A recente concentração de renda no Brasil

A interação entre o avanço da financeirização e o esgarçamento do nosso tecido produtivo têm levado as famílias à construção de um macabro arranjo de sobrevivência.]

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
César Piorski
César Piorski/Foto: divulgação

Por César Piorski*

Recentemente, o IBRE/FGV publicou um profundo e inédito – dado o grau de detalhamento – estudo sobre a concentração de renda no Brasil. Na ocasião, os autores apontam para o preocupante aumento da concentração de renda no topo da pirâmide, isto é, apenas 0,01% da população acumula renda em ritmo três vezes superior à média da população brasileira.

Esse problema resulta de um processo histórico, cujo aspecto mais dramático foi gestado ao longo dos últimos quarenta anos, a partir de um conjunto de políticas macroeconômicas inconsistentes, cujas consequências aprofundam o problema que tentam solucionar.

A crise do petróleo no final da década de 1970 ocasionou a subida da taxa de juros internacional impulsionando a explosão da dívida externa brasileira que, por sua vez, acelerou o esgotamento da estratégia de crescimento levada a cabo nos anos dourados do milagre econômico brasileiro.

Desde então, precisamente a partir da década de 1980, a forçada tentativa de recuperação deste elo perdido assim como o desprezo pela leitura do quadro econômico internacional deixou como legado: uma queda persistente da nossa produtividade, a vivência do fenômeno hiperinflacionário, o aprofundamento da dependência de recursos externos, a desindustrialização e uma pauta de exportação baseada em produtos primários (grãos e minérios).

Essa estrutura produtiva explica a medíocre taxa de crescimento do PIB e a baixa capacidade de geração de emprego e renda para as camadas mais próximas a base da pirâmide ao longo de todo esse período.  

Mesmo vivenciando uma conjuntura otimista, do efetivo de aproximadamente 18 milhões de pessoas economicamente ativas, pelo menos 1,5 milhões jamais serão absorvidas pelo sistema econômico, ainda que a economia registre elevadas taxas de crescimento. Decorrente da institucionalidade criada a fim de dar conta dos problemas que se apresentaram e se acumularam ao longo do tempo, nossa taxa básica de juros (Selic) apresentar-se-á sempre em nível maior do que de fato poderia ser, o mesmo ocorre com a taxa de câmbio, a qual por questões de gerenciamento macroeconômico, permanece em nível incompatível com a nossa baixa produtividade.

Por sua vez, esse problema não afeta a camada pertencente ao topo da pirâmide, muito pelo contrário, em grande medida até os favorecem, dado que para estes, a lógica do investimento assume o caráter financeiro, caracterizado por alto retorno e baixo período de recuperação do investimento. Essa lógica, base da acumulação de capital contemporânea está em voga, nos países centrais, desde os anos 1990 e ainda assim não foi bem trabalhada em nossas políticas macroeconômicas.

A interação entre o avanço da financeirização e o esgarçamento do nosso tecido produtivo têm levado as famílias à construção de um macabro arranjo de sobrevivência, qual seja, utilizar o crédito como complemento de renda, fato este que contribui indubitavelmente para a aceleração da concentração de renda.

O desarme desta armadilha apesar de não ser tarefa trivial, passa obviamente pela elaboração de políticas macroeconômicas que revertam esta perversa institucionalidade. Do contrário, continuaremos a assistir ao aprofundamento desta concentração e sua inevitável contrapartida, qual seja, o aumento da tensão social. A polarização vivenciada nas últimas eleições presidenciais são sinais inequívocos deste grave problema.

*César Piorski é Doutor, Mestre e Bacharel em economia com especializações em Economia de Empresas, Engenharia Financeira e Macrocenários. Atua como estrategista da Volk Capital, empresa que fundou em 2022.

Leia também:

Panorama 2024: o que a proteção integrada traz para a América Latina?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias