quinta-feira, 18/04/2024

Questão da segurança faz secretário do Recife lançar desafio a prefeito do Rio

"Há saída para a crise de (in)segurança no Rio de Janeiro - ela está no aeroporto do Galeão", escreveu Murilo Cavalcanti. Eduardo Paes não gostou e revidou no X

Márcio Didier

O artigo do secretário de Segurança Cidadã do Recife, Murilo Cavalcanti, publicado no jornal O Globo no dia 30 de março promete muitos novos embates entre o gestor recifense e o prefeito do Rio, Eduardo Paes, que não gosto do tom e partiu para ofensiva, chamando Cavalcanti de “cara de pau” e dizendo que o Recife é a oitava capital mais violenta do Brasil. O secretário recifense, que no artigo comparou a capital carioca com Medellín, na Colômbia, então, lançou dois desafios.

- Publicidade -

“Eu quero que o prefeito do Rio liste 10 indicadores como transporte, primeira infância, saneamento para que possa comparar Rio e Medellín, na Colômbia. E peço, também, que o prefeito escolha 10 bairros de Medellín e eu escolho 10 do Rio para que possamos entrar sem o aparato de segurança”, disparou Murilo Cavalcanti, acrescentando que na Colômbia não teria qualquer problema em entrar nos bairros.

Indagado se não é complicado comparar o Rio com a cidade colombiana quando o número de mortes do Recife (36,3 homicídios por 100 mil habitantes) é maior do que o da capital carioca (21,2 homicídios por 100 mil habitantes), o secretário diz que esse não era o debate, e que seu artigo era mostrando uma saída para o Rio.

Murilo Cavalcanti, secretário de Segurança Cidadã do Recife
Murilo Cavalcanti disse que a resposta do prefeito do Rio ao seu artigo publicado no jornal O Globo foi “fora do tom”. Foto: PCR/Divulgação

Admirador da experiência colombiana, ele argumenta que na década de 1980, o cenário em Medellín era muito parecido com o do Rio de Janeiro de hoje, com o tráfico de drogas dominando várias áreas. Por isso, ele fez as considerações sobre o Rio.

- Publicidade -

Política de segurança

Ele admite que o tom do início do texto, quando ele sugere que a saída para a crise de segurança do Rio é o Aeroporto do Galeão, poderia ser outro, mas acrescentou que a resposta do prefeito foi fora do tom.

Autor da proposta da construção do Centros Comunitários da Paz (Compaz), ele lembra que no ano passado três secretários do Rio vieram ao Recife para conhecer o equipamento.

“As cinco unidades do Compaz vêm transformando a realidade dos locais. Precisaríamos de 16 no Recife. Mas se compararmos o último mandato de João Paulo e o de João da Costa e o segundo de Geraldo Julio e o de João Campos, conseguimos evitar as mortes de três mil pessoas. Isso mostra o sucesso da política de segurança”, finalizou Murilo Cavalcanti.

Leia mais: União vai investir R$ 160 milhões na área de segurança em Pernambuco

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -