Grupo João Santos paga FGTS atrasado de cerca de 20 mil trabalhadores

O processo de recuperação do Grupo João Santos foi iniciado há mais de um ano

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Fábrica de cimento do Grupo Nassau em Cachoeiro do Itapemirim, no Espírito Santo. Foto: Divulgação

O Grupo Nassau, conhecido também como o Grupo João Santos, pagou o valor de R$ 150 milhões da primeira parcela do pagamento da Transação Tributária realizada pelo conglomerado junto a Procuradora-Geral da fazenda Nacional (PGFN). Isso vai possibilitar a liquidação de 100% do FGTS atrasado de 20 mil trabalhadores, entre ativos e ex-funcionários, que tinham valores a receber ao longo de décadas.

“A data de hoje marca claramente o compromisso da nova gestão do Grupo João Santos em recuperar a empresa e saldar os seus compromissos com a sociedade”, resume o sócio-diretor da PPK Consultoria, João Rogério Filho. A PPK é a consultoria econômica responsável pela Recuperação Judicial do Grupo João Santos. Ainda de acordo com informações do grupo, a empresa está se empenhando para buscar a solução de seus passivos, principalmente o trabalhista, em todos os Estados onde o Grupo tem atividade.

O acordo do Grupo com a PGFN foi de R$ 1,5 bilhão, com os quais estão sendo honrados os débitos de FGTS. Ainda nas próximas semanas deverá ocorrer um outro pagamento de aproximadamente R$ 80 milhões.

A operacionalização do pagamento, que inicia nesta quarta-feira (31), quando os recursos estão disponíveis em uma conta específica da PGFN, acontece até os próximos 90 dias, uma vez que os pagamentos são individualizados. A operação é feita conjuntamente por equipes do Grupo João Santos, da PGFN e da Caixa Econômica Federal. O número de 20 mil trabalhadores é uma estimativa.

Grupo João Santos e a recuperação judicial

O Grupo João Santos teve seu processo de recuperação judicial iniciado há um ano, quando começou um trabalho minucioso de levantamento do patrimônio, dos credores, do passivo e dos ativos. Com um ano de trabalho, o grupo retomou a operação de duas fábricas, somando quatro em atividade em 2023, o que resultou num faturamento de R$ 1 bilhão. Atualmente são 3 mil funcionários, todos com salários e FGTS em dia.

A expectativa agora é que seja homologado o Plano de Recuperação Judicial do grupo, que é marcado pelo juiz da recuperação judicial. Depois disso, a empresa deve passar até dois anos cumprindo o que está previsto no plano. “Estamos fazendo uma campanha de mediação de credores e já foram firmados mil acordos”, comenta João Rogério. Todos os acordos foram deferidos pelo juiz que está à frente do processo.

Leia também

Grupo Nassau vai se desfazer de ativos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias