Kroma investe R$ 2,2 bi para gerar energia no Ceará

O projeto de geração de energia Kroma é inteiramente voltado ao mercado livre.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

Por Patrícia Raposo

A pernambucana Kroma Energia assinou Memorando de Entendimento com o governo do Ceará para instalar vários parques de energia fotovoltaica no interior do Estado. Os Complexos Solares Arapuá e Frei Damião, terão investimento de R$ 2,2 bilhões e a capacidade instalada será de 690 MW. Na fase de instalação, os parques deverão gerar cerca de 2.500 empregos.

Rodrigo Mello, CEO da Kroma Energia

O projeto de Kroma é inteiramente voltado ao mercado livre. “Nossos projetos visam a abertura de mercado em 2026 para oferecer energia aos consumidores menores, que hoje pagam preço altíssimo no mercado cativo pela energia para seus negócios. Então esse produto estará na mesa para eles e vamos disponibilizar contratos mais curtos, de três, cinco e oito anos”, disse Rodrigo Mello, CEO & Founder da Kroma, ao Movimento Econômico.

A assinatura do memorando com o Governo do Estado do Ceará apoiará a concretização dos Complexos Solares Arapuá 1 a 8 e Frei Damião I a IV. Arapuá deve atingir o status de início de construção em outubro de 2022.

“Temos carta consulta aprovada no BNB com potencial financiamento de 75% e devemos assinar esse contrato até o final do segundo semestre de 2022”, disse o CFO da Kroma, Valério Veloso.

“Nossa tese é de contratação de energia via mesa de operações da Kroma, para alocar essa energia em consumidores de pequenos e médios negócios, considerando a abertura do mercado até 2026. Até lá os nossos projetos estarão 100% operacionais”, acrescentou.

Assim, em breve a pernambucana Kroma espera vender sua energia para padarias, lojas, galerias, academias, empresas que consomem abaixo de 500 Kw e hoje são obrigadas a ficar no mercado cativo.

A Kroma detém hoje um portfólio de mais de 4.800 MWp [megawatt pico] de projetos, dos quais 162 MWp estão em operação desde novembro de 2018 (Complexo Apodi, localizado em Quixeré/CE) e 101 MWp iniciarão as obras no primeiro semestre de 2022 (Complexo São Pedro e Paulo, localizado em Flores/PE).

Energia verde

“Mais empregos para os cearenses e desenvolvimento para o Estado. Serão milhares de postos de trabalho gerados com a nova usina de Hidrogênio Verde da H2 Green Power, e do complexo solar que será construído pela Kroma Energia. Nossa intenção é colocar o Ceará em posição de destaque na produção de energias renováveis no país. Seguimos trabalhando para atrair cada vez mais investimentos para nosso Estado”, comentou o governador Camilo Santana.

H2 Green Power Ltda, fundada em 2021, em sociedade com o Grupo Roca, tem o propósito de produzir energia verde, por meio de energias renováveis, solar fotovoltaica e eólicas offshore. O MoU prevê o desenvolvimento de projeto da cadeia produtiva do hidrogênio verde, incluindo a possibilidade de estudar a participação em pool de armazenamento de amônia e de utilidades a ser desenvolvido e implantado no futuro Hub de H2V, localizado no Complexo.

Leia também:

176 empresas têm desconto para liquidarem dívidas com Finor

Klabin investe R$188 milhões na produção de embalagens no Ceará

Mosca dos estábulos gera perdas de R$ 200 milhões em Pernambuco

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias