terça-feira, 16/04/2024

Mel de Pernambuco sofre com “exportação irregular” e falta de certificação

Sem entrepostos oficiais, produção acaba não sendo computada como pernambucana e falta de registro impede venda a órgãos públicos
Companhia vem investindo na construção de unidades de beneficiamento de mel e entrega de kits apícolas Foto: José Luiz Oliveira/Arquivo/Codevasf

Embora a concorrência com Piauí e Maranhão sejam desafios, o potencial de Pernambuco se revela em números de sua produção de mel. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que o estado chegou a ser o quarto maior produtor de mel do Nordeste, tendo fabricado 1,2 mil toneladas em 2021. Nesta segunda-feira (11), a Companhia do Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) inicia as obras de unidade de beneficiamento do produto em Dormentes (PE). O investimento é de R$ 524 mil.

Na região de Dormentes, no Sertão pernambucano, boa parte dos apicultores tem entre 20 e 50 colmeias em suas propriedades, cada uma com capacidade de produzir 35 quilos por ano. O mel é vendido a granel, e o quilo custa, em média, R$ 10. A maioria dos municípios da região, contudo, não dispõe de agências responsáveis por certificações ambientais, e, sem o Registro de Inspeção Estadual, o produto pernambucano acaba impedido de abastecer escolas, ações de assistência social e o comércio.

- Publicidade -

Mel sem repasse

“Como não temos entreposto aqui, quase todo o mel que é produzido na nossa região acaba não sendo computado como pernambucano. São produtores que não conseguem repassar o mel para o PAA, para escolas estaduais ou para supermercados”, detalha o gerente administrativo da Codevasf em Petrolina, Elijalma Augusto, que é pesquisador da área e acrescenta a importância ambiental da atividade.

“A apicultura contribui com a preservação da vegetação, fundamental para a sobrevivência das abelhas, as principais responsáveis pela polinização das plantas”, comenta. Inserida na caatinga e adaptada às condições semiáridas, a atividade acaba contribuindo com a preservação do bioma local, que é único.

Para o superintendente Edilazio Wanderley, uma saída a curto prazo é fomentar os arranjos produtivos locais. Para isso, a companhia vem investindo na construção de unidades de beneficiamento – conhecidas como casas de mel – e na entrega de kits apícolas aos produtores.

- Publicidade -

“A capacidade que nossos arranjos produtivos têm é muito grande, mas é pouco aproveitada. Pelas experiências que temos visto, estou convencido de que ações como as que temos buscado realizar podem mudar a economia de pequenos municípios e ajudá-los a superar esses entraves burocráticos”, completa.

No futuro, os apicultores de Dormentes poderão diversificar suas fontes de renda com a fabricação de cosméticos à base de própolis, mel e cera de abelha. Eles poderão ser capacitados pela Codevasf para a produção de itens como sabonetes, xampus e hidratantes corporais, como já ocorre em associações da Bahia através de ações de Arranjos Produtivos Locais (APLs).

O que diz a Adagro

Em resposta ao site Movimento Econômico, a Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária do Estado de Pernambuco (Adagro) confirmou que, até o momento, não existe estabelecimento com registro finalizado para beneficiamento de mel em Dormentes.

A agência informou ainda que, há cerca de três anos, apenas um estabelecimento solicitou registro no município, que foi “realizada uma vistoria prévia, com aprovação do local e planta, mas o estabelecimento não entrou em contato novamente para progredir quanto às outras etapas necessárias para o seu registro”.

Por fim, a Adagro reforçou que, “para proceder com o envio de mel e outros produtos apícolas para outros estados, é necessário que o produtor/apicultor atenda as legislações vigentes relativas à sanidade agropecuária” e colocou as equipes à disposição do município para informações e esclarecimentos sobre o processo de regularização de empreendimentos desse tipo junto à Adagro para posterior Registro de Inspeção Estadual.

Leia mais em: Cadeia do mel em Pernambuco ganha força com unidade de extração em Dormentes

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -