Sudene destina R$ 6 milhões para apoiar startups em todo Nordeste

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

Da redação

A Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste Sudene anunciou que vai destinar R$ 6 milhões para apoiar startups nos estados do Nordeste. A autarquia irá participar financeiramente, na forma de subvenção econômica,  nos projetos selecionados pelas entidades de amparo à pesquisa inscritas pela FINEP no Programa Centelha II, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP).

Os recursos custodiados no Banco do Nordeste do Brasil (BNB) serão repassados por meio de termo de outorga diretamente às empresas de pesquisa, desenvolvimento e inovação selecionadas.

A ação é inédita. A ideia é que a Sudene apoie 11 startups em cada um dos estados da área de atuação da autarquia.

Foto: Pixabay

Na última quinta-feira, a Sudene assinou o acordo de cooperação com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (FAPEAL). A celebração da parceria com a FAPEAL consolida a estratégia da Sudene de promover a competitividade das diferentes atividades produtivas regionais através do estímulo à inovação. A autarquia planeja criar um ecossistema mais consistente de geração de produtos e serviços que consigam disseminar a cultura empreendedora e melhorar as estruturas econômica e social da região.

Como participar

As startups interessadas em participar do processo devem consultar os editais abertos em cada um dos estados através das suas respectivas instituições de amparo à pesquisa e desenvolvimento.

Além de ressaltar o ineditismo da ação da Sudene, o superintendente da autarquia, general Araújo Lima, destacou o esforço da instituição em mobilizar parceiros para viabilizar projetos. “O projeto não é só da Sudene, mas de todos que estão aqui. Temos a capacidade de colocar na mesa interlocutores que, sem a nossa participação, talvez não se encontrassem”.

Fomentar a inovação é uma das premissas do Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE), proposto pela Sudene e que se encontra em tramitação na Câmara Federal através do projeto de lei 6163/2019. A proposta reúne um conjunto de programas e ações articulados pela Sudene em parceria com os governos estaduais e instituições de fomento ao desenvolvimento regional para estimular a atração de projetos, a diversidade das atividades produtivas e a melhoria dos indicadores sociais da área de atuação da autarquia.

Orçamento inédito

A liberação dos recursos próprios para custeio de projetos em pesquisa e desenvolvimento é uma conquista histórica da Sudene, ocorrida no ano passado. Os valores correspondem à parcela de um 1,5% do montante do produto de retorno das operações de financiamentos concedidos com recursos do FDNE. A Sudene conta com aproximadamente R$ 35 milhões em recursos.

“Foi um grande passo dado pelas fundações de amparo à pesquisa no Nordeste junto com a Sudene para financiar projetos dentro do programa Centelha. Mais de 100 empresas poderão ser criadas com o pulso dado pelos recursos da Sudene”, destacou o presidente da FAPEAL, Fábio Guedes Gomes.

“É um momento icônico entre a Sudene e as fundações de apoio à pesquisa no Nordeste. Primeiro porque foi possível destravar estes recursos do FDNE para aplicação em ciência, tecnologia e inovação. E mais ainda, sela a relação produtiva entre estas fundações e a Sudene no sentido de cumprir as diretrizes lançadas pelo planejamento estratégico da Sudene. Ganham todos os pesquisadores e a comunidade científica”, avaliou o presidente da CONFAP, Roberto Germano.

Na ocasião, Rafaelly Fortunato, da FINEP, antecipou que a instituição vai estreitar a parceria com a Sudene em 2022. “Para nós, esta parceria com a Sudene é extraordinária, no sentido de fortalecer o desenvolvimento regional e o ecossistema de inovação da região. Temos uma perspectiva de trabalho intensa em 2022 porque a FINEP, em conjunto com a Sudene, planeja lançar editais em linhas temáticas prioritárias, principalmente indústrias 4.0 e energias renováveis”, concluiu.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias