Sudene reúne G52 para discutir desenvolvimento regional

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

Representantes de 52 das chamadas cidades polo do Nordeste estão reunidos até amanhã (22), em Natal (RN), para discutir estratégias de desenvolvimento regional que levem em conta o potencial econômico indutor destes municípios.

Para a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), juntas, as cidades representadas formam o chamado G52 – um grupo formado a partir do conceito de cidades intermediárias proposto pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e que reúne municípios com forte influência econômica regional.

“O G52 faz parte de uma estratégia da Sudene, orientada pelo Ministério do Desenvolvimento Regional e baseada no Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste, para a interiorização do desenvolvimento”, explicou o superintendente da Sudene, Araújo Lima.

Segundo ele, um dos objetivos da Superintendência é estabelecer o G52 como estratégia territorial de interiorização do desenvolvimento regional.

“É impossível chegarmos à ponta da linha, nos pequenos municípios, se não passarmos pelos municípios polo, ou seja, pelas cidades que atraem para si todo o comércio, indústria e vivificação regional”, acrescentou Lima, classificando o I Encontro dos Municípios Polo do G52 como uma ocasião para que os representantes das cidades polo do Nordeste troquem informações entre si e busquem viabilizar projetos conjuntos.

“O mais importante é que eles identifiquem para a Sudene, para o Banco do Nordeste, para o Sebrae, para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, as suas demandas e suas necessidades a fim de que possamos transformá-las em ações.”

A abertura do evento contou com a participação do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, que atribuiu à iniciativa a oportunidade para que “juntos, viabilizemos a interiorização de ações de desenvolvimento regional” no Nordeste.

“O Nordeste brasileiro tem 28% da população, mas só 14% da renda bruta do País. É importante que todos sejamos mais ou menos iguais. Temos que fazer um esforço para permitir que as regiões menos desenvolvidas se aproximem daquelas que são mais desenvolvidas. E que essas puxem as demais regiões para que tenhamos um país mais igual, mais justo”, afirmou o ministro.

>> Compõem o G52 as seguintes cidades: 

Alagoas: Arapiraca e Maceió;

Bahia: Barreiras, Feira de Santana, Guanambi, Ilhéus, Irecê, Itabuna, Juazeiro, Paulo Afonso, Salvador, Santo Antônio de Jesus e Vitória da Conquista;

Ceará: Crateús, Fortaleza, Iguatu, Juazeiro do Norte, Quixadá e Sobral;

Maranhão: Bacabal, Balsas, Caxias, Imperatriz, Presidente Dutra, Santa Inês e São Luís;

Paraíba: Cajazeiras, Campina Grande, João Pessoa, Patos e Sousa;

Pernambuco: Caruaru, Petrolina, Serra Talhada e Recife;

Piauí: Bom Jesus, Corrente, Floriano, Parnaíba, Picos, São Raimundo Nonato e Teresina;

Rio Grande do Norte: Caicó, Mossoró e Natal;

Sergipe: Aracaju e Itabaiana;

Espírito Santo: Colatina e São Mateus;

Minas Gerais: Governador Valadares, Montes Claros e Teófilo Otoni.

*Com texto da Agência Brasil

Leia também:

Sudene interioriza inovação no Nordeste

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias