Pernambuco tem mais de 426 mil pessoas endividadas

O endividamento alto é um problema porque as pessoas passam a consumir menos, ajudando a economia a ficar estagnada.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
comércio
Pernambuco tem 426.148 pessoas endividadas e 170.561 inadimplentes, segundo o recorte da Pesquisa da CNC. Foto: divulgação Fecomércio-AL

As famílias pernambucanas estão endividadas. Este percentual chega a 81,5%, patamar superior a da média do País que está em 78,3%, segundo informações da Fecomércio-PE, mesmo com a sequência de três meses consecutivos de queda na taxa de endividamento em Pernambuco, que caiu 0,24% em maio em comparação ao mês de abril. Em números absolutos, Pernambuco conta com 426.148 mil pessoas endividadas e outras, 170.561 mil (32,6%) com dívidas em atraso, os chamados inadimplentes.

Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), o principal tipo de endividamento é aquele contraído junto ao cartão de crédito para 93,8% dos endividados. Ainda em Pernambuco, os incapazes de pagar suas dívidas no próximo mês são 18,2% entre as famílias com renda de até 10 salários mínimos, de acordo com a PEIC, realizada mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio (CNC).

O número de endividados, ainda de acordo com a pesquisa, pode ser explicado pelo avanço do desemprego no Estado, comprometendo o fluxo de rendimentos familiares; já o de inadimplentes reflete o fato de que os consumidores desempregados buscam evitar contrair mais dívidas.

Aqueles com dívidas em atraso já somam 32,6% dos entrevistados, o que representa um total de 170.561 inadimplentes. Geralmente, quando a inadimplência ocorre, é comum observar uma desaceleração no consumo, o que afeta, principalmente, pequenas empresas do setor de comércio e serviços. Depois do endividamento no cartão de crédito, o carnê foi o segundo tipo de dívida mais escolhida entre as duas faixas de renda. Isso ocorre porque os varejistas oferecem a facilidade desta modalidade de pagamento, o que atrai os consumidores que não desejam utilizar o cartão de crédito. Em alguns casos, essa modalidade pode oferecer juros zero, o que incentiva mais os clientes a efetuarem suas compras dessa forma.

Para as famílias de renda mais elevada, o financiamento de carros é o terceiro tipo de endividamento mais comum. Com as medidas implementadas pelo Governo Federal para subsidiar carros até R$120 mil com descontos entre R$ 2 mil a R$ 8 mil, espera-se um aumento dessa prática nos próximos meses.

O atraso dos endividados

Já o tempo médio de atraso nos pagamentos das dívidas em Pernambuco é de 59 dias, enquanto no Brasil é de 63 dias. Cerca de 33% dos entrevistados relataram ter o tempo de comprometimento das dívidas entre 3 e 6 meses. É sabido que o pagamento de juros, mora e multa é inevitável em caso de atrasos. Portanto, quanto mais cedo a dívida for quitada, melhor para o orçamento familiar, pois sobra mais renda disponível a ser destinada para consumo e/ou poupança. Por isso, é importante reduzir ao máximo o tempo de atraso das dívidas, garantindo uma melhor saúde financeira dos domicílios, como aconselham os especialistas.

Outro aspecto relevante, que dialoga com o problema da dívida, é o efeito da inflação. Os dados do Boletim Focus mostram que há uma expectativa de queda na inflação até o fim do ano, o que pode contribuir para o aumento do poder de compra dos consumidores.

O economista da Fecomércio, Rafael Lima, destaca: “Os dados sobre inflação do boletim Focus do Banco Central do último mês trazem otimismo principalmente para as famílias de renda mais baixa, que é o grupo mais lesado com a inflação. A redução da taxa de inflação pode corresponder a um aumento de renda disponível, que ajuda no consumo e a quitar dívidas. Em contraponto, o alto desemprego em Pernambuco reflete principalmente nas famílias que não terão condições de pagar as dívidas contraídas, sendo enquadrados como inadimplentes”.

Entenda mais sobre a pesquisa

A PEIC é elaborada pela (CNC) e ganhou um recorte especial para o Estado de Pernambuco, feito pela Fecomércio-PE . A pesquisas considera que o endividamento das famílias se refere a contas ou despesas contraídas com cartão de crédito, cheques pré-datados, carnês de lojas, empréstimo pessoal, compra de imóveis, prestações de carros e seguros. No levantamento, as estimativas também diferenciam dois grupos de renda: famílias com renda de até 10 salários mínimos e famílias com renda superior a esse patamar. O objetivo da pesquisa é diagnosticar o nível de endividamento e inadimplência do consumidor. Também são apurados o percentual de inadimplentes, a intenção de pagar dívidas em atraso e o nível de comprometimento da renda.

A pesquisa define, ainda, o potencial de inadimplência, que é a expectativa dos devedores não pagarem suas dívidas no mês subsequente ao levantamento. Já o atraso no pagamento (inadimplência) é o ato de não cumprir efetivamente os compromissos assumidos com o endividamento.

A pesquisa acompanha o nível de comprometimento do consumidor com dívidas e sua relação com a capacidade de pagamento, revelando informações importantes para a tomada de decisão dos empresários do comércio.

Leia também

Pesquisa mostra como tributos encarecem presentes para namorados

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias