Como Hapvida saiu de prejuízo de R$ 342 mi para um lucro de R$ 83 mi?

Fique por dentro de todos os números que explicam a virada de jogo da Hapvida, que surpreendeu o mercado de ações
Hapvida fechou 1º trimestre com resultado que surpreendeu os analistas do mercado de ações
CEO da Hapvida, Jorge Pinheiro comemora retomada da saúde financeira da companhia, em meio à crise do setor/Foto: Hapvida

A Hapvida, numa virada de jogo impressionante, reportou lucro líquido (após juros, impostos, amortização e depreciação) de R$ 83,4 milhões no primeiro trimestre deste ano (1T24), revertendo um prejuízo de R$ 342,6 milhões registrado no mesmo período do ano passado. Este foi o melhor resultado da operadora de planos de saúde desde a fusão com o Grupo NotreDame Intermédica (GNDI), em fevereiro de 2022. A empresa é sediada no Ceará.

O lucro antes dos juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) ajustado é ainda mais supreeendente: somou R$ 1,011 bilhão entre janeiro e março de 2024, crescimento de 60% sobre o mesmo trimestre de 2023. A cifra, recorde na história da companhia, superou em 16% as projeções do mercado financeiro (R$ 864 milhões).

- Publicidade -

A margem Ebitda – relação entre lucro e receita – foi de 14,5%, um avanço de 5 pontos percentuais na mesma base de comparação.

“Com a adequada gestão das despesas, o Ebitda ajustado superou a marca histórica de R$ 1 bilhão”, comemora o CEO Jorge Pinheiro.

“A geração de caixa robusta e a desalavancagem contínua reforçam a trajetória consistente dos nossos negócios”, acrescenta.

- Publicidade -

A empresa é a maior do setor, na América Latina, em número de beneficiários, com cerca de 16 milhões de vidas, número que se manteve praticamente estável, com leve queda (0,8%), no comparativo anual.

Entenda o desempenho da Hapvida

Não existe mágica para a performance da Hapvida, num ciclo de dificuldades do segmento em todo o país.

A área de planos de saúde, desde a pandemia da Covid-19, enfrenta encolhimento preocupante da base de clientes, alta de custos e crescimento de fraudes milionárias, entre outros problemas. O prejuízo operacional do segmento entre 2021 e setembro do ano passado chegou a R$ 18 bilhões.

As empresas tentam reagir com aumento das mensalidades e cancelamento unilateral de contratos, criando um nível de conflito sem precedentes com os usuários. Os níveis de judicialização dispararam. A tensão contribui para afugentar ainda mais clientes.

Para sobreviver nesse cenário desafiador e sair do vermelho, a Hapvida adotou como estratégia principal uma gestão financeira e operacional espartana, com rigor máximo.

Hapvida e o terror dos planos de saúde

Com reajuste de preços, austeridade no topo, menor utilização do plano pelos clientes e aumento da terceirização (verticalização), a Hapvida vem conseguindo reduzir de forma contínua a sinistralidade, o terror das operadoras do ramo.

Sinistralidade é a relação entre o custo gerado a cada vez que o plano de saúde é utilizado (sinistro) e o valor que a empresa recebe (prêmio). Quanto maior o índice, pior o resultado.

Não é à toa que esse é um dos principais indicadores da saúde financeira dos planos. Na Hapvida, a sinistralidade foi de 68% nesse balanço mais recente. No quarto trimestre de 2023, a companhia havia divulgado um índice de 69,3%.

“Esse indicador também superou as expectativas e foi o melhor desde a fusão com a GNDI”, diz Jorge Pinheiro.

Hapvida NotreDame é a maior operadora do setor em toda a América Latina
Escritório da Hapvida NotreDame na Avenida Paulista: empresa lidera o setor na América Latina, com 16 milhões de vidas/Foto: Hapvida

Endividamento da operadora cai 41%

A queda no endividamento foi outro fator essencial para que a Hapvida conseguisse a performance desse início de ano. A redução na alavancagem foi expressiva.

A dívida líquida passou de R$ 7,5 bilhões no primeiro trimestre de 2023 para os atuais R$ 4,4 bilhões, diminuição de 41,3%

Com isso a relação relação dívida líquida/Ebitda ajustado caiu de 1,38 vezes para 1,13x.

Receita cresce com reajuste e cobranças

Com aumento das mensalidades, combate ostensivo à inadimplência e cobrança implacável de devedores, a receita líquida apresentou melhoria. Houve alta de 3,9%, subindo de R$ 6,72 bilhões entre janeiro e março do ano passado para R$ 7 bilhões. Na comparação com o trimestre anterior, o incremento foi bem menos robusto, próximo da estabilidade: 0,8%.

Ações tiveram a maior alta do dia na Ibovespa

A divulgação do balanço da Hapvida fez com que as ações da companhia fechassem essa terça-feira (14) com alta de 10,42%, maior valorização do dia na Ibovespa. Os papéis foram negociados a R$ 4,45.

Com isso, a empresa ganhou cerca de R$ 3 bilhões em valor de mercado, que atingiu R$ 33,6 bilhões

Quem é a Hapvida?

Criada em 1993, em Fortaleza (CE), a Hapvida é a maior empresa de saúde e odontologia dos países sul-americanos. A companhia, que tem ações listadas em bolsa como HAPV3, fez seu IPO (oferta inicial) em abril de 2018.

A operadora fechou o trimestre com 66 mil colaboradores e 801 unidades assistenciais próprias em todo o país. São 86 hospitais, 76 unidades de pronto atendimento, 345 clínicas e 294 unidades de diagnóstico por imagem e coleta laboratorial.

Leia mais sobre Hapvida:


Com investimentos de R$ 1,5 bilhão, Hapvida NotreDame amplia sua rede

Hapvida NotreDame Intermédica reduz dívida líquida no 3º trimestre

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -