cases de sucesso na gestão pública, estimulando o compartilhamento das soluções mais inovadoras e cujos resultados causem impactos positivos na vida dos munícipes. Entre as prefeituras que apresentarão trabalhos, estão Rio de Janeiro, Niterói (RJ), Pindamonhangaba (SP), Jaguariúna (SP), Contagem (MG), Porto Alegre (RS), Santa Maria (RS), Recife (PE) e Petrolina (PE).

Johann Dantas reforça que a Anciti se propõe a contribuir para a construção de um ecossistema de cidades inteligentes, tecnológicas e inovadoras no Brasil, capaz de promover o desenvolvimento sustentável, a inclusão social e a melhoria da qualidade de vida para todos os cidadãos. “Nossa ideia, como instituição, é promover o intercâmbio de conhecimento e das melhores práticas entre as entidades de tecnologia da informação e comunicação (TIC) dos municípios brasileiros”, explica o titular da associação, lembrando que a Anciti tem apenas dois anos de existência.

Para ele, o desafio maior será fortalecer a atuação das empresas municipais de TIC e estimular a colaboração entre as cidades, visando a criação de redes integradas de inovação que possam atender às demandas e necessidades de cada região. “Estamos trabalhando incansavelmente para que o maior número possível de cidades despertem para a importância do uso da tecnologia na gestão municipal”, enfatiza.

Leia também:

Comissão da ALEPE aprova R$ 49,5 bilhões do estado para 2024

Ipea abre inscrições para concurso. Salário inicial é de R$ 20 mil

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias