No Brasil, atacado cresce 10,9% em 2023. NE ficou com 9,22%

O setor de atacado abastece empresas responsáveis por metade do consumo dos brasileiros, segundo a Abad.
Um dos fatores que puxaram as vendas dos atacadistas foi o bom desempenho dos pequenos supermercados. Foto: FreePik.

O setor atacadista cresceu 10,9% no Brasil em 2023, enquanto no Nordeste este percentual ficou em 9,22%, comparando com o ano anterior, segundo o Ranking da Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores (ABAD)/NielsenIQ, divulgado na terça-feira (14). O que mais provocou este crescimento foi o aumento do consumo em pequenos supermercados que registrou uma alta de 11,9%.

Ainda em 2023, os supermercados grandes registraram uma alta de 10% e os hipermercados tiveram um aumento de 2,7%. Geralmente, os atacadistas fornecem os produtos para o varejo que vende ao consumidor final. O ranking exclui os atacarejos, que vendem para pequenos comerciantes e também para o consumidor final. Segundo o estudo, o atacado abastece as empresas que respondem por metade do consumo feito pelos brasileiros.

- Publicidade -

O estudo foi realizado baseado nas respostas de 740 empresas que atuam no setor e que apuraram R$ 258 bilhões em 2023. Deste total, R$ 41,21 bilhões foi faturado pelas empresas que participaram da pesquisa no Nordeste.

O ranking traz listas, como as 10 maiores empresas que atuam no setor no Nordeste e também um ranking das 10 maiores por estados. No Nordeste, o maior atacadista é o Atakadão Atacarejo, da Bahia, que faturou R$ 4,3 bilhões em 2023. O segundo maior faturamento é o Gazin Atacado, do Paraná, com R$ 1,9 bilhão movimentado. O Grupo Andrade, de Alagoas, é o terceiro maior atacadista com um faturamento de R$ 1,4 bilhão.

Os atacadistas em Pernambuco

Os atacados que operam em Pernambuco registraram um aumento de 6% no seu faturamento em 2023, movimentando R$ 6 bilhões. A Masterboi continua líder em Pernambuco com um faturamento de R$ 1,39 bilhão no ano passado, ocupando a quarta posição do ranking dos 10 maiores do Nordeste. Ainda nesta lista, a Karne Keijo é o segundo lugar com um faturamento de R$ 1 bilhão, ocupando o oitava posição entre aos 10 maiores do Nordeste.

- Publicidade -

São do Nordeste 287 das 740 empresas respondentes da pesquisa, o que representa uma participação percentual de 38,78%. O estado de Pernambuco contribuiu com 22 empresas participantes.

Os atacadistas no Ceará

Os atacadistas do Ceará registraram um crescimento de 15% bem acima do registrado nacionalmente, comparando com o ano anterior, segundo a Abad. Eles faturaram R$ 2,29 bilhões no ano passado. Entre os participantes do ranking do setor no Ceará, o DEC DAG/Merchant ficou em primeiro lugar, apresentando um faturamento de R$ 1,2 bilhão. Esta empresa também ocupa a quinta posição na lista dos dez maiores do Nordeste.

Em segunda colocação no Ceará está a Nazária Distribuidora com um faturamento de R$ 337,7 milhões, enquanto a JSB Comércio e Representações ocupou o terceiro lugar, tendo faturado R$ 191,2 milhões.

O atacado na Bahia

O setor de atacado na Bahia também registrou um crescimento acima da média nacional com um incremento de 12% em 2023 sobre 2022. Lá, os empreendimentos que responderam a pesquisa faturaram R$ 8,49 bilhões. A liderança do setor atacadista e distribuidor na Bahia continua com o Atakadão Atakarejo, ocupa o primeiro lugar entre os 10 maiores do Nordeste com um faturamento de R$ 4,31 bilhões.

Com faturamento superior a meio bilhão, destacam-se também a Cabral & Sousa (R$ 651,5 milhões), segunda posição no ranking baiano, e a Distribuidora São Roque com um faturamento de R$ 545 milhões, o que a colocou na terceira colocação.

*Com informações da Abad

Leia também

Assaí Atacadista, com 8 novas lojas, avança na guerra dos tronos do varejo nordestino

Comércio sobe 12% na BA e 8% em PE: entenda esse desempenho

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Notícias

- Publicidade -