Lenildo Morais: Como os bancos podem se beneficiar do Metaverso?

O Metaverso oferece potencial de criação de valor para muitas indústrias, incluindo varejo, hotelaria e entretenimento.
Lenildo Morai
Lenildo Morais

Por Lenildo Morais*

As instituições financeiras estão sendo desafiadas a mostrar como podem aproveitar o poder do Metaverso para alcançar novos públicos, melhorar as experiências do cliente e avançar na corrida digital. Isso pode ser possível, apesar dos obstáculos regulatórios e das limitações tecnológicas.

As instituições financeiras clássicas enfrentam grandes desafios hoje: BigTechs contestaram seu principal modelo de negócio nos últimos anos com inúmeros serviços de pagamento online. Como a indústria de tecnologia conseguiu conquistar um mercado de serviços de pagamento eletrônico que durante décadas foi domínio dos bancos? A resposta: por meio de tecnologias inovadoras, disponibilidade constante e uma experiência de cliente otimizada. Mas isso não é tudo.

É claro que os bancos tem melhorado a experiência do cliente com internet e mobile banking, por exemplo. Mas até agora falta o instrumento com potencial para catapultá-los de volta ao primeiro lugar. O Metaverso tem esse potencial. Para mais do que compensar seu déficit em termos de estilo de vida e experiência do cliente.

Novos mercados, novos grupos-alvo

- Publicidade -

A Geração Z já está em casa no Metaverso e está quase totalmente digitalizada. Além do mais, esta geração quase não se importa para as ofertas offline. Se você não quer ficar para trás precisa conquistar esse público-alvo hoje. O Metaverso fornece canais de comunicação e vendas para o atendimento ao cliente de varejo, pequenas e médias empresas e indústria de hipoteca e crédito.

Hoje, o Metaverso é um espaço virtual coletivo criado pela sobreposição de um físico virtualmente aumentado e uma realidade digital. Essa interseção do mundo real e digital oferece a plataforma para uma área econômica digital. Moedas digitais e valores digitais não falsificáveis (Non Fungible Tokens (NFTs)) possibilitam uma economia digital.

Isso soa complicado? Um exemplo: você compra uma obra de arte digital ou ações em um leilão online. É pago com uma criptomoeda e, devido à sua natureza de NFT, é e permanecerá único. Com óculos VR, você pode ver esta obra de arte no espaço virtual ou reorganizá-la todos os dias em sua sala de estar virtual. O Metaverso oferece, assim, a plataforma para um mercado de arte digital por meio da interação de criptomoeda, NFTs, blockchain e tecnologia VR. E o mesmo pode ser imaginado para o setor bancário, sejam as instituições realizando consultas no espaço virtual, realizando turismos imobiliários no Metaverso ou pedindo um agendamento na agência digital ao estilo dos anos 1920…

Mas por que o Metaverso ainda está se desenvolvendo lentamente no momento? As principais razões para isso são os custos atualmente ainda altos e a disponibilidade e qualidade limitadas de headsets de realidade virtual e mista, bem como a aceitação ainda não generalizada de criptomoedas como moeda oficial em todo o mundo.

O que o Metaverso pode alcançar hoje?

A experiência Metaverso já pode ser oferecida aos clientes hoje, sem que Web 3.0, criptomoedas e realidade aumentada ou virtual (AR/VR) sejam componentes obrigatórios desta oferta. Os componentes do metaverso poderiam, por exemplo, dar uma nova vida aos sites frequentemente estáticos de bancos e provedores de serviços financeiros: apenas criar uma sensação de espaço cria clareza e desperta interesse. Se forem adicionados serviços com real valor agregado para o cliente, a experiência do cliente e o valor de reconhecimento aumentam enormemente.

Antecipe hoje, tenha sucesso amanhã

O hype do Metaverso ainda está concentrado em jogos de computador e conteúdo de mídia social. Mas o Metaverso oferece potencial de criação de valor para muitas indústrias, incluindo varejo, hotelaria e entretenimento. O setor bancário, que tem muito mais poder de investimento em relação às empresas de médio porte, não deve perder essa tendência e deve ser pioneiro e não retardatário.

No entanto, o setor financeiro é um dos setores mais regulamentados, e é por isso que o Metaverso será fortemente regulamentado na área de tecnologia blockchain e criptomoeda. As autoridades ainda não definiram nenhuma diretriz para o Metaverso, mas certamente o farão. Qualquer pessoa que antecipar não apenas a nova tecnologia, mas também os regulamentos associados em um estágio inicial, obterá uma vantagem competitiva significativa hoje.

O objetivo é facilitar a migração da geração do milênio do metaverso dos jogos para o metaverso bancário. Para isso, os bancos devem ser redesenhados em uma experiência interativa incomparável.

A caminho do metabanco

Um roteiro ajuda os bancos a criar meta lounges para seus clientes como uma extensão do banco online. Neste contexto é possível obter informações básicas, como saldo da conta ou vendas. Em uma próxima etapa, essas salas podem ser “gamificadas”, por exemplo, permitindo que os usuários criem avatares ou acessem-nos de casa usando a tecnologia VR. Em uma terceira etapa, os funcionários do banco também podem ser integrados ao metaverso por meio do acesso a esse ambiente multijogador. Segue-se uma interface para comunicação com outros clientes e a integração completa de todos os serviços desde o balanço das contas às transações e gestão de fundos. Na etapa final, os clientes do banco obtêm acesso aos mercados digitais por meio do meta lounge de sua instituição: portais virtuais de compras online com ofertas compre agora, pague depois.

Outro aspecto pode ser através do Metaverso business customer. Isso inclui serviços financeiros e não financeiros, de empréstimos comerciais a gerenciamento de capital e serviços de caixa a consultoria financeira, tributária ou jurídica. Essa espécie de portal Metaverso integra todos os clientes empresariais sob o mesmo teto, gerando confiança na marca.

Mas os bancos podem não só utilizar o metaverso para atrair a geração da nova era para os metabancos, como também transformar a sua oferta num marketplace digital. Parceiros podem ser integrados aqui e podem ser oferecidos serviços localmente na filial. Isso economiza tempo e dinheiro da instituição enquanto o negócio cresce.

Visões futuras

Os bancos se beneficiam desse portfólio em cinco áreas: a migração contínua dos millenials ricos de hoje do jogo para o metaverso bancário, melhor experiência do cliente, eficiência de custos por meio da escalabilidade, soluções de plataforma integradas para clientes empresariais e o setor imobiliário, personalização da oferta por meio de análise de dados hipereficiente. Outras ofertas, como serviços de avatar, mercados NFT, portais de meta-jogos ou design de meta-espaço são concebíveis no futuro.

A tecnologia deve ser desenvolvida antes que as empresas possam se beneficiar significativamente das metaofertas. O grande saque está a apenas alguns anos de distância, mas aqueles que se preparam para essa tendência imparável hoje superarão seus concorrentes amanhã. O design das salas virtuais também será aprimorado continuamente, semelhante aos gráficos dos jogos de computador até agora, para que o fator essencial de diversão (“gamificação”) para os usuários continue a aumentar. No entanto, o mais importante será sempre tornar a experiência do utilizador, a sua comunicação e os seus avatares o mais humano possível, porque é assim que um mundo inanimado pode ser trazido à vida.

* Lenildo Morais é Mestre em Ciência da Computação, Professor Universitário, Pesquisador e Gerente de Projetos

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -