MME avança no processo de renovação das concessões das distribuidoras

São 20 distribuidoras que têm os seus contratos de concessão vencendo entre 2025 e 2031

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
A conta de luz dos consumidores de energia do mercado cativo – que compram energia às distribuidoras – é mais cara do que a energia comercializada no mercado livre, onde o cliente pode escolher a empresa a quem vai comprar. Foto: Ricardo Botelho/MME

O Tribunal de Contas da União (TCU) proferiu decisão, nesta quarta-feira (24), autorizando o Ministério de Minas e Energia (MME) a prosseguir com os processos de renovação das concessões das distribuidoras de energia elétrica no Brasil. Atualmente, a energia mais cara do Brasil é a que é vendida pelas distribuidoras de energia, que detém o monopólio de vender este serviço para todos os consumidores do mercado cativo, formado principalmente por residências, embora também inclua pequenos comércios e indústrias de pequeno porte.

Isso vai atingir pelo menos 20 distribuidoras que possuem contratos de concessão com vencimentos previstos entre 2025 e 2031. Por exemplo, a Neoenergia Pernambuco terá o seu contrato de concessão vencendo em 2030. Depois de 2031, mais 33 concessionárias terão os seus contratos terminando.

O TCU avaliou que a motivação do MME atende ao interesse público, a economicidade, a eficiência e a eficácia. Isso significa que dependendo da forma que isso for feito o consumidor residencial do Brasil poderá ter uma redução na sua conta de luz. Geralmente, a energia comercializada pelas distribuidoras é 20% a 30% mais cara do que a comprada no mercado livre, onde o consumidor escolhe a empresa que vai comprar energia. Só lembrando, no mercado livre os consumidores recebem energia em alta tensão, o que exclui os consumidores do mercado cativo – formado principalmente por residências que consomem em baixa tensão. No mercado cativo, os clientes só podem comprar energia de uma distribuidora.

No despacho, a Côrte de Contas também reconheceu a legitimidade do Poder Executivo em publicar decreto com as diretrizes dos contratos de concessão, que tem como objetivo promover previsibilidade e estabilidade ao setor elétrico. “Essas diretrizes englobarão cláusulas técnicas e econômicas necessárias a entrega de boa qualidade no serviço de distribuição de energia elétrica para a sociedade brasileira”, disse, via assessoria de imprensa, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira.

A complexidade da conta de energia

A questão é complexa por vários motivos. Primeiro, quase todos os desmandos que ocorreram no setor elétrico tiveram o risco e a conta repassada para os clientes das distribuidoras pagarem nas últimas duas décadas. E, por incrível que pareça, em vários casos os desmandos ocorreram por falta de planejamento do próprio sistema, a influência política que apagões ou a falta de energia poderiam ter no governo federal etc.

Grande parte das distribuidoras tiveram os seus contratos de concessão assinados no começo dos anos 2000, quando o serviço deixou de ser prestado por empresas públicas e passou a ser oferecido por empresas privadas com as regras – inclusive a remuneração- definidas nos contratos de concessão. Ou seja, a maior parte dos desmandos que chegaram para os consumidores residenciais pagarem não foi estabelecido pelas distribuidoras, mas principalmente pelo governo federal com o aval do órgão regulador, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A lógica destas concessões sempre foi manter o equilíbrio econômico do contrato com as distribuidoras e e empurrar despesas extras, como por exemplo o risco hidrológico – por falta de chuvas – para a conta dos consumidores que são obrigados a comprar das distribuidoras. Até o presidente da República, Lula, já falou que é injusto a forma como se cobra a energia elétrica hoje no Brasil.

Definir regras para deixar a conta menos pesada para os consumidores residenciais é o grande desafio, segundo especialistas. Aproximadamente 75% da expansão da geração brasileira ocorreu em fontes renováveis, com o objetivo de vender esta energia no mercado livre, ambiente no qual a conta de energia é de 20% a 25% mais barata do que a comprada das distribuidoras. Cerca de 70% dos subsídios pagos a estas fontes de energia são bancados pelos consumidores das distribuidoras, segundo o ex-diretor da Aneel Edvaldo Santana. Ou seja, o consumidor residencial é quem está bancando grande parte dos subsídios, enquanto os maiores consumidores de energia pagam menos.

Agora, é ver como o governo federal vai resolver essa questão. E o TCU já informou também que vai acompanhar caso a caso.

Leia também

Consumidores, em alta tensão, podem ir para o mercado livre de energia em 2024

Geração própria de energia solar cresce no Brasil

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias