“Indústria naval só avança com fim da assimetria competitiva entre estaleiros nacionais e estrangeiros”

Nicole Mattar Terpens, ex-CEO do Estaleiro Atlântico Sul, analisa nesta entrevista a proposta do Governo Lula de retomar a indústria Naval.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

Nicole Matar Terpins, consultora de indústria naval
Nicole Mattar Terpens: indústria naval está exposta à variação cambial/Foto: Divulgação

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vem anunciando que o governo federal vai retomar os investimentos na indústria naval. Pelo menos, essa é a sua vontade. O próprio Lula, antes de voltar à Presidência, atribuiu à operação Lava Jato a estagnação do setor e o consequente desemprego dos trabalhadores da área.

Em Pernambuco, no início de fevereiro, o ministro Márcio França (Portos e Aeroportos), esteve reunido com a governadora Raquel Lyra (PSDB); o prefeito do Recife, João Campos (PSB); e o presidente do Porto de Suape, Márcio Guiot. No encontro, Márcio França afirmou que Lula estaria disposto a reinvestir no Porto do Recife, destacando acima de tudo a vocação turística do lugar. Com relação a Suape, frisou que o “presidente é pernambucano”, que o estado tinha vantagens geográficas e estruturais para efetivamente participar do plano de retomada da economia.

Nicole Mattar Terpens, ex-presidente do Estaleiro Atlântico Sul (EAS), analisa, nesta entrevista ao Movimento Econômico, o cenário atual e as possibilidades de retomada da indústria naval. Ela esteve à frente do EAS até o começo deste ano. O EAS está em Recuperação Judicial e sob sua gestão mudou a direção de seus negócios, deixando o fabrico para atuar no reparo de navios.

Nicole trabalhou pelo reperfilamento da dívida, reposicionamento da marca, revocacionamento de ativos e entrada em novos mercados. Sob sua gestão, o EAS retornou ao mercado off shore através da construção de grandes estruturas, além de colaborar cada vez mais para a performance industrial e desenvolvimento econômico do Estado de Pernambuco. Atualmente, Nicole Terpens é conselheira de empresas e instituições nos setores de infraestrutura, navegação e indústria pesada.

Nicole
Nicole nos tempos de CEO do Estaleiro Atlântico Sul/Foto: divulgação

ME – O governo Lula tem demonstrado interesse em investir na indústria naval mais uma vez. Em Pernambuco, seria viável essa operação?

Nicole – O Brasil dispõe de inúmeros estaleiros, com localização privilegiada e infraestrutura de ponta, capaz não só de atender à demanda nacional, mas de servir internacionalmente. Aqui em Pernambuco temos dois importantes estaleiros; o Atlântico Sul, por exemplo, com track record de produção de mais de 15 embarcações (entre navios e plataformas) e mais de 30 reparos. Alguns desses estaleiros, como é o caso do Atlântico Sul, já atingiram níveis de produtividade muito próximos dos estaleiros asiáticos, portanto, quando falamos de viabilidade, o problema não é performance. A meu ver, o principal problema a ser enfrentado pelo governo no contexto de um novo plano de revitalização da indústria naval, será o estabelecimento de políticas que reduzam a assimetria competitiva entre os estaleiros nacionais e internacionais, decorrente, em especial, de nossa estrutura de custos, ou melhor dizendo, do “custo Brasil”.

O fato é que aqui largamos em desvantagem, pagando mais pela mão de obra, em função dos encargos, e pela matéria prima, em função da proteção à indústria de base.

ME – O mercado confia nesse tipo de investimento?

Nicole – O fato é que aqui largamos em desvantagem, pagando mais pela mão de obra, em função dos encargos, e pela matéria prima, em função da proteção à indústria de base. Nossa cadeia de suprimentos, além de ser mais onerada pelos impostos, é menos desenvolvida, dessa forma nos expondo mais à variação cambial em função da dependência por tecnologia importada. Além disso, o crédito é caro e nem sempre disponível, e a burocracia consome uma boa parte do tempo e dos recursos existentes. Tais pontos precisam ser endereçados de modo a permitir que os estaleiros possam competir em igualdade de condições, ou, pelo menos, em um ambiente com menos desvantagens em relação à concorrência internacional. Isso é possível? Creio que sim. Já fizemos algumas propostas ao Governo visando equalizar tais condições, espero que sejam revisitadas.    

ME – Como a indústria naval brasileira pode ser competitiva internacionalmente? Quanto tempo levaria para se consolidar no mercado?

Nicole – Além da garantia por demanda, através de regras de conteúdo local adequadas à capacidade da indústria nacional, seria crucial a elaboração de uma política industrial voltada à redução das assimetrias competitivas, de modo a nos aproximarmos mais da concorrência internacional. A garantia de demanda é necessária porque a indústria naval é uma indústria cíclica, desta forma, é comum que nos períodos de “vale” a demanda seja subsidiada por iniciativas governamentais. Ademais, a demanda assegura a evolução da curva de aprendizado, melhoria de produtividade, colaborando, portanto, com a redução do leadtime dos projetos e desta forma com a competitividade da indústria. Entretanto, se não for trabalhada a estrutura de custos, de modo a nos aproximar das condições disponíveis aos nossos concorrentes, a política de conteúdo local não se faz sustentável a longo prazo, dando espaço para pedidos de waiver, ou até mesmo, pela preferência ao pagamento de multas, como ocorreu no passado, resultando no cancelamento de vários contratos e na drástica redução do conteúdo local no mercado off shore.

A garantia de demanda é necessária porque a indústria naval é uma indústria cíclica, desta forma, é comum que nos períodos de “vale” a demanda seja subsidiada por iniciativas governamentais.

ME – Quais os principais cuidados que devem ser tomados para que não exista uma nova estagnação em caso de retomada das atividades?

Nicole – A retomada da indústria deve ser fundamentada em um plano de longo prazo, lastreado em critérios técnicos e econômicos, que sejam sustentáveis independentemente da orientação política predominante. Costumamos dizer que é necessário que a indústria naval seja tratada através de uma “política de Estado”, que reconhece a sua importância para o desenvolvimento econômico e para a proteção da soberania nacional, e não como uma “política de governo”, que muda de tempos em tempos, conforme muda a estrutura governamental. 

Leia também:
Suape e Adepe são vitrines para vender Pernambuco na Intermodal
Governo debaterá com municípios e sociedade civil gestão do Parque Nacional de Jericoacoara
Novo Aeroporto de Sobral recebe primeiro voo comercial da Azul Linhas Aéreas
Em reunião com Ministro de Portos e Aeroportos, Márcio França, Raquel Lyra articula parcerias e investimentos para Pernambuco
Ministro Márcio França diz que Fernando de Noronha pode entrar na rota de voos internacionais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias

O acordo foi firmado num encontro envolvendo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a governadora do Rio Grande do Norte Fátima Bezerra (PT), diretor-presidente da Companhia de Tecidos Norte de Minas (Coteminas), Josué Gomes, além do presidente do Conselho para a América Latina da Shein, Marcelo Claire. Foto: Reprodução/Twitter

Shein começa a produzir no Rio Grande do Norte em julho

O acordo foi firmado num encontro envolvendo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a governadora do Rio Grande do Norte Fátima Bezerra (PT), diretor-presidente da Companhia de Tecidos Norte de Minas (Coteminas), Josué Gomes, além do presidente do Conselho para a América Latina da Shein, Marcelo Claire. Foto: Reprodução/Twitter

Leia mais »