Pesquisa irá reforçar combate à mosca dos estábulos em Pernambuco

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

Etiene Ramos

Gado sofre com os ataques da mosca dos estábulos que se alimenta de sangue – FOTO: Paulo Cançado/Embrapa

Os surtos da mosca dos estábulos em pelo menos nove municípios da região do brejo, no Agreste de Pernambuco, vão ser estudados a partir de abril pelo Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), órgão da secretaria estadual de Desenvolvimento Agrário. A decisão foi anunciada nesta terça (22) em reunião na sede do instituto, no Recife, entre os responsáveis pela área de pesquisas do IPA e a União Nordestina dos Agropecuaristas (UNA). 

Os pecuaristas associados à UNA estimam prejuízos acima de R$ 200 milhões na criação de gado por causa da mosca dos estábulos, que encontra na cama de aviário, usada como adubo na região, condições ideais para proliferação durante o plantio do cará, entre agosto e setembro.

João Tavares: solução passa pela conscientização dos agricultores – FOTO: Divulgação

O objetivo do estudo é identificar as causas dos surtos do inseto, como enfrentá-las, e formas de convivência. “Tivemos várias reuniões com pecuaristas e avicultores interessados em resolver o problema e colaborar com a secretaria, que irá coordenar a pesquisa, disponibilizando especialistas, veículos e laboratórios”, afirma o gerente do departamento de Pesquisas do IPA, Geraldo Majella, adiantando que os primeiros resultados devem sair só em 2023.

Para o diretor ambiental da UNA, João Tavares, a reunião foi muito importante porque estabeleceu o compromisso de liberação das condições necessárias para o bom andamento da pesquisa, embora esteja certo que a solução não vem em curto prazo. “A pesquisa faz parte de uma solução que passa pela conscientização do agricultor de que a cama de aviário tem que ser recebida ensacada, coberta no transporte por caminhões e ser enterrada logo, no plantio, para não ter contato com a mosca. Quando isso acontece, ocorre a infestação”, diz Tavares.

Embrapa irá apoiar pesquisa em Pernambuco

A praga da mosca dos estábulos, uma espécie hematófaga que se alimenta de sangue de animais e até de humanos, existe em todo o mundo e, no Brasil, há registros de surtos em vários estados. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) vem enfrentando o problema e irá ajudar o IPA com a experiência das unidades do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul, que desenvolveram técnicas para combater os surtos destes insetos que se reproduziam no substrato da palha da cana de açúcar e no vinhoto da produção sucroalcooleira local.

Armadilhas vêm ajudando no combate à praga em Pernambuco – FOTO: Divulgação/IPA

Descartados no campo, sem tratamento, estes rejeitos criavam condições perfeitas para as infestações. “Precisamos saber como a mosca está chegando às cidades, estudar as formas de reprodução, ciclos, temperatura e outros fatores. É uma coisa nova na nossa região e os dois pesquisadores principais da Embrapa do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul, que estudaram a mosca no substrato da cana de açúcar – diferente do nosso que é o substrato da cama aviária – se dispuseram a ajudar no projeto de Pernambuco, após a primeira fase”, explica Geraldo Majella. 

Segundo ele, o controle mecânico, com armadilhas e outras práticas, deverá ser usado ao invés do químico (com inseticida) que não tem mostrado eficiência , além de ser muito caro e trazer prejuízos ambientais.

Enquanto aguardam a pesquisa, pecuaristas como João Tavares já estão adotando práticas repassadas pelos extensionistas rurais do IPA, como as armadilhas para reter as moscas. Elas são atraídas pelas cores azul, preto e branco e uma das técnicas é fazer uma cola com breu, óleo vegetal e pigmento em pó. A mistura é aplicada em filme plástico que é estendido em cercas e, em pouco tempo, centenas de moscas dos estábulos são capturadas. A armadilha é trabalhosa e não tem o alcance desejado, mas ajuda a reduzir o impacto dos insetos sobre os animais e os prejuízos dos criadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias