Usina mói arte e mostra o poder da economia criativa

Em Água Preta, o projeto Usina de Arte vem dando oportunidade ao empreendedorismo local.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Arte na Usina
Entre os próximos dias 07 e 10, tem início o Festival Arte na Usina/Foto: Andrea Rego Barros

A usina Santa Terezinha, em Água Preta, fundada em 1929 por José Pessôa de Queiroz, chegou a ser, na década de 1950, a maior produtora de açúcar e álcool do Brasil. Era uma potência. Contava com uma infraestrutura que reunia mais de 100 km de estradas de ferro, 21 locomotivas e dezenas de vagões para movimentar a sua produção. Mas, em 1998, atingida por uma séria crise financeira, Santa Terezinha parou de funcionar. E tudo ao seu redor começou a ruir.

Quase duas décadas depois, em 2015, o bisneto do fundador, o empresário Ricardo Pessôa de Queiroz, decidiu fazer a usina funcionar novamente, mas de outra forma.  Em vez de cana de açúcar, ela passaria a “moer” arte. Ao lado da esposa Bruna, Ricardo criou o projeto Usina de Arte, que deu origem ao Festival Arte na Usina. A intenção era tirar a antiga vila operária da letargia na qual mergulhou, dando chance aos moradores de se reerguerem economicamente.

Este ano, o Arte na Usina chega à sua nona edição, ou safra, como preferem os organizadores – com eventos entre os dias 07 e 10 de dezembro. Ao longo de quase uma década, o movimento vem comprovando o poder transformador da economia criativa.

Usina Santa Terezinha
Usina Santa Terezinha/Foto: Reprodução da internet

A primeira edição do festival reuniu música e arte. Na segunda, foi criado um jardim botânico com um parque de esculturas. Saltando em poucos anos de 28 para 40 hectares, o local tornou-se a principal atração turística da região, junto com própria usina.

Os habitantes locais passaram a ver oportunidade de renda no que acontecia na região. Ricardo e Bruna começaram a envolver instituições, pessoas, deputados e empresas. Conseguiram emendas parlamentares para investir em estrutura, capacitações e aquisições de equipamento. A localidade agora conta com um FabLab com impressoras 3D, biblioteca, três pousadas, restaurantes e recebe turistas o ano inteiro, porque as agências de turismo também foram atraídas pelo crescente movimento na região.

Este ano, a Usina Santa Terezinha foi palco do Startup Day, um evento do Sebrae que surpreendeu pelo tamanho do público, com 450 inscritos de vários municípios.

As pessoas que haviam migrado de Água Preta, começaram a retornar. Boa parte havia ido para o Agreste e trouxe na bagagem de volta a cultura da confecção. Logo, o casal Pessôa de Queiroz investiu em máquinas para estimular a produção têxtil local. Atualmente, esse grupo de moradores recebe encomendas de Toritama e produz também seu próprio artesanato. Novos negócios aflorando. E graças ao FabLab, este ano o festival contará com exposição e venda de artesanato digital. Novas culturas emergindo.

Festival reúne várias expressões artísticas/Foto: Andrea Rego Barros

E assim, a ação do casal transformou o fogo morto da usina em um incandescente movimento capaz de estimular o empreendedorismo e a economia em municípios inseridos na cultura canavieira. Fazem pela região o que os governos esqueceram de fazer, ou seja, dar ao povo oportunidade. Um efeito propagador que se espalha para além de Água Preta e alcança até o estado vizinho de Alagoas.

Bruna e Ricardo Pessôa de Queiroz
Bruna e Ricardo Pessôa de Queiroz, idealizadores do festival/Foto: Andrea Rego Barros

Programação

Na programação, o Festival Arte na Usina, que abre com uma missa de ação de graças às 16h do dia 07, na Igreja de Santa Terezinha, traz para o line-up mais de 15 apresentações, com shows de artistas como Céu, Almério e Martins, Dj Pepe Jordão, Otto, Marina Lima, Geraldinho Lins, além de diversas expressões artísticas, incluindo contação de histórias, exposições e feira de artesanato. Agências de turismo organizam transfer bate e volta para quem planeja apenas passar o dia na região.

Confira a programação de shows:

7/12
19h – DJ Pepe Jordão
20h – Marcelo Jeneci
22h – Almério e Martins
0h – Céu (show “Fênix do Amor”)

8/12
19h – DJ Pepe Jordão
20h – Patricia Firmino
22h – Dany Myler
0h – Conde Só Brega

9/12
19h30 – Fim de Feira (show “Forró da Liberdade”)
21h30 – Filipe Catto (show “Belezas são Coisas Acesas Por Dentro”)
23h30 – Marina Lima (show “Nas Ondas da Marina”)
1h – Otto (Show “As Quatro Estações – Otto Canta Reginaldo Rossi”)

10/12
18h – DJ Pepe Jordão
19h – Wilson Monteiro
21h – Forró do Loirão
23h – Geraldinho Lins

Leia mais:

Pesquisa revela o cenário da governança nas empresas familiares no Brasil

Câmara aprova Dia da Consciência Negra como feriado nacional

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias