Eurolatina passa a atuar no Recife

A Eurolatina atua desde 1994 ajudando empresas europeias a se instalarem no Brasil.

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

A Eurolatina, empresa formada pela união de representações de consultores seniores, que tem com objetivo de facilitar negócios entre Brasil, Alemanha, Áustria, Suíça e Rússia, está expandido seu raio de atuação e agora chega ao Nordeste. Focada em pequenos e médios negócios, a empresa busca firmar parcerias nos mais diversos setores da economia da região.

A Eurolatina atua desde 1994 ajudando empresas europeias a se instalarem no Brasil. No âmbito local, o foco são as pontes feitas entre empresas brasileiras com a dos países membros, para facilitar relações comerciais, troca de tecnologias, fusões e aquisições e outros assuntos ligados ao mercado exterior.

O portfólio da estrangeira inclui serviços que explicam desde como fazer negócios até estudos de mercado, localização, viabilidade, corretagem, representação comercial, abertura e gestão de empresas e assistências operacional e jurídica.

A empresa ainda não conta com escritório fixo no Nordeste, apenas o que fica na cidade de São Paulo, único no Brasil. O contato para negociações na região e no Norte do país é feito através do consultor Igor Rafailov, represente da empresa no Recife.

“Atualmente, representamos 20 empresas em todo o país e queremos expandir ainda mais essa penetração. Vimos no Nordeste um grande potencial a ser explorado, a exemplo do Complexo de Suape, o setor do agronegócio, que é muito forte por aqui e a produção de combustível vegetal, como é o caso dos briquetes, produzidos a partir dos resíduos descartados pela indústria. Já estamos em contato com uma empresa que trabalha com coco verde e a ideia é reutilizar esse material que seria jogado na natureza para gerar energia para outras empresas”, explica Igor.

O escritório da empresa em Moscou, na Rússia, foi aberto em janeiro deste ano, um pouco antes do conflito do país com a vizinha Ucrânia. “Antes de toda essa situação, fechamos uma parceria importante com um escritório em Moscou. Temos essas sanções econômicas que foram impostas e que atingem, principalmente, as pequenas e médias empresas. Apesar disso, ainda é possível fazer negócios com a Rússia, que sempre foi um grande parceiro do Brasil, como na área de fertilizantes, por exemplo. Existe a dificuldade financeira sim, mas passado esse episódio tenho convicção de que seremos procurados por investidores daquele país”, completa Igor Rafailov.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias