quinta-feira, 18/04/2024

Nordeste tem 23 mil empresas aptas a entrar no mercado livre de energia

A partir de 2024, todos os consumidores ligados em média tensão poderão contratar energia no mercado livre de energia. Confira os benefícios.
energia
Consumo livre de energia deu salto no primeiro trimestre de 2023/Foto: Jamil Bittar/ABR

Segundo dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica  (CCEE), o Ambiente de Contratação Livre (ACL), mais conhecido como mercado livre de energia, registrou salto de 30% no Brasil em novas unidades consumidoras no primeiro trimestre de 2023, mantendo o ritmo de crescimento antes da aguardada abertura para um universo maior de consumidores, previsto para acontecer a partir de 2024, quando as taxas de migração devem acelerar. 

Entre janeiro e março deste ano, foram registrados na CCEE 1,4 mil novos pontos de consumo, fazendo com que o “ACL” alcançasse um total de 32 mil consumidores habilitados a negociar livremente a compra de energia junto a qualquer fornecedor, comercializador ou gerador. A região Nordeste possui cerca de 23 mil empresas que já poderiam migrar para o mercado livre de energia, sendo mais de 4 mil apenas em Pernambuco.

- Publicidade -

A partir de 2024, todos os consumidores ligados em média tensão poderão contratar energia no mercado livre e há uma expectativa de abertura total para usuários em média e baixa tensão nos próximos quatro anos. Na prática, isso significa que cerca de 100 mil novos consumidores de menor porte, como padarias e outros pequenos comércios, estarão aptos a migrar ao Ambiente de Contratação Livre.

Atualmente, o Brasil conta com o Mercado Livre de Energia como alternativa eficiente e segura para reduzir a conta de energia de empresas e indústrias. De acordo com a Portaria 50/22 do Ministério das Minas e Energia, empresas e indústrias que tenham contrato de demanda acima de 500 KW (ou combinação de unidades sob o mesmo CNPJ com esse valor) já podem aderir ao Mercado Livrea partir de qualquer fonte energética como por exemplo a eólica e a fotovoltaica, que são consideradas fontes de energia limpa e renováveis.

Benefícios do mercado livre de energia

Os benefícios deste ambiente de contratação incluem potencial economia na tarifa, migração para energia renovável, maior controle e uso mais eficiente do recurso. Indústria em geral, supermercados, cerâmica, comércio varejista e atacadista, são exemplos de setores para os quais a migração é bastante vantajosa. 

- Publicidade -
Cláudio Ribeiro
Cláudio Ribeiro, CEO 2W/Foto: divulgação

Para tirar dúvidas e explicar melhor como funciona essa estratégia do ACL, a 2W Ecobank, que está no mercado há 15 anos e é uma das principais empresas comercializadoras de energia renovável do Brasil,vai realizar nos próximos meses uma série de visitas nas principais cidades do estado com potencial empresarial como Caruaru, Garanhuns e Petrolina. 

As agendas serão voltadas a empresários, executivos e gerentes de áreas que atuam na tomada de decisões estratégicas das empresas. O foco será mostrar aos empresários como economizar entrando para o mercado livre de energia

“Nosso foco principal são clientes de pequeno e médio porte, no que a companhia encara como uma oportunidade para democratizar a energia renovável comercializada no mercado livre. A 2W conta com 109 clientes na região Nordeste, sendo 11% deles em Pernambuco e um time de mais de 3.000 parceiros de negócios, sendo grande parte integrada por empresas de energia solar”destaca Claudio Ribeiro, CEO da 2W Ecobank.

2W se reposiciona

Neste ano, a 2W Ecobank – geradora e comercializadora de energia – anunciou um reposicionamento de seus negócios, ampliando sua atuação com a oferta de serviços financeiros e de sustentabilidade. A companhia, que passou a se chamar 2W Ecobank, investiu mais de R$ 20 milhões nesse processo, visando se tornar uma “facilitadora” para pequenas, médias e grandes empresas, em soluções financeiras, de energia e de sustentabilidade. 

Uma das novidades é o banco digital, criado em parceria com um grande player do setor bancário, cujo nome não foi revelado. “Somos uma plataforma que tem objetivo de fornecer energia renovável, finanças verdes e sustentabilidade em um só lugar. A energia produzida será comercializada no mercado livre, com foco em pequenas e médias empresas, a um custo até 30% menor que o da concessionária. A 2W oferece uma cesta diversa de produtos aos clientes, incluindo soluções sustentáveis, financeiras e de ESG”, diz o CEO da 2W.

Em maio, a 2W Ecobank divulgou balanço financeiro que destaca o resultado final de 2022 com recordes de lucro e desempenho operacional, na esteira de avanços na comercialização e geração de energia e após ter realizado um reposicionamento estratégico com a entrada em novos segmentos. A empresa obteve no ano passado um lucro líquido de R$ 43,5 milhões e um Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$109,7 milhões.

Os resultados vieram da consolidação de sua atuação no “varejo” do mercado livre de energia elétrica, que envolve atendimento a consumidores de pequeno porte, além de melhor desempenho no “trading” de energia, venda de energia a grandes consumidores e entrada em operação de projetos eólicos. No caso do segmento de varejo, a 2W agregou à sua base 243 novas unidades consumidoras em 2022, um crescimento de 92% ante 2021, e superou a marca de 500 clientes.

Leia também:

A renovação das concessões das distribuidoras de energia terá consulta pública

Os ventos respondem por 73% da energia gerada na Bahia

A produção de carros elétricos é prioridade para o governo federal, diz ministro Alexandre Silveira

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -