Na Stellantis, a sintonia é fina com o Parque de Fornecedores

Conheça um pouco do parque de fornecedores da Stellantis em Goiana, que emprega milhares de pernambucanos e promove forte inclusão social.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Stellantis Faurecia PCMA
A Faurecia PCMA é um dos fornecedores do Supplier Park da Stellantis/Foto: Arthur de Souza

O Polo Automotivo Stellantis Goiana, em Pernambuco, tem muita tecnologia embarcada. Robôs estão por toda parte e atraem o olhar de quem visita as instalações. Os braços robóticos fazem do trabalho mais pesado ao mais preciso. Mas uma das coisas que torna a unidade pernambucana diferenciada é a sintonia fina entre a montadora e as 18 empresas instaladas no Supplier Park, o parque de fornecedores.

A sincronia pode ser percebida de formas diferentes. Está no sistema que interliga todas as unidades e faz com que produzam dentro da filosofia Just in time, just in sequence. Também está no ritmo que as empresas precisam seguir para promover sua descarbonização e caminhar dentro das metas da montadora. Além disso, pode ser percebida nas boas práticas de inclusão social.

Em Goiana, todos seguem a cartilha ESG (Environmental, Social and Governance), sigla em inglês que representa as práticas de sustentabilidade ambiental, social e de governança corporativa nas empresas.

Quando se visita essas unidades do parque de fornecedores, percebe-se que há um grande compromisso com qualidade, inclusão social e redução da emissão de resíduos e CO2. Esses princípios também estão conectados com as metas do plano estratégico Dare Foward 2030 da Stellantis, no qual a empresa se compromete em reduzir em 50% suas emissões até 2030 e zerar completamente até 2038.

Na Faurecia PCMA, por exemplo, a meta é mitigar as emissões de CO2 até 2025 e zerar até 2030. A empresa realiza campanhas de incentivo de plantio no entorno. Juntos, colaboradores, lideranças e executivos já plantaram mais de 100 árvores.

A inclusão social também é muito forte na Faurecia PCMA. Quando começou sua operação em Pernambuco, a maior parte da mão de obra era do Sudeste. Hoje, 98% são de pessoas da região, sendo que 22% da liderança é local. “Foi desafiador. Tivemos que treinar as pessoas. Mas entendemos que quanto mais gente local, mais impacto positivo causamos”, explica Ronaldo Alves, plant manager da Faurecia PCMA.

Ronaldo Alves, plant manager da Fourecia PCMA, explica a Patricia Raposo a sintonia fina com a linha de produção da Stellantis

Essas pessoas precisaram dominar as máquinas e as tecnologias embarcadas e trabalhar dentro do just in time, just in sequence, conceito da logística que visa atender não só os itens necessários da montadora na quantidade determinada e no momento necessário, mas também na sequência certa. Algo que requer muita precisão na operação.

No ritmo da Stellantis

A Faurecia PCMA fornece consoles, painéis e portas e quando recebe um pedido da montadora, tem exatas duas horas para entregar. Nas linhas de produção, as equipes precisam acompanhar através de telas as solicitações da Stellantis. “Temos um estoque de reserva que suporta até três horas, caso aconteça algum imprevisto”, explica Ronaldo Alves.

A empresa conta com 290 plantas em 140 países, com faturamento global de U$S 25 bilhões em 2022 – R$ 1,2 bilhão no Brasil. Em Goiana, são 1.600 funcionários responsáveis por entregar todos os dias 3.400 portas, 1.460 para-choques, 850 cockpit e mesmo volume de consoles. O nível de complexidade é alto. Todos os dias 47 mil peças são manipuladas na Faurecia PCMA. É o fornecedor com maior tecnologia embarcada do polo automotivo.

“A sinergia entre a planta da Stellantis e os fornecedores é essencial para garantir o fluxo e a qualidade da produção. Juntos, trabalhamos para solucionar desafios e evitar atrasos em todo o complexo”, explica Anna Figueiredo, Supplier Park Management Goiana. A sincronia azeitada é exigida de todos os fornecedores, e cada um tem um tempo de entrega que precisa ser atendido dentro dessa complexa cadeia.

Onde as mulheres predominam

Na Lear, que produz os bancos, acontece a mesma coisa. A empresa precisa entregar por dia até 1.050 kit de bancos. São 39 tipos diferentes, conforme as variações dos modelos produzidos: Jeep Renegade, Jeep Compass, Jeep Commander, Fiat Toro e a Ram Rampage. Desse total, 90% são em couro.

Para essa produção, a Lear conta com cerca de 1.300 colaboradores, sendo quase a metade mulheres residentes na região. “O polo virou ponto de desejo e vemos hoje muitos jovens da região buscarem preparação para conseguir vagas aqui no complexo”, diz Josemildo Lourido, plant manager da Lear. Segundo Leonardo Almeida, gerente de RH da empresa, os treinamentos estimulam os funcionários a buscarem maior qualificação. “Eles passam a enxergar oportunidade de crescimento. É um efeito multiplicador”, explica.

A unidade é certificada no Great Place to Work e faz um trabalho muito dedicado para não perder essa certificação, que vem se renovando há quatro anos. São muitos cuidados com os funcionários, que vão desde o Lear Innovation Lab – um espaço criado para fomentar ideias e inovações, onde os colaboradores desenvolvem melhorias no ambiente de trabalho – , ao Lear Baby, programa que acolhe as mulheres durante a maternidade e o lactário, espaço dedicado às mulheres que retornam da licença maternidade.

“O lactário é uma forma de demostrar que após a maternidade, as mulheres serão acolhidas”, explica Camila Brandão, gerente em uma das áreas de produção da empresa. Camila fez parte do projeto de implementação do lactário e também foi ela a primeira a utilizar as instalações.

Lear
Camila Brandão, gerente na Lear e idealizadora do Lear Baby/ Foto: Arthur de Souza

O programa Lear Baby acompanha tanto a maternidade quanto a paternidade dos funcionários, procurando saber como anda o desenvolvimento do bebê e o seu cronograma de vacinação.

O compromisso com as pessoas é uma política do Supplier Park, que funciona como um tipo de condomínio, onde as regras devem ser seguidas por todos.  Essa sincronia é que faz o sucesso do negócio, não só do ponto de vista dos resultados na produção, mas da qualidade da mão de obra que existe ali.

Lear
Josemildo Lourido, plant manager da Lear: estimulo à criatividade no Innovattion Lab/Foto: Arthur de Souza

Leia a primeira matéria desta série:

Polo Automotivo Stellantis Goiana chega ao 8º ano com foco na descarbonização

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias