White Martins em PE torna-se pioneira na produção de hidrogênio verde

A empresa é agora a primeira na América do Sul a produzir H2V
A produção abastecerá o mercado pernambucano. Foto: divulgação

A unidade pernambucana da White Martins, empresa fornecedora de gases industriais e medicinais, é a primeira companhia na América do Sul a ter sua produção em escala industrial de hidrogênio verde (H2V) e neutro em carbono certificada através do “Green hydrogen certification”, concedido pela fornecedora global de serviços técnicos, segurança e de certificação, TÜV Rheinland.

Em Pernambuco, a White Martins poderá receber até 1.6 MW utilizada no processo de eletrólise da água. O hidrogênio verde, produzido por meio de um processo conhecido como eletrólise da água, que separa as moléculas de hidrogênio das de oxigênio utilizando energia renovável. De acordo com o Banco Mundial, hoje são produzidas cerca de 600 milhões de toneladas de hidrogênio por ano no mundo, mas apenas 1% é produzido com baixa emissão de carbono. 

“A White Martins tem mais de 40 anos de experiência na produção de hidrogênio no Brasil e estamos disponibilizando ao mercado toda nossa expertise global para que o país se torne uma referência mundial na produção de hidrogênio verde. Nossa expectativa é que esta seja a primeira certificação de muitas que pretendemos ter em nossa região nos próximos anos”, disse Gilney Bastos, presidente da White Martins na América do Sul. 

A empresa – que faz parte do grupo alemão Linde – declarou que o processo de avaliação e certificação durou cerca de três meses, e estima uma produção, em escala industrial, de 156 toneladas de HSV por ano, para atender, inicialmente, ao mercado pernambucano. Gilney afirmou ainda que a descarbonização da produção é uma prioridade da companhia, “em linha com nossa missão de construir um mundo mais produtivo e sustentável”. 

Outros projetos

Além da certificação da unidade de Pernambuco, a White Martins investe em outras iniciativas de hidrogênio verde no país, como o fornecimento do produto para o abastecimento de um automóvel elétrico à célula combustível da Toyota do Brasil, chamado “Mirai”.

- Publicidade -

A companhia também assinou memorandos de entendimento (MoU) com os governos dos estados do Ceará, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, e com os complexos portuários de Pecém (CE), e do Açu (RJ), para a realizar de estudos de viabilidade para implantação de projetos de hidrogênio verde e de amônia verde.

Certificação nacional

Nesta semana, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) lançou a primeira versão de um documento que atestará a origem de produção do hidrogênio brasileiro, com o objetivo de atender a demanda de projetos piloto para fabricação de hidrogênio com baixa emissão de carbono. 

A certificação foi lançada na quarta-feira (7), considerando particularidades brasileiras, como a relevância das hidrelétricas, e exigências do mercado europeu, diante do elevado número de clientes em potencial no continente.

Leia também: Importações cearenses crescem 91% no acumulado de 2022

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -