Humberto viaja à COP 28 e acompanhará agenda de Lula

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
O senador Humberto Costa (PT-PE) terá uma série de agendas e vai debater questões como os impactos do aquecimento global na saúde e na economia. Foto: Roberto Stuckert Filho
O senador Humberto Costa (PT-PE) terá uma série de agendas e vai debater questões como os impactos do aquecimento global na saúde e na economia. Foto: Roberto Stuckert Filho

Presidente da Comissão Mista sobre Mudanças Climáticas (CMCC), o senador Humberto Costa (PT) viaja para a cúpula do clima, a COP28, em Dubai, nesta quinta-feira (30/11). Na COP, o senador terá uma série de agendas e vai debater questões como os impactos do aquecimento global na saúde e na economia.

Humberto deve acompanhar também o discurso do presidente Lula na Conferência. A fala do presidente é uma das mais aguardadas, já que além de representar o Brasil, país que possui a segunda maior área de floresta do mundo, Lula será apresentado como líder temporário do G-20, grupo dos 20 países mais ricos do mundo.

“A mudança climática já é uma realidade e precisamos encarar de frente este problema. O Brasil tem um papel fundamental nesse debate tanto por conta da dimensão das suas florestas e volume de água doce, como pelo papel de liderança que o presidente Lula exerce no mundo. Saímos de um governo negacionista para uma gestão comprometida com o meio ambiente que entende a emergência climática que o mundo enfrenta hoje e propõe soluções”, afirmou Humberto.

Segundo Humberto, a presença da Comissão na COP28 é importantíssima. “Precisamos estar afinados com o debate mundial sobre o tema. Com base nessas discussões, poderemos, até mesmo, trabalhar em novas propostas na CMCC que ajudem o país a enfrentar o problema. A gente tem visto os efeitos das mudanças climáticas no país, com chuvas no Sul e seca na Amazônia. Não podemos esperar. Precisamos de medidas urgentes para lidar com esse problema”, afirmou o senador. Humberto disse ainda que a experiência vai ajudar o país para a cúpula sobre o clima que o Brasil sediará em Belém, em 2025, a COP30.

Lula embarca para COP 28 em Dubai e visita mais três países

O vice-presidente da República, Geraldo Alckmin (PSB), assume o comando do país. Foto: Ricardo Stuckert

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva embarcou, nesta segunda-feira (27), para participar da 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP 28), em Dubai, nos Emirados Árabes. Na oportunidade, ele ainda visitará Arábia Saudita, Catar e Alemanha para tratar de temas de interesse do país e se reunir com empresários, na busca de investimentos para o Brasil.

“A caminho de Riade, capital da Arábia Saudita, para uma série de agendas de interesse nacional. Abertura de mercados e atração de investimentos, principalmente em energia renovável. Depois, iremos para Doha, e teremos a COP 28 nos Emirados Árabes. Muito trabalho para recolocar nosso país no cenário internacional, e atrair investimentos que gerem emprego e desenvolvimento para o Brasil”, escreveu o presidente nas redes sociais.

Com isso, o vice-presidente da República, Geraldo Alckmin, assume o comando do país. Na comitiva presidencial estão vários ministros, incluindo Marina Silva, do Meio Ambiente e Mudança do Clima, e Mauro Vieira, das Relações Exteriores, além da primeira-dama Rosângela Lula da Silva e convidados

A COP 28 deverá fazer um balanço da implementação do Acordo de Paris – estabelecido na COP 21, em 2015. O Brasil deverá endossar o compromisso de manter o aumento da temperatura média global em 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, além de cobrar recursos para reparação e para uma transição justa para os países em desenvolvimento.

Metas



Na COP 21, cada país signatário estabeleceu metas próprias de redução de emissão de gases de efeito estufa, chamadas de Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês). A NDC brasileira, atualizada em 2023, estabelece que o Brasil deve reduzir as próprias emissões em 48% até 2025 e 53% até 2030, em relação às emissões de 2005.

Além disso, em 2023, o Brasil reiterou compromisso de alcançar emissões líquidas neutras até 2050. Ou seja, tudo que o país ainda emitir deverá ser compensado com fontes de captura de carbono, como plantio de florestas, recuperação de biomas ou outras tecnologias.

Após o balanço na COP 28, a principal expectativa da COP 29 é definir novo patamar para financiar a ação climática e, depois disso, na COP 30, que ocorrerá no Brasil, o esperado é que os países apresentem suas novas NDCs.

A COP 28 ocorrerá entre os dias 30 de novembro e 12 de dezembro. O presidente Lula deverá participar nos dias 1 e 2 de dezembro, durante a reunião de cúpula com 140 chefes de Estado e de governo. O Brasil terá uma delegação com cerca de 1,5 mil participantes da sociedade civil, de empresas privadas, do Congresso Nacional, de governos estaduais e do governo federal.

Agendas bilaterais


Antes de Dubai, a primeira parada da viagem internacional de Lula será em Riade, na Arábia Saudita, onde o presidente se reunirá com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, que cumpre as funções de chefe de Estado. Lula também participará de um encontro com empresários sauditas e de um evento de promoção de produtos da empresa brasileira Embraer. A expectativa é de incremento dos investimentos sauditas no Brasil nos próximos anos.

No Catar, Lula aproveitará o contato com lideranças políticas e empresariais para aprofundar e diversificar a relação bilateral. Além disso, o presidente deve tratar da guerra entre Israel e o grupo político-militar palestino Hamas, que controla da Faixa de Gaza. O Catar é um interlocutor junto ao Hamas para negociações em relação ao conflito.

Embora a COP 28 só termine no dia 12 de dezembro, Lula deve deixar os Emirados Árabes no dia 2 de dezembro. Do Oriente Médio, o presidente e parte de sua comitiva viajarão à Alemanha, onde Lula se reunirá com o presidente Frank-Walter Steinmeier e com o primeiro-ministro Olaf Scholz.

No país europeu, a agenda é ampla, com a expectativa de que sejam assinados uma série de memorandos de entendimento, declarações conjuntas, cartas de intenções, planos de trabalho e acordos para trocas de informações que já vêm sendo discutidos há meses. Os atos são em áreas como meio ambiente, bioeconomia, saúde, ciência e tecnologia e inovação.

Além disso, a Alemanha é um dos países que defendem a assinatura do acordo Mercosul-União Europeia. Terceira maior economia mundial, atrás dos Estados Unidos e da China, a Alemanha é um importante parceiro do Brasil, sobretudo nos campos tecnológico e industrial. Mais de mil empresas alemãs atuam em território brasileiro e, segundo o Banco Central, o país germânico é a oitava maior fonte de investimentos no Brasil.

A retomada das viagens internacionais ocorre dois meses após Lula se submeter a uma cirurgia para restaurar a articulação do quadril. Nesse período, o presidente cumpriu agendas apenas em Brasília.

No retorno ao Brasil, Lula recepcionará os chefes de Estado do Mercosul, na cúpula que será realizada em 7 de dezembro, no Rio de Janeiro.

Leia também:
Dueire visita obras do Aeroporto do Recife
Lula indica Flávio Dino para STF e Paulo Gonet à PGR
Haddad diz que desoneração da folha é inconstitucional
Lula retoma viagens internacionais na próxima semana
Barroso diz que alteração nas regras do STF não é necessária

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias