Cidade mais conectada do NE, Salvador terá delivery por drones

Salvador se prepara para regulamentar o delivery por drones após a Anac autorizar o funcionamento de aerovias
Salvador está criando política de incentivo ao delivery e outras operações por meio de drones. Foto: Speedbird Aero/Divulgação

Cidade mais conectada do Nordeste segundo a edição mais recente do Ranking Connected Smart Cities, divulgado em setembro, Salvador se prepara para mais um passo na consolidação dessa marca. Nesta quinta-feira (18), a capital baiana teve a primeira entrega de uma encomenda por meio de drones. O novo formato de delivery está sendo testado em uma cidade que, desde fevereiro de 2023, investe na logística com aeronaves não tripuladas e já acumula cinco mil quilômetros de sobrevoos nessa modalidade.

A ação promocional ocorreu na abertura da Connected Smart Cities, que está acontecendo pela primeira vez no Nordeste. A entrega partiu do bairro Itapuã e, em cinco minutos, o drone, carregado com dois acarajés em uma caixa, sobrevoou a costa e pousou no Centro de Convenções da Boca do Rio. “Recebemos a primeira encomenda via drone da cidade, uma nova forma de delivery que será implementada e regulamentada em nosso município, pioneiro nesse aspecto em todo Brasil”, afirmou o prefeito Bruno Reis, que recebeu a entrega no palco do evento.

A cidade é considerada ideal para esse tipo de operação por seu relevo acidentado e pela extensão de sua costa, com mais de 50 quilômetros de praias. Os testes com delivery vêm sendo realizados desde janeiro, entre cidades da Região Metropolitana. Na capital, de acordo com a prefeitura, o processo de regulamentação do serviço já foi iniciado após a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ter autorizado rotas entre Salvador e a Ilha de Itaparica, além de outras aerovias.

“Precisamos fazer uma regulamentação e será com uma lei própria para consolidar essa inovação. Estamos elaborando a legislação e encaminharemos para a Câmara Municipal”, informou o prefeito, prevendo R$ 5 bilhões em investimentos em inovação na capital e elencando o Plano Diretor de Tecnologias da Cidade Inteligente (PDTCI), com mais de 70 programas, como ação que tem permitido consolidar Salvador como primeira do Nordeste e nona do país entre as cidades inteligentes.

Bruno Reis, prefeito de Salvador, delivery por drones
Primeira entrega de encomenda por meio de um drone foi feita durante evento de inovação em Salvador. Foto: Divulgação

Além de delivery por drones, logística aérea está no foco em Salvador

Tanto o primeiro delivery oficial como operações na área de logística vêm sendo realizados pela Speedbird Aero, empresa que se instalou em Salvador no ano passado e que foi a primeira a obter autorização da Anac para fazer entregas comerciais por meio de drones, ainda em 2022. Em menos de um ano de operação na logística aérea, a capital da Bahia já soma mais de cinco mil quilômetros sobrevoados, dois mil voos e mais de três toneladas de carga transportadas por aeronaves não tripuladas em sua costa.

- Publicidade -

As operações começaram com o transporte de amostras de pacientes de quatro laboratórios e de um hospital da região, com voos até a praia de Jaguaribe, de onde a carga segue por terra até a cidade de Lauro de Freitas. Também são feitas travessias aéreas de dez quilômetros para a Ilha de Itaparica. Com isso, entregas que levariam uma ou duas horas são feitas em dez minutos, desafogando os sistemas de transporte e reduzindo a emissão de gases poluentes.

rota de drones
Em um ano de operação, rotas de drones em Salvador já tiveram mais de cinco mil quilômetros de sobrevoos. Foto: Speedbird Aero/Divulgação

Drones: vocação econômica terá incentivos públicos

Essa vocação tem animado o poder público, que prepara uma política de incentivo à logística por drones que inclui a integração ao planejamento da mobilidade urbana de áreas de pouso e decolagem de drones – os droneportos – e apoio à instalação de estruturas voltadas a entregadores e operadores, com energia, conectividade e isolamento seguro dos cidadãos, como determina a Anac. Outra proposta é a criação de um comitê de governança composto por secretarias municipais e agentes operadores para ampliar o diálogo sobre esse ecossistema.

A política também deve ir além da logística, gerando incentivos para esse mercado no que concerne a filmagens aéreas, segurança patrimonial, inspeção de prédios e cobertura de eventos culturais. A ideia é que os operadores possam também investir na capacitação de jovens para a operação de drones, o que daria acesso a incentivos fiscais a essas empresas.

“O engajamento da autoridade local neste grande projeto para impulsionar a difusão das inovadoras tecnologias de drone delivery e operações com aeronaves não tripuladas em Salvador é fundamental. Através de iniciativas como esta, podemos não apenas impulsionar a eficiência e a conveniência das entregas, mas também garantir a segurança e o respeito às regulamentações vigentes”, avalia o CEO da Speedbird Aero, Manoel Coelho.

Leia também: Lula assina acordo para criação de parque aeroespacial na Bahia

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -