IPCA-15 aumenta no Grande Recife pelo segundo mês consecutivo

Grande Recife obteve o sexto resultado mais alto de inflação para o mês entre as 11 localidades pesquisadas

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA 15), considerado a prévia da inflação, acelerou pelo segundo mês consecutivo na Região Metropolitana do Recife, chegando a 1,05% em março. O percentual está acima do resultado nacional, que ficou em 0,95%. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (25) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a sondagem, o Grande Recife obteve o sexto resultado mais alto para o mês entre as 11 localidades avaliadas. No entanto, no acumulado do primeiro trimestre do ano, a inflação foi de 2,56%, o que deixou a região mais desenvolvida do estado de Pernambuco na sétima colocação entre os locais pesquisados e discretamente acima da média nacional (2,54%).

Maiores altas na Regiâo Metropolitana do Recife foram registradas em artigos de residência (2,14%), saúde e cuidados pessoais (2,08%), alimentação e bebidas (1,74%) e transportes (1,35%)/Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Se considerado o acumulado dos últimos 12 meses, o Grande Recife aparece na quarta posição do ranking, com 10,95% de aumento, logo acima da média do Brasil, de 10,79%. Dos nove grupos de produtos avaliados pelo IPCA-15, o setor de habitação foi o único que registrou queda em março, 0,41%. Segundo o IBGE, o resultado é fruto da retração de 2,09% no custo da energia elétrica residencial.

A maior alta entre os segmentos avaliados foi percebida na área de artigos de residência (2,14%), seguido por saúde e cuidados pessoais (2,08%), alimentação e bebidas (1,74%) e transportes (1,35%). Todos os outros grupos de produtos e serviços ficaram abaixo de 1%, como em vestuário (0,56%), despesas pessoais (0,19%), educação (0,18%) e comunicação (0,06%).

Na avaliação da gerente de planejamento e gestão do IBGE em Pernambuco, Fernanda Estelita, a inflação em março está diretamente ligada aos preços dos alimentos e do transporte público. “Os tubérculos, raízes e legumes, por exemplo, tiveram alta de 14,08% em comparação a fevereiro e o preço das hortaliças e verduras subiu 13,38%. Esses são itens que têm sofrido bastante com as questões climáticas nos últimos meses. Outro fator que contribuiu para a alta no índice geral foi o reajuste de 9,07% nas tarifas de ônibus urbano em fevereiro”.

Os produtos alimentícios que mais subiram de preço no Grande Recife foram o melão (46,33%), a cenoura (43,52%), a batata-inglesa (34,94%) e o coentro (22,29%). Na área de serviços, o que pesou foi o reajuste de 20,44% no transporte por aplicativo.

Os dados para confecção do IPCA-15 foram coletados entre os dias 12 de fevereiro e 16 de março e comparados com os vigentes entre 14 de janeiro e 11 de fevereiro deste ano. Além do Recife foram pesquisadas as regiões metropolitanas de São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e do município de Goiânia.


Leia também – Banco Central diz que 2022 deve fechar com inflação de 7,1%

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias