Suape celebra 45 anos com um olhar no futuro

O Complexo Industrial Portuário de Suape se concretizou como uma das molas propulsoras do desenvolvimento de Pernambuco

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
A vice-governadora Priscila Krause, o presidente de Suape, Marcio Guiot (ao centro) e a governadora Raquel Lyra homenagearam funcionários de Suape, Kleber Miller e Ivanize Gomes, que estão na estatal, respectivamente, desde 1976 e marco de 80. Foto: Porto de Suape/Divulgação

O Complexo Industrial Portuário de Suape celebrou seus 45 anos nesta sexta-feira (24) em um evento que reuniu a direção, os funcionários e empresários que atuam no local. A governadora Raquel Lyra (PSDB), e a vice, Priscila Krause (DEM), participaram da solenidade ao lado do presidente do porto, Márcio Guiot de secretários de estado e de políticos. A celebração ocorreu próximo ao prédio administrativo da estatal.

“O Porto de Suape é estratégico para o desenvolvimento de Pernambuco e do Nordeste brasileiro. Completar 45 anos só demonstra que, cada um deu a sua colaboração para que o Estado pudesse crescer e se desenvolver. O futuro passa por aqui”, resumiu a governadora Raquel Lyra, argumentando que este futuro desenvolvimento está ligado às energias renováveis, a atração de novos empreendimentos e a interconexão modal que vai ocorrer com o ramal pernambucano da Ferrovia Transnordestina. “Não tenho dúvida de que os próximos 45 anos vão ser melhor do que o que se chegou até agora”, afirmou a chefe do Executivo.

Entre as iniciativas que vão trazer impacto à estatal, a governadora citou a dragagem do porto interno e externo de Suape, a instalação de um segundo terminal de contêineres no porto da APM Terminals, – que pertence a Maesk -, e também a implantação do segundo trem (linha de produção) da Refinaria Abreu e Lima, “que tem potencial de gerar, sozinho, cerca de 10 mil empregos nas obras” e “dobrar” a quantidade de barris processados aqui.

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe), Ricardo Essinger, Suape é uma prova de política de Estado e não de governo. “Cada um colocou uma pedrinha e deu certo. A vinda da Transnordestina é imprescindível. Não existe porto de grande porte sem uma ferrovia”, comentou o empresário.

Tanto a governadora como o presidente da Fiepe estavam se referindo ao fato de que Suape contou com a colaboração de governantes de diferentes partidos, dando continuidade as obras do Porto com recursos federais e do governo de Pernambuco por décadas. Isso incluiu políticos como os ex-governadores Roberto Magalhães, Miguel Arraes, Jarbas Vasconcelos, Eduardo Campos, o vice-presidente Marco Maciel, entre outros que atuaram nos governos estadual ou federal.

“Suape é o maior polo econômico mais importante para induzir o desenvolvimento de Pernambuco”, disse o diretor da holding Agemar Manoel Ferreira, também presente ao evento. O complexo industrial tem 84 empresas, modificando totalmente a economia de cidades como Ipojuca e Cabo de Santo Agostinho, que cresceram muito na primeira década dos anos 2000. A estatal também tinha um plano diretor e, como consequência disso o seu crescimento foi ordenado, além de desenvolver várias ações de sustentabilidade nos últimos anos.

Diretor da Komboogie Brasil, Rosael Queiroz, diz que “realmente é motivo de festa os 45 anos”, porque a estatal conseguiu atrair grandes projetos. “O tempo muda tudo, os volumes crescem. Quando começamos a operar aqui, os navios chegavam com 34 contêineres. Os navios maiores transportavam 90 contêineres. Hoje, em média, uma embarcação transporta 15 mil unidades”, comentou Rosael que vê com bons olhos a chegada, no futuro, de um segundo terminal de contêineres na estatal. Ele foi um dos primeiros operadores de contêineres do Porto de Suape.

O secretário estadual de Desenvolvimento, Guilherme Cavalcanti, a governadora Raquel Lyra e o presidente de Suape, Márcio Guiot, na celebração dos 45 anos de Suape. Foto: Miva Filho/ Secom

Algo mais a comemorar

Além de quatro décadas e meia de atividade, Suape tinha algo mais a comemorar. Um dia antes, na quinta-feira (23) o Porto de Suape subiu de posição no ranking de maior Índice de Desempenho Ambiental (IDA) entre os 31 portos públicos do país. O atracadouro pernambucano conquistou o terceiro lugar em premiação concedida pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), ocorrida no Terminal Eldorado, localizado no Porto de Santos (SP).

O índice é uma importante ferramenta de comparação e compreensão da dinâmica da gestão portuária que mede, rigorosamente, o grau de atendimento às conformidades ambientais de cada atracadouro. O Porto de Itaqui (Maranhão) ocupou a primeira posição e o Porto de Itajaí (Santa Catarina), a segunda. O diretor de Sustentabilidade da estatal, Carlos Cavalcanti, representou Suape na solenidade e recebeu o troféu da Antaq. “Em 2022, estávamos em décimo lugar. Essa mudança significativa de posição no ranking é sinal de que o crescimento do porto está atrelado ao cuidado ambiental durante as operações portuárias e aos compromissos sociais e de governança corporativa”, afirma o diretor.

Suape completa quatro décadas e meia com números muito favoráveis. Além de figurar na primeira posição de hub de contêineres do Norte e Nordeste do Brasil, o porto é o sexto atracadouro público mais movimentado do Brasil, e prevê investimentos da ordem de R$ 46 bilhões em 12 empreendimentos de grande porte, entre eles, os já citados o novo terminal de contêineres da APM Terminals e a instalação do segundo trem da Refinaria Abreu e Lima (Rnest), da Petrobras.

Suape tem muito espaço para crescer e impactar a economia pernambucana. O Plano Diretor 2030 aponta para uma expansão de 50% na carga movimentada nos próximos sete anos, caso se consolidem pelo menos cinco empreendimentos estruturadores citados no documento. 

Além do terminal de contêiner e da nova etapa da refinaria, o plano aponta  um terminal de minérios e outro de Gás Natural Liquefeito (GNL) – que está em implantação – , e o futuro trecho pernambucano da ferrovia Transnordestina, o ramal Salgueiro-Suape. Com esses empreendimentos, o presidente do porto Márcio Guiot, argumenta que Suape vai dobrar a movimentação de carga nos próximos dez anos para 50 milhões de toneladas.

Festa de aniversário

Uma animada e descontraída festa ao ar livre, com direito a bolo de aniversário, homenagens e uma imersão na rotina da empresa marcaram as comemorações dos 45 anos do Porto de Suape, na tarde desta sexta-feira (24), na área externa do centro administrativo do Complexo Industrial Portuário de Suape. O porto pernambucano é o sexto atracadouro público mais movimentado do Brasil. Durante a solenidade, foram homenageados funcionários da estatal que ajudaram a consolidar Suape.

No local da celebração, também foram instalados barraquinhas dos participantes de dois projetos sociais de Suape que estimulam o empreendedorismo: o Tô na Feira e o Encadeamento Produtivo (em parceria com o Sebrae-PE). Nas 12 barracas do Tô na Feira, foram oferecidos alimentos orgânicos, iguarias e peças artesanais produzidas por mãos talentosas. Nos 10 quiosques da ação desenvolvida com o Sebrae, os expositores apresentaram os serviços disponíveis para as empresas do complexo, a exemplo de pequenos reparos, manutenção em geral, fornecimento de alimentos e de fardamento.

O complexo abriga 84 corporações em 12 polos de desenvolvimento, gerando 20 mil empregos. Ao longo das quatro décadas e meia, foram injetados R$ 74,5 bilhões em investimentos privados. Para os próximos quatros anos, o cenário é bastante promissor, com a confirmação de 12 novos empreendimentos que vão movimentar R$ 45,6 bilhões, com a geração de cerca de 30 mil novos postos de trabalho, entre diretos e indiretos.

Na ocasião, foram homenageadas cerca de 40 personalidades que contribuíram para o desenvolvimento do atracadouro desde o início das obras, no começo da década de 1980, até os dias de hoje. O secretário de Desenvolvido Econômico de Pernambuco (SDEC), Guilherme Cavalcanti, considera o momento um divisor de águas na história do porto pernambucano. “Suape está atraindo novos investimentos como o segundo terminal de cargas da APM Terminals com aporte de R$ 1,6 bilhão. Além do Tecon Suape já instalado, o novo empreendimento vai gerar 500 empregos diretos e 2 mil indiretos, na sua construção”, explicou o executivo. A expectativa é de que as obras do segundo terminal comecem em 2024.

Leia também

Plano estratégico da Petrobras de US$ 102 bilhões alcança Suape e Sergipe

Plano Diretor aponta 5 empreendimentos que farão Suape crescer 50% até 2030

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias