Para CEOs, megatendências ameaçam longevidade dos negócios

Pesquisa Global CEO Survey – 2024, realizada pela PwC, tira o Brasil do ranking de fontes estratégicas de crescimento para os CEOs globais.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Mudança climática
Mudanças climáticas são uma megatendência que preocupa os CEOs ouvidos pela pesquisa/ Imagem de Kanenori por Pixabay

A continuidade dos negócios vem preocupando cada vez mais os gestores de empresas. A 27ª edição da pesquisa Global CEO Survey – 2024, realizada pela PwC, revela que 41% dos CEOs no Brasil acreditam que suas organizações não sobreviverão por mais de dez anos se mantiverem o rumo atual dos negócios. Isso representa um aumento de 8% em relação ao levantamento anterior. No mundo, o tema preocupa 45% dos altos executivos (aumento de 6%).

Essa é a expectativa mesmo estando os CEOs mais otimistas em relação ao crescimento econômico global. No Brasil, o temor de uma desaceleração mundial diminuiu, enquanto a previsão de aceleração aumentou em 2024 – subiu para 36% contra 17% no ano passado – um resultado semelhante ao global: 38% ante os 18% de 2023. 

No entanto, no Brasil, 39% ainda acreditam em desaceleração global, enquanto 25% em estabilidade. No mundo, o cenário de estabilidade alcança 16% e o de desaceleração, 45%.

Já com relação ao país, os CEOs brasileiros estão mais otimistas que a média dos países, conforme o quadro abaixo:

Fonte PwC

Segundo a levantamento da PwC, o ambiente econômico e geopolítico mexeu com o interesse dos líderes em crescer no exterior. O Brasil foi bem afetado, tendo recuado quatro posições em um único ano no ranking de fontes estratégicas de crescimento para os CEOs globais. Pela primeira vez em um décadas, o país não figura entre as dez primeiras colocações. O Brasil agora ocupa 14ª em termos de interesse global. Os 10 melhores países são Estados Unidos com 29% do interesse, seguido por China (21%); Alemanha (15%); Reino Unido (14%); Índia (8%); França, Canadá e Japão, todos com 7%; Austrália (5%) e México (5%).

Mudanças climáticas e IA

As mudanças climáticas entram definitivamente na pauta dos CEOs. Cerca de três quartos dos que foram ouvidos no Brasil e no mundo relataram esforços em andamento ou já concluídos para melhorar a eficiência energética de seu negócio, enquanto 66% no Brasil e 58% no mundo afirmam ter inovado em produtos e serviços com baixo impacto climático ou estar trabalhando para isso. A pesquisa revela ainda que em todo o mundo os líderes estão aceitando taxas de retorno menores para investimentos com baixo impacto climático.

O rápido avanço da IA generativa e seu potencial desproporcional para a disrupção são motivos de inquietação para os líderes globais. Metade deles acredita que nos próximos 12 meses a IA generativa irá melhorar sua capacidade de desenvolver confiança na relação com os stakeholders, enquanto cerca de 60% preveem que ela vai melhorar a qualidade de produtos ou serviços.

A maior preocupação dos CEOs com a IA generativa continua sendo com os riscos relacionados à cibersegurança. Além disso, 63% no Brasil (52% no mundo) concordam que essa tecnologia vai acelerar a disseminação de desinformação.

Pressões e ameaças sobre CEOs

Os altos executivos entendem que o negócio precisa se reinventar nos próximos três anos porque sofrem com o aumento da pressão diante de alterações associadas à tecnologia, às preferências dos consumidores e ao clima. 

Mudanças climáticas e disrupção tecnológica, junto com outras megatendências globais em aceleração, forçaram 97% dos CEOs a tomarem alguma medida, nos últimos cinco anos, para mudar sua forma de criar, entregar e capturar valor, ou seja, para manter seu negócio próspero.

A pesquisa constatou que os CEOs que estão mais preocupados com a viabilidade de suas empresas tendem mais a indicar a existência de obstáculos à reinvenção. Muitas restrições percebidas à reinvenção recaem diretamente na esfera de influência deles. Processos burocráticos, prioridades operacionais concorrentes, recursos financeiros limitados, competências da força de trabalho e recursos tecnológicos estão sujeitos a algum grau de influência dos CEOs, como também a eficiência, que é uma área de preocupação para muitos líderes.

Segundo a PwC, avanços concretos ocorrerão quando líderes e empresas realizarem iniciativas relevantes para transformar a maneira como criam, entregam e capturam valor. A pesquisa deste ano mostra uma associação positiva entre margens de lucro autodeclaradas e iniciativas comerciais com impacto grande ou muito grande nos modelos de negócios, como desenvolvimento e implementação de tecnologia, modelos de precificação inovadores e parcerias estratégicas.

Leia também:

Investimento de impacto: a classe de ativos do futuro

Suape contrata Observatório da Indústria para orientar decisões estratégicas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias