quinta-feira, 18/04/2024

Antônio Campos vai acionar Justiça contra o restaurante Zeppelin no Recife Antigo

Polêmica em torno do projeto sé cresce.
O projeto, chamado de REC Cultural, vai ocupar dois prédios, um na Avenida Rio Branco, 23, e outro Marquês de Olinda, 58, ambos construídos entre as décadas de 1920 e 1930. Foto: Iphan

O ex-presidente da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) e pré-candidato à Prefeitura de Olinda, Antônio Campos, vai representar ao Ministério Público Federal (PF) contra aprovação do restaurante Zeppelin pelo superintendente do IPHAN, Jacques Ribemboim. A iniciativa também atinge a autorização para a execução do empreendimento feita pela Prefeitura do Recife.

“Entrarei com representação para abertura de inquérito civil contra a autorização do IPHAN e pela ampla ouvida dos interessados, que certamente poderá levar a uma revisão do projeto ou o ajuizamento da ação competente para sustar essa grave agressão à preservação das características essenciais e o paisagismo do centro do Recife”, diz Antônio Campos, em nota.

- Publicidade -

A ocupação dos espaços foi autorizada pelo superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em Pernambuco, Jacques Ribemboim, que discordou do corpo técnico co Iphan. O projeto havia sido analisado recentemente e rejeitado, por unanimidade, pelos técnicos do órgão, que alegaram a descaracterização dos prédios ao patrimônio histórico, a partir da implementação do restaurante em formato de zeppelin na cobertura dos imóveis tombados.

A iniciativa, denominada REC Cultural, será instalada nos imóveis nº 23 da avenida Rio Branco e na edificação vizinha, que fica na avenida Marquês de Olinda, nº 58, onde funcionou o Santander Cultural.

Na noite desta quinta-feira, Campos soltou outra nota: “Além da representação ao MPF para abertura de inquérito civil , estarei pedindo ao Conselho Estadual de Política Cultural de Pernambuco medidas urgentes quanto aos prédios onde se pretende instalar o Restaurante Zeppelin, com início de tombamento, se já não for, e medidas cautelares de suspender licenças e promover embargos, até a análise mais aprofundado do projeto. Uma equipe de advogados e urbanistas em breve divulgará um documento àa sociedade pernambucana. Não ao projeto do Restaurante Zeppelin, na forma proposta!”

- Publicidade -
O ex-presidente da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), entre junho de 2019 e janeiro de 2023, o advogado e escritor pernambucano Antônio Campos se manifestou contra a aprovação. Foto: Reprodução/ Facebook

Campos atesta que “o projeto do Restaurante Zeppelin , no Centro do Recife, na forma que foi aprovado pelo Iphan, contra os pareceres técnicos e opiniões de várias entidades e autoridades em conservação, é algo que precisa ser revisto. Tenho também lutado pela revitalização do centro do Recife. Na Fundaj, fizemos o cinema do Porto Digital, que é sucesso. Estamos estudando trazer de volta o Bar Savoy, para ajudar na retomada do centro”, rememorou o advogado, que dirigiu a Fundaj de junho de 2019 até janeiro de 2023.

A REc Cultural, em comunicado oficial, se posicionou. O diretor-geral Roberto Souza Leão justificou que a implantação do projeto tem por objetivo fomentar as atividades cultural e turística. Segundo ele, “o projeto é mais uma opção para o turista visitar o Bairro do Recife”.

De forma independente, o cineasta Kleber Mendonça Filho apoiou a movimentação feita pelo IAB-PE. Foto: Reprodução/ Instagram

Polêmica crescente

Adotando uma postura independente e desvinculada de Antônio Campos, o cineasta pernambucano Kléber Mendonça Filho, que aborda este tipo de temática em suas obras, como Aquarius e Retratos Fantasmas, também manifestou apoio a causa levantada pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil-PE (IAB-PE). “Ocupar o centro respeitando o patrimônio histórico. Apoio os técnicos do Iphan. Não é fácil proteger a cidade da mentalidade de shopping center que a tomou”, diz. 

O IAB-PE, o Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano da UFPE; o Núcleo Pernambuco do Icomos Brasil e o Icomos Brasil assinaram uma Carta de Apoio ao Corpo Técnico do IPHAN-PE assinaram nota contra a aprovação do projeto.

Na nota, o grupo reitera o apoio incondicional apoio à equipe técnica do IPHAN-PE, que estaria agindo de forma coerente com a atribuição que lhe cabe no sentido de zelar no cumprimento das orientações para preservação do conjunto tombado do Bairro do Recife que conforma uma paisagem singular.

“A reutilização do imóvel é desejada e bem vinda e o uso proposto poderia plenamente absorvido pelo edifício objeto de intervenção, sem a inserção do novo e alienígena volume proposto. Com certeza a sociedade pernambucana, com seu elevado capital cultural, saberá valorizar uma intervenção que parta da preservação de nosso patrimônio. Ser moderno é ser sustentável e entender o valor cultural e econômico de nossos patrimônio plenamente preservado, vivo e utilizado, tirando partido de suas características singulares”, complementa a carta.

Carta de Apoio ao Corpo Técnico do IPHAN-PE. Foto: Reprodução/ IAB-PE
Carta de Apoio ao Corpo Técnico do IPHAN-PE. Foto: Reprodução/ IAB-PE
Carta de Apoio ao Corpo Técnico do IPHAN-PE. Foto: Reprodução/ IAB-PE

REC Cultural

O projeto, chamado de REC Cultural, vai ocupar dois prédios, um na Avenida Rio Branco, 23, e outro Marquês de Olinda, 58, ambos construídos entre as décadas de 1920 e 1930. A empreitada fica próxima ao Marco Zero, local conhecido nacionalmente por ser ponto turístico, recebendo, inclusive, a apoteose dos carnavais recifenses ao longo de anos.

Praça do Marco Zero, com o prédio central da foto, que será modificado. Foto: Reprodução Facebook/ Prefeitura do Recife

Para Jacques Ribemboim, superintendente do IPHAN-PE, “trata-se de um investimento privado de interesse público, reforçando a vocação do bairro do Recife como um importante cluster turístico e cultural, com geração de renda e emprego”.

O superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em Pernambuco, Jacques Ribemboim. Foto: Reprodução/ Facebook

Já o Diretor Geral do REC Cultural, Roberto Souza Leão, endossa o posicionamento de Ribemboim ao explicar detalhadamente o projeto. “O projeto do novo Centro Cultural tem como pilares principais a valorização da arte e cultura pernambucanas e a transformação de jovens e crianças através da arte e educação. O espaço irá abrigar exposições, aulas, cursos, oficinas, workshops e outras atividades, contando com uma infraestrutura que segue as exigências dos parâmetros internacionais”, relatou. 

“Nosso objetivo é contribuir para a manutenção e fomento de uma atividade cultural cada vez mais presente na vida do cidadão pernambucano e como mais uma opção para os turistas que visitam o Bairro do Recife, com a disponibilidade de um ponto de informações turísticas no principal acesso do edifício. O REC é fruto de um projeto que respeita a nossa história, memória, arte, cultura e patrimônio, gerando oportunidades econômicas e culturais, enriquecendo ainda mais o Recife e o estado de Pernambuco”, reforçou Roberto Souza Leão. 

Porém, no entendimento de Roberto Souza Leão o projeto foi desenvolvido em estreita colaboração de profissionais que tratam com muita seriedade a preservação do patrimônio histórico, além de contar com o envolvimento ativo de membros da comunidade e especialistas em arte, cultura, turismo, arquitetura e urbanismo. 

Porém, as afirmativas do diretor do REC Cultural parecem não corresponder à realidade dos fatos, já que algumas instituições manifestaram apoio ao corpo técnico do próprio Iphan, que já havia se pronunciado contra o investimento.

Já a Prefeitura do Recife, através da Secretaria de Política Urbana e Licenciamento, fez alguns apontamentos técnicos deixando o caminho livre para a realização do empreendimento, mas deixou que a decisão fosse tomada exatamente pelo Iphan-PE, ainda em 23 de janeiro deste ano, como mostra o documento abaixo:

“A reversibilidade da intervenção eliminará os possíveis impactos sobre os valores patrimoniais determinados já que atende às demandas artísticas necessárias ao funcionamento do centro cultural, sem que a intervenção signifique alteração do gabarito ou volumetria dos imóveis protegidos. Ressaltamos no entanto que, antes de solicitarmos o desmembramento dos processos, por se tratar de imóveis inseridos na poligonal de tombamento federal com indicação de destaque, faz-se imperiosa e necessária a análise e aprovação do Iphan/PE para desfecho dos respectivos licenciamentos”.

Zeppelin no Recife

Em 22 de maio de 1930, o dirigível Graf Zeppelin fazia sua primeira viagem ao Recife. Foto: Prefeitura do Recife/ Divulgação

Em 22 de maio de 1930, o dirigível Graf Zeppelin fazia sua primeira viagem ao Recife, sendo também o primeiro veículo aéreo a cruzar o Oceano Atlântico, vindo da Europa para a América Latina.

O Graf Zeppelin tinha 236 metros de comprimento e realizou grandes viagens no início do século 20. No Recife, a tripulação e os passageiros do dirigível desembarcavam e ele era reabastecido com gás e suprimentos.

O prefeito do Recife à época, Francisco da Costa Maia, chegou a decretar feriado municipal e cidade se preparou durante meses para receber o zeppelin. Segundo registros jornalísticos da época, cerca de 15 mil pessoas foram até o Jiquiá acompanhar a chegada do dirigível.

Leia também:
Raquel Lyra e prefeito de Garanhuns buscam consenso para FIG 2024
Marcelo Gouveia assume a Amupe
João Campos lidera em todos os cenários, segundo Paraná Pesquisas
João Campos entrega nova Creche Escola no Bairro da Imbiribeira
Lula assina projeto que regula atividade de motoristas de aplicativo

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -