José Alexandre A. Hage: A decadência ocidental e suas implicações políticas e intelectuais

Por José Alexandre Altahyde Hage* Saber se o Ocidente, Europa e Estados Unidos estaria mesmo em declínio cultural, político e econômico é tarefa que não se consegue obter em poucas linhas. O intuito da reflexão é somente contribuir com o debate que ainda permanece, sobretudo em virtude da guerra entre Rússia e Ucrânia, bem como […]
José Alexandre Hege
José Alexandre Hage/Foto: divulgação

Por José Alexandre Altahyde Hage*

Saber se o Ocidente, Europa e Estados Unidos estaria mesmo em declínio cultural, político e econômico é tarefa que não se consegue obter em poucas linhas. O intuito da reflexão é somente contribuir com o debate que ainda permanece, sobretudo em virtude da guerra entre Rússia e Ucrânia, bem como do assédio da China sobre Taiwan nas últimas semanas. As potências ocidentais teriam ainda vigor para fazer valer seus princípios que as expressavam, mesmo estando em lugares distantes, da mesma forma que fora a partir da Segunda Guerra Mundial? 

Entre 1918 e 1924 o estudioso alemão Oswald Spengler publicou livro com provocante nome. A obra A Decadência do Ocidente, (dois volumes) a fazer jus ao título, procura profetizar o fim do mundo ocidental, a começar pela Europa, como centro dinamizador (e hegemônico) da política mundial. Livro de leitura árdua, pois versa sobre arquitetura, política, artes em geral etc., sugere que o declínio do Oeste se daria por algo paradoxal: o excesso de conforto material que resultaria do progresso econômico e tecnológico. 

Em outras palavras, o mundo ocidental perderia vigor, à primeira vista, pela facilidade de sobrevivência para a(o) cidadã(o) média(o). O(a) homem/mulher em sociedade não mais precisaria sair a campo para enfrentar feras ou intempéries para obter boas quantidades na produção agrícola e na pecuária. O progresso técnico, acelerado na Era Contemporânea, deu à sociedade humana um rol de avanços que só cresceu no século XX, sobretudo após a Segunda Guerra mundial. 

Avanços na medicina, a começar com vacinas contra doenças que eram mortais há algumas décadas, na agricultura, por meio da revolução verde que deu produtividade a áreas de pouco interesse, caso do cerrado brasileiro, e demais progressos, que permitiram bem-estar social, são marcantes na cronologia socioeconômica da Europa Ocidental, dos Estados Unidos e observáveis em partes “ocidentalizadas” da Ásia do Leste, como Coreia do Sul, Cingapura e Japão. 

- Publicidade -

É fato que a distribuição desses prêmios não se tornou universal, como esperado. Muitas áreas do Hemisfério Sul, África e América Latina não foram contempladas. Isso contraria a premissa de que o mundo vive em uma dinâmica única, na qual todos os países teriam as mesmas vantagens e dificuldades no campo da economia e da tecnologia. Ainda que possa ser controverso, pode-se encontrar partes da Índia e África, por exemplo, que dependem da queima de madeira ou de estercos para obter calor, ao passo que a Europa Ocidental milita para substituir a energia nuclear para dar espaço ao green power, combustíveis renováveis. Isso sem mencionar o uso da internet por banda larga, cujo uso continua desigual no Globo. 

Assim, podemos observar que o outono ocidental não ocorreria por falta de bens materiais e de progresso técnico, mas sim por algo não mensurável de modo instantâneo: espiritualidade e valores morais que seriam desdobramento da tradição e cultura populares. A civilização do Ocidente perderia vigor por excesso de conforto em detrimento da firmeza espiritual que, inicialmente, seria preenchida pelo Cristianismo, católico ou protestante. 

A ideia de que a sociedade humana se desenvolve, e se firma, em face das dificuldades da natureza, por exemplo, já era conhecida no século XIX. Pioneiros(as) do pensamento geográfico apontavam o papel que invernos rigorosos e meios inóspitos desempenhavam na inteligência do homem/mulher, que teria que se reinventar para sobressair ao meio ambiente. 

O que Spengler fez foi reforçar, com mais afinco, algo que parece não se esgotar no momento, ao menos no debate. E a guerra entre Rússia e Ucrânia inaugura novo capítulo sobre o assunto, visto que ela entra no mérito para identificar até que ponto Estados Unidos, Grã-Bretanha ou Alemanha se empenhariam para defender a Europa Oriental contra o expansionismo russo. Se a Ucrânia alberga democracia e alguns princípios tão caros ao Ocidente, por que, então, ela praticamente ficou ao relento, apesar do poder de tais países na Otan? 

Dentro dessa leitura, se os(as) europeus(eias) se acostumaram, no atacado, à sociedade do conforto, logo, não se empenhariam em defender seus valores tradicionais, bem como a herança do Catolicismo. No lugar do Estado nacional, daria-se lugar à relativização da soberania e ao processo de criação do federalismo continental, com a máxima de que atribuir poder a Bruxelas, sede da União Europeia, seria maximizar efeitos benéficos da democracia. Uma democracia multinacional, que não fosse ligada a tradições sociopolíticas regionais, ganharia imagem de ser instituto mais que moderno nas relações políticas. 

Por outra via, alguns autores(as) sublinham a situação atual, considerada crise, dentro das próprias universidades e locais de formação intelectual. Sem ter relação direta com o livro de Spengler, no trabalho intitulado A Rebelião das Elites e a Traição da Democracia, Christopher Lasch opina que são justamente as famosas instituições educacionais estadunidenses, no primeiro plano, as promotoras de manifestações que desacreditam a cultura ocidental, os cânones do teatro, da literatura e até das ciências mais “neutras” ou que não se dão ao gosto de serem ideologizadas, como física, medicina ou matemática. 

A ciência e cultura ocidentais seriam também construídas, por séculos, a partir de escombros da colonização sobre grande parte do antigo Terceiro-Mundo, cuja capacidade científica fora relegada de propósito ou ignorada por falta de conhecimento dos(as) colonizadores(as). Por isso, estudantes e professores(as) de Harvard, Stanford e outras universidades de prestígio se empenhariam para fazer justiça social e trazer a público aquilo que não tivera oportunidade de ocorrer: o reconhecimento cultural e científico dos(as) excluídos(as) do mundo. Por conseguinte, o pavor que boa parte da clientela universitária teria de não acatar tais reparos históricos o levaria à apatia ou a corroborar esse conserto sem muita vontade. 

Isso significa dizer que a cultura e tradições não seriam mais representadas pela maioria da população (o zé povinho, como se costuma falar no Brasil). Mas com poucos canais de voz, para amparar seu desejo e valor; o papel do povo ficaria em segundo plano. A elite intelectual, que ocuparia setores mais bem posicionados, universidades prestigiosas, artes em geral e imprensa, imprimiria o que se entende por democracia e cultura. O problema é que a consonância entre elite e povo já não mais existiria, ou aquela elite não mais representaria os reais anseios populares, atuando somente em endogenia intelectual. 

É claro que o declínio político, econômico e cultural de uma potência, ou de uma região (União Europeia) tem de ser tratado de modo relativo. Os Estados Unidos não deixarão de imprimir influência e poder nos próximos trinta anos. A elevação estratégica da China, bem como de sua economia, não criará problemas prementes nos interesses estadunidenses da noite para o dia. O mais crível é o surgimento de um condomínio, no qual Washington teria destaque junto a outras potências que ascenderão e procurarão espraiar suas influências regionalmente, ao menos. É o que se espera de Índia, Rússia, um pouco mais da China e talvez do Brasil. 

Em outro aspecto, se os Estados Unidos descem relativamente na escala do poder mundial, embora conserve muito de seus avanços tecnológicos, o mesmo não se pode dizer da União Europeia. O Velho Continente, para manter a paz em seu espaço, entrou em um circuito de autofagia cultural e política, cujo resultado pode ser sua descaracterização como centro aglutinador de cultura e civilização. Embora possa ser apressado dizer, a Europa pode ter a imagem de um grande navio que tem medo de navegar pelo mundo, justamente para não passar a imagem de que sua grandeza seja arrogância. 

Caso se possa procurar motivo que tenha impulsionado esse fenômeno europeu, ele pode ser encontrado na premissa de que gerações que nasceram nas décadas 1960 e 1970 já teriam sido formadas sob a égide do bem-estar, do pacifismo, da superação do nacional, do petróleo, do apego ao conforto econômico e, em última instância, às posturas mais modernas, como defesa de direitos humanos, do ambientalismo, do multiculturalismo etc.. Portanto, o pessoal que nascera naquelas décadas não gostaria de pôr tudo a perder por causa de políticas de poder, ainda que suas conquistas estivessem em risco. 

O ponto curioso disso tudo é que o ocaso do Ocidente, se dermos razão a seus profetas, não ocorre por falta de empenho econômico ou tecnológico, nem por ausência de políticas de bem-estar para substancial parte de sua população. O aspecto crítico reside em sua falta de vontade. Poderíamos dizer na falta de “vontade nacional” que dia a dia míngua em nome de um projeto supostamente democrático, virtuoso e equânime, mas que tem demonstrado mais desprezo pela visão doméstica dos países membros de que apego a um futuro melhor. 

Não podemos frisar que a decadência ocidental seja, obrigatoriamente, positiva, embora seja vislumbrada como meio de abrir espaço para países de menor poder relativo. Parte considerável de nosso estilo de vida, democracia parlamentar, liberdade de opinião, liberdade de organização etc., resulta daquilo que chamamos liberalismo, ao menos um tipo dele, uma vez que por liberalismo se pode compreender visões variadas e até divergentes. Há inclusive determinados grupos acadêmicos que preferem usar o termo neoliberalismopara designar o desgaste pelo qual o mundo ocidental vem passando desde os anos 1980. 

Contudo, emergem algumas questões: não será justamente esse tipo de organização sociopolítica e cultural que tem dado tiro no próprio pé no passado recente? Não tem sido o grosso da inteligência ocidental o primeiro grupo a desprezar, quando não combater, valores e condutas que se julgavam ser patrimônio ocidental, que moldara a grandeza de Estados Unidos e Europa Ocidental? Será que Índia e China passarão pelo mesmo processo de excessiva autocrítica, quase autofágica, que também as levaria para a decadência pelo fato desses países abrirem mão de seus modos de vida para adotar os ocidentais? 

A Ucrânia passou por mudança drástica de poder, em 2014, para adotar valores ocidentais, incentivada pela União Europeia, porque se imaginava como membro da família do Oeste. Em parte, Kiev acreditava que seria socorrida pela Otan, já que se tornara espiritualmente ocidental. De modo análogo, podemos dizer isso de Taiwan. Certa ocidentalização daquela ilha, de início no aspecto militar, começou levando em conta que os Estados Unidos os ajudaria, caso Pequim demonstrasse agressividade. Todo o leste asiático foi politicamente moldado, a partir da Guerra Fria, pensando que os Estados Unidos os socorreria se houvesse ataque da União Soviética, no passado, e da China na atualidade. 

E se nem a União Europeia, pela Otan, nem os Estados Unidos correrem para ajudar seus parceiros, que foram objetos de promessa, contra assédio e agressão dos mais fortes? Mesmo que seja contraproducente, não foi a nota de proteção que ajudou a dar imagem positiva ao Ocidente, como garantidor da ordem internacional e da proteção aos mais fracos? Nesse processo, o que deverá pensar a Ucrânia, Taiwan, por exemplo, nesse andar das coisas? São questões que, para nós, devem concorrer para a ampliação do bom debate.

* José Alexandre Altahyde Hage é professor do Departamento de Relações Internacionais da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios (Eppen) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) — Campus Osasco

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -