Black Friday pode ameaçar as compras de Natal?

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

Por Juliana Albuquerque

Comércio tem duas datas fortes de vendas muito próximas. Para uns é ruim, para outros, não/Foto: ABR

Como já virou tradição no Brasil, nesta sexta (26), acontece a Black Friday no País. Segundo sondagem realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em parceria com a Offer Wise Pesquisas, 57% dos consumidores pretendem fazer compras no período e cerca de 38% vão aproveitar para antecipar as compras do Natal. Mas será que essa antecipação das compras natalinas pode terminar frustrando as expectativas positivas para o varejo brasileiro, que espera faturar cerca de R$ 68,2 bilhões com as compras de Natal?

Presidente da CNDL, José César da Costa. Foto: Divulgação

Para o presidente da CNDL, José César da Costa, a Black Friday é uma das principais datas de vendas do varejo e em nada atrapalha as vendas do Natal. “A Black Friday tem características particulares, o consumidor já se habituou com a data e se programa para aproveitar os preços especiais. Para o comerciante é um período em que ele limpa o estoque, o comércio necessita desse giro para mudar o estoque e trazer as novidades para o Natal”, avalia Costa.

Segundo ele, na Black Friday, há uma tendência grande de compras de eletrônicos, o ticket médio de gastos é maior do que no Natal, onde o consumidor compra vários presentes mais baratos para a família. “Vemos particularidades na forma de consumir em cada data. Pode existir uma antecipação de compras se a promoção valer a pena, mas que não impacta negativamente nas compras de Natal. São duas datas muito importantes para o setor e o varejo conta com as vendas para se recuperar das perdas do último ano”, argumenta o presidente da CNDL

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas do Recife (CDL-Recife), Fred Leal, diverge do posicionamento nacional. Para ele, a data tem impacto negativo nas vendas para o Natal. A explicação está na redução do lucro para o lojista. “A Black Friday tem sim um impacto negativo nas vendas de Natal, principalmente para alguns segmentos, como celulares e eletro-eletrônicos, acabam antecipando as vendas, mas com uma margem de lucro bem menor”, comenta Fred Leal, presidente da CDL/Recife.

Segundo levantamento recente da CNDL, sete em cada dez consumidores que pretendem comprar na Black Friday (75%) dizem que estão evitando algum tipo de compra em outubro ou novembro para poder aproveitar a data para comprar itens, como roupas, calçados e acessórios (25%), smartphones (20%) e eletrodomésticos (20%).

Opinião regional

Em Pernambuco, de acordo com pesquisa da Federação do Comércio Varejista de Pernambuco (Fecomércio-PE), 30% dos entrevistados pretendem antecipar as compras natalinas na Black Friday. Apesar do percentual, o economista da Fecomércio-PE, Ademilson Saraiva, não acredita em perdas de faturamento para o varejo em detrimento da antecipação. “Existe sim uma tendência de antecipação das compras de Natal em função da Black Friday, mas nada que venha a ameaçar as vendas estritamente de Natal e Réveillon”, analisa Saraiva. A lógica, segundo ele, é que a Black Friday envolve diversos segmentos, desde farmácia, supermercados, ao varejo de roupas, calçados e eletrônicos, enquanto as do Natal, tem potencial para alavancar as vendas de outros setores.

Presidente da CDL-Natal, José Lucena, acha que a Black Friday não atrapalha as vendas do Natal

Em sua análise, o presidente da CDL Natal, José Lucena, compactua com o raciocínio do economista da Fecomércio-PE. Para ele, a Black Friday é avaliada como uma ação promocional de vendas e, mesmo que alguns consumidores aproveitem o momento para antecipar as compras do Natal, ele não compromete as vendas específicas do período.

“É importante destacar que o tipo de produto que se compra na Black Friday é diferente dos que são comprados no Natal. Na Black é produto para si mesmo, no Natal não, são os presentes e as famosas lembrancinhas que se destacam. No comércio e no varejo tem espaço para todas as datas comerciais, cabe ao lojista entender como o jogo funciona, o perfil do consumidor, o que eles estão procurando e se preparar para atender a demanda”, avalia.

Para estimar o comportamento do consumidor da capital de Alagoas, Maceió, no período, o Instituto Fecomércio-AL realizou, nos dias 25 e 26 de outubro, a pesquisa de Intenção de Consumo para a Black Friday. De acordo com o levantamento, 34,13% dos consumidores comprarão itens no período, enquanto 16,87% afirmaram que talvez realizem compras. Com isso, a data deve movimentar R$ 33,5 milhões na economia da capital.

Segundo o presidente da Fecomércio-AL, Gilton Lima, a data contribuirá para o estímulo das vendas e ocorre em um momento em que as perspectivas dos setores é positiva. “A Black Friday vem sendo incorporada à cultura brasileira por uma demanda de mercado. Pela proximidade com o período natalino, a data é, para o comércio em geral, um aquecimento de vendas para o fim de ano”, ressalta Lima.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mais Notícias